Estudo: Acesso a pastos pode melhorar bem-estar das vacas leiteiras

Estudo: Acesso a pastos pode melhorar bem-estar das vacas leiteiras

As vacas leiteiras com acesso aos pastos exteriores podem ter um melhor bem-estar, podendo este ser prejudicado quando os animais não tem esse acesso, revela um estudo da Queen’s University. A investigação foi  realizada para estudar o bem-estar emocional das vacas leiteiras e foi publicado na revista Nature Scientific Reports e divulgado pelo Portal Veterinaria.

O investigador principal e professor de comportamento e bem-estar animal na Queen’s University, Gareth Arnott, recorda que o livre acesso às pastagens pode incentivar o comportamento natural das vacas e melhorar a sua saúde. “No entanto, os efeitos do acesso às pastagens no bem-estar psicológico das vacas leiteiras ainda não foram bem compreendidos e era isso que o nosso estudo pretendia medir”, explica.

Metodologia

A investigação, realizada em colaboração com o Agri-Food and Biosciences Institute, analisou o comportamento de 29 vacas leiteiras holstein-friesian, a quem deram 18 dias de acesso aos pastos durante a noite (o que estudos anteriores sugeriam que melhorava o seu bem-estar) e 18 dias em que foram mantidas no interior a tempo inteiro (algo que estudos anteriores sugeriam que prejudicava o bem-estar).

Posteriormente, cada vaca foi treinada para se aproximar de um lugar onde havia um contentor com comida (como prémio), mas não daqueles com baldes sem comida.

Finalmente, para testar o enviesamento cognitivo, os investigadores colocaram baldes entre os lugares que tinham recipientes com e sem prémio. Se elas se aproximassem desses recipientes intermédios, refletiria uma expetativa ambígua de recompensa, ou seja, poderia sugerir estados emocionais positivos. Os investigadores viram que as vacas mantidas dentro de casa a tempo inteiro estavam a aproximar-se mais rapidamente da localização do balde que continha os alimentos.

Resultados

O investigador de pós-doutoramento da Queen’s School of Biological Sciences e principal autor do artigo, Andrew Crump, explica que “uma maior antecipação das recompensas sugere que um animal tem menos recompensas na sua vida, pelo que os nossos resultados indicam que as pastagens são um ambiente mais gratificante para as vacas leiteiras, o que pode induzir um bem-estar emocional mais positivo do que se ficarem no interior a tempo inteiro”.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Governo cria grupo de trabalho para reformular Escola Nacional de Bombeiros
Próximo Live: Plano de Recuperação e Resiliência: Que futuro para a floresta multifuncional e de uso múltiplo?

Artigos relacionados

Dossiers

Monção e Melgaço mantêm a uva mais cara do país na vindima 2020

Clube de Produtores Soalheiro vê assegurada estabilidade no valor da uva Alvarinho, em ano de pandemia, para reconhecer o esforço de todos os agricultores e garantir […]

Nacional

A vez da agricultura inteligente

As soluções smart também já chegaram à atividade económica mais antiga que se conhece. Ferramentas sofisticadas estão a mudar o modo como se faz […]

UE - Organizações

“PAC não pode continuar a ser uma espada sobre a cabeça dos europeus” afirma COPA-COGECA

Na semana em que Parlamento Europeu inicia uma maratona negocial sobre a proposta da Comissão para a próxima PAC, os representantes dos agricultores europeus exigem o fim dos […]