Espírito Agroglobal – Joaquim Pedro Torres

Espírito Agroglobal – Joaquim Pedro Torres

A edição 2016 da Agroglobal foi mais uma inequívoca demonstração da força e vitalidade do setor agrícola, pelo número record de empresas presentes mas, principalmente, pelo entusiasmo e dinamismo com que participaram.

Cada presença foi, por si só, um evento com vida própria tornando difícil a opção dos visitantes entre as visitas aos stands, os ensaios de campo, as demonstrações das máquinas, os seminários…

Em três intensos dias, neste congresso de agricultura a três dimensões, mais de 30 000 pessoas tiveram a possibilidade de confrontar as mais modernas soluções apresentadas pelas empresas, debater perspetivas para o setor, avaliar tecnologias e estratégias, debater experiencias concretas… num ambiente descontraído mas de forte partilha de conhecimento.
Visitantes e expositores constituíram um verdadeiro bloco, orgulhoso e confiante.

Na agricultura, como em toda a atividade económica, a confiança é fator decisivo para enfrentar com êxito os muitos desafios que se lhe deparam:
– Buscar sempre mais eficiência em todos os sistemas de produção para conseguir resistir num mercado cada vez mais aberto e concorrencial.
– Lutar no seio da CE para evitar desvantagens comparativas que a “eurocracia” teima em impor-nos.
– Procurar melhor colaboração com todos os organismos com que o setor produtivo se relaciona, salientando que o seu desempenho rápido e construtivo é decisivo para o progresso da nossa atividade.
– Encontrar sinergias com os outros elos da cadeia produtiva diminuindo o custo final dos nossos produtos.
– Valorizar interna e externamente a marca “Portugal”, obviamente acompanhada da melhoria permanente de qualidade dos nossos produtos.
– Olhar para as zonas desfavorecidas com cuidados redobrados. Ambiente, ordenamento do território e trabalho são valores inestimáveis e só a agricultura os pode preservar de forma continuada. É esse o nosso verdadeiro “greening.”

Se transportarmos para os nossos campos e para estas e outras tarefas aquele estado de espírito, então sim, podemos dizer que a Agroglobal foi um êxito.

Setembro 2016

Joaquim Pedro Torres

Comente este artigo
Anterior Açores recebe especialistas internacionais para debater futuro da apicultura
Próximo Os Seguros no contexto económico e social da agricultura - Lino Afonso

Artigos relacionados

Opinião

SEMEAR: Capacitação e inclusão profissional no sector agroalimentar – Tomás Coimbra

O Sector Agroalimentar, composto pela Agricultura, a Indústria e o Comércio, tendo grande dispersão geográfica, abarca uma enorme diversidade de tarefas e ambientes profissionais. Aproveitar estas características para proporcionar emprego e mais dignidade às pessoas, que tendo maiores dificuldades na integração, encontram neste sector uma solução de trabalho, […]

Opinião

A água na cidade: adeus seca, ou talvez não! – Frederico Meireles Rodrigues

Parece estar a chegar ao fim a seca mais severa dos últimos anos. As perdas económicas relacionadas com os seus efeitos estão na ordem do dia. No centro deste problema está a redução das reservas de água no solo e a capacidade de abastecimento de água em quantidade suficiente que supra as necessidades das pessoas e da produção de alimento. […]

Nacional

Os efeitos da seca extrema no olival Português – Rita Braz Frade

O ano de 2016 foi seco. O ano de 2017 está a ser muito seco. No final do mês de Setembro cerca de 81% do território estava em seca severa e 7,4% em seca extrema, nomeadamente o baixo Alentejo, actual epicentro da olivicultura portuguesa.
Às baixas produtividades registadas em 2016, […]