Estudo | As raízes da velha narrativa sobre OGM

Estudo | As raízes da velha narrativa sobre OGM

Um ambiente regulatório diferente e benéfico à edição de genes na agricultura só é possível se a velha narrativa sobre os OGM perder credibilidade junto da próxima geração de consumidores. É o que defendem os autores do estudo Exploring the Roots of the Old GMO Narrative and Why Young People Have Started to Ask Critical Questions.

A história do moderno melhoramento de plantas está implicitamente presente em tudo o que cultivamos e comemos hoje, pelo que a estratégia do marketing de retalho de anunciar os produtos biológicos como ‘naturais’ e, portanto, ‘seguros’, em oposição aos produtos geneticamente modificados (GM) é altamente enganosa, segundo o estudo Exploring the Roots of the Old GMO Narrative and Why Young People Have Started to Ask Critical Questions, cujo primeiro capítulo já está à venda na Springer.

Dizem os autores que é a simplificação radical de agricultura ‘boa’ vs ‘má’ que torna o debate sobre a agricultura sustentável superficial e envolto em ficção e não em factos científicos. As consequências disso são visíveis na regulamentação incoerente e dispendiosa destinada a impedir o uso de variedades geneticamente modificadas (GM) na agricultura.

A narrativa que ao longo dos anos foi usada para denegrir os OGM junto dos consumidores está agora a ser usada para prejudicar as mais recentes técnicas de reprodução associadas ao CRISPR Cas9 e a outras ferramentas de edição de genes. Os que se opõem à agrobiotecnologia estão a rotulá-las como “OGM 2.0.”. Aliás, o mesmo rótulo já tinha sido implicitamente adotado pelo Tribunal de Justiça Europeu em 2018, quando decidiu sujeitar as técnicas de edição de genes mais recentes à regulamentação dos OGM, independentemente de o produto final ser transgénico ou não. E o Tribunal Superior da Nova Zelândia fez o mesmo, só que neste caso a decisão vai contra a história de sucesso do país como uma potência global em inovação agrícola.

Ainda segundo o primeiro capítulo do estudo, um ambiente regulatório diferente só é possível se a velha narrativa sobre os OGM perder credibilidade junto da próxima geração de consumidores. Com as alterações climáticas e a crise global resultante da COVID-19, muitos acham cada vez mais irresponsável descartar uma importante tecnologia, como a edição de genes, apenas porque é ‘nova’.   

O artigo foi publicado originalmente em CiB - Centro de Informação de Biotecnologia.

Comente este artigo
Anterior Abreu Advogados promove seminário sobre o setor do vinho na Agroglobal 2021
Próximo Incêndios: Cem operacionais combatem incêndio em Vila Pouca de Aguiar

Artigos relacionados

Nacional

Câmara de Montalegre entrega 50 mil euros para exploração de pequenos ruminantes

A Câmara Municipal de Montalegre, em articulação com a Cooperativa Agrícola do Barroso (Coopbarroso), volta a incentivar a produção pecuária do concelho. Desta feita, foram atribuídos […]

Últimas

DS Smith lança novas embalagens para o sector hortofrutícola

A DS Smith, especializada em packaging sustentável, apresentou a sua nova linha de embalagens ECOVETE destinadas ao sector hortofrutícola, em cartão canelado. […]

Nacional

Autarcas de Pedrógão Grande e Figueiró dos Vinhos acusados de homicídio por negligência

Os 10 arguidos pronunciados para julgamento no processo que investiga as responsabilidades no incêndio de Pedrógão Grande, em 2017, estão acusados entre dois e 63 crimes de homicídio por negligência, […]