Espírito Agroglobal – Joaquim Pedro Torres

Espírito Agroglobal – Joaquim Pedro Torres

A edição 2016 da Agroglobal foi mais uma inequívoca demonstração da força e vitalidade do setor agrícola, pelo número record de empresas presentes mas, principalmente, pelo entusiasmo e dinamismo com que participaram.

Cada presença foi, por si só, um evento com vida própria tornando difícil a opção dos visitantes entre as visitas aos stands, os ensaios de campo, as demonstrações das máquinas, os seminários…

Em três intensos dias, neste congresso de agricultura a três dimensões, mais de 30 000 pessoas tiveram a possibilidade de confrontar as mais modernas soluções apresentadas pelas empresas, debater perspetivas para o setor, avaliar tecnologias e estratégias, debater experiencias concretas… num ambiente descontraído mas de forte partilha de conhecimento.
Visitantes e expositores constituíram um verdadeiro bloco, orgulhoso e confiante.

Na agricultura, como em toda a atividade económica, a confiança é fator decisivo para enfrentar com êxito os muitos desafios que se lhe deparam:
– Buscar sempre mais eficiência em todos os sistemas de produção para conseguir resistir num mercado cada vez mais aberto e concorrencial.
– Lutar no seio da CE para evitar desvantagens comparativas que a “eurocracia” teima em impor-nos.
– Procurar melhor colaboração com todos os organismos com que o setor produtivo se relaciona, salientando que o seu desempenho rápido e construtivo é decisivo para o progresso da nossa atividade.
– Encontrar sinergias com os outros elos da cadeia produtiva diminuindo o custo final dos nossos produtos.
– Valorizar interna e externamente a marca “Portugal”, obviamente acompanhada da melhoria permanente de qualidade dos nossos produtos.
– Olhar para as zonas desfavorecidas com cuidados redobrados. Ambiente, ordenamento do território e trabalho são valores inestimáveis e só a agricultura os pode preservar de forma continuada. É esse o nosso verdadeiro “greening.”

Se transportarmos para os nossos campos e para estas e outras tarefas aquele estado de espírito, então sim, podemos dizer que a Agroglobal foi um êxito.

Setembro 2016

Joaquim Pedro Torres

Comente este artigo
Anterior Açores recebe especialistas internacionais para debater futuro da apicultura
Próximo Os Seguros no contexto económico e social da agricultura - Lino Afonso

Artigos relacionados

Opinião

Reforma da floresta? Que venha a contra-reforma – Francisco Gomes da Silva

Recentemente o Governo divulgou o conjunto de medidas que irão dar corpo à pré-anunciada “Reforma da Floresta”. Num gesto que se saúda, este “projeto de reforma das florestas” foi colocado em discussão pública por um período de três meses, findo o qual o Governo e a Assembleia da República, […]

Opinião

Está na hora de as Empresas Agrícolas terem um DA? – Nuno Góis

No passado já tive a oportunidade de aqui debater as características do ecossistema agritecnológico nacional, assim como as principais tendências para os próximos anos. Porém, algo que poucas vezes vejo receber a merecida atenção e que me parece de grande importância é o processo de implementação […]

Opinião

“Carta” e “Estatuto” da Agricultura Familiar Portuguesa – João Dinis

Na actualidade, há um debate já alargado acerca do que (ainda) é Agricultura Familiar e da sua importância, bem como dos “Direitos dos Camponeses”, neste caso no âmbito da própria ONU.
Ao longo das últimas décadas, é incontestável, muita da terra agrícola deixou de cumprir a sua função social de alimentar as Populações e foi apropriada, […]