Está na hora do vinho do Porto “dominar o mundo”, diz a Bloomberg

Está na hora do vinho do Porto “dominar o mundo”, diz a Bloomberg

[Fonte: Jornal Económico]

A popularidade de Portugal como destino turístico está a disparar, diz a Bloomberg Pursuits, o site de ‘lifestyle’ da agência, realçando que em 2016 o número de visitantes só dos EUA escalou 22%. “O próximo passo para a dominação mundial? A  bebida emblemática do país”, responde a agência.

“Talvez pense no vinho do Porto como meramente a monótona e última dose de álcool servida no final de um jantar refinado. Pode ter mesmo experimentado e pensado que é tão adocicado que não é surpresa que só o sirvam num copo que tem o tamanho de um dedal. Mas chegou oficialmente a altura de dar uma nova oportunidade ao ‘Port’”.

Enquanto o Xerez espanhol é mais como um ‘aguçar’ de um vinho normal, a bebida portuguesa sabe mais a um ‘alargamento’ do vinho. Fortalecido com brandy e envelhecido em madeira, tem uma profundidade de sabor que inspira a nostalgia.

A Bloomberg explica que essa aura nostálgica que rodeia o vinho do Porto é acentuada pelo fato da principal geração de consumidores estar a desaparecer. “Uma suave queda da vendas globais sugere que há alguma verdade no estereótipo que a demografia do vinho Porto consiste de tias solteironas e membros de clubes de ‘gentlemen’”.

As perspetivas são, no entanto, positivas, diz a agência. “O ‘boom’ do turismo pressagia uma reviravolta. Uma nova geração de adeptos do vinho Porto está a caminho”, frisou.

Após descrever os diferentes tipos de Porto e sugerir algumas técnicas para decantar e saborear o vinho, a Bloomberg vinca que também há outras formas mais descontraídas de consumir a bebida. O Porto Tónico, muito apreciado em França e na Bélgica, mistura o Porto branco com água tónica para criar um leve aperitivo. Nos EUA, a comunidade de criadores de cocktails, ou ‘mixologists’, tem se esforçado para manter o vinho do Porto em moda, incorporando-o em novas misturas e em variações de receitas clássicas.

A Pursuits oferece, para mostrar a resiliência histórica do vinho português mais famoso, a receita para um cocktail que foi criado no final do século 19 mas que é ainda servido em bares de bairros ‘trendy’ como Brooklyn, em Nova Iorque. “Escuro e pesado como o polido e sólido mogno, evoca os clubes de ‘gentlemen’, mas da melhor forma. Recomendo como um ‘nightcap’, última bebida antes de se deitar, parcialmente por ser meio caminho andado para um analgésico que o adormece – porventura para sonhar com o renascer do vinho do Porto”.

Comente este artigo
Anterior Workshop FEFAC/IACA sobre Sustentabilidade - Dia 20 de janeiro de 2017 - Instituto Superior de Agronomia
Próximo Organizações de Produtores, a eliminação de uma medida que fazia a diferença - Domingos dos Santos

Artigos relacionados

Nacional

Metas de neutralidade carbónica vão medir sucesso de cimeira sobre o clima

[Fonte: Rádio Renascença]

A cimeira do clima que arranca segunda-feira em Nova Iorque será um “grande sucesso” […]

Nacional

Colóquio “A Economia Circular no Sector Agroalimentar”. Em Lisboa. Entrada livre

[Fonte: Agricultura e Mar]

O Conselho Regional Sul do Colégio de Engenharia Agronómica, em associação com o Conselho Regional Sul do Colégio de Engenharia do Ambiente, […]

Nacional

Portugal é o terceiro país da UE que mais beneficia do Plano Juncker

[Fonte: ECO – fundos comunitários]

Entre alguns dos projetos que beneficiaram do Plano Juncker em Portugal, […]