Especialistas defendem que avanços tecnológicos vão assegurar alimentação no futuro

Especialistas defendem que avanços tecnológicos vão assegurar alimentação no futuro

[Fonte: SAPO 24]

Para marcar o arranque do ciclo de debates e conferências dedicados à Ciência e à Educação, a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) convidou três investigadoras da rede GPS (criada pela fundação que localiza, desde 2016, os cientistas portugueses espalhados pelo mundo) para abordarem o tema da alimentação.

A conferência, que decorreu hoje na Galeria da Biodiversidade do Porto, além de abordar a alimentação de um modo geral, focou-se também nas especificidades das plantas e do atual estado de preparação das mesmas para “lidarem” com as alterações climáticas, como a seca e as temperaturas elevadas.

Sónia Negrão, professora na University College Dublin, na Irlanda, e investigadora em melhoramento de plantas, acredita que “o grande desafio” que a ciência enfrenta é “alimentar 10 biliões de pessoas em 2050”.

“Como vamos conseguir fazer isso, sendo que esse desafio é agravado pelas alterações climáticas?”, questionou, apresentando algumas “soluções” e ferramentas utilizadas atualmente.

“Para garantir que conseguimos ter o que comer no futuro, temos de utilizar várias estratégias, não só a diversidade genética do que existe e explorá-la, mas recorrer às novas tecnologias, como a agricultura de precisão, ‘drones’, inteligência artificial e, inclusivamente, o melhoramento acelerado”, afirmou.

Também Marta Vasconcelos, investigadora da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa, que se dedica ao estudo da nutrição e genética de plantas, defendeu que a solução para “termos o que comer” no futuro passa por “munir forças” em diversas áreas.

“Acredito que, munindo a tecnologia, algum bom senso, boas políticas e muita informação, conseguiremos ter plantas mais nutritivas, mais sustentáveis e um planeta melhor”, afirmou, adiantando que métodos de melhoramento, como os cruzamentos genéticos, transformações e a biofortificação, permitem “melhorar o valor nutricional dos alimentos de forma sustentável”.

Já a investigadora Sofia Leite, membro da unidade de segurança química e métodos alternativos à experimentação animal do Joint Research Center da Comissão Europeia, salientou a necessidade de a “ciência recorrer a outros métodos” para o estudo humano.

“A ciência tem evoluído muito através dos testes animais, mas chegou o momento de alargar mais aquilo que estamos a fazer e introduzir novas tecnologias na forma de prevenção para perceber melhor o humano. Esta é uma estratégia em que ganhamos todos, nós e os animais”, concluiu.

O ciclo dedicado ao tema da Ciência e Educação, que prossegue até ao dia 16 de novembro, inclui a discussão de temas como as terapias alternativas, a genética, o cérebro e o universo, e vai percorrer o país, passando por cidades como Leiria, Aveiro e Lisboa.

Comente este artigo

O artigo Especialistas defendem que avanços tecnológicos vão assegurar alimentação no futuro foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Ministério do Ambiente ganha tutela da floresta
Próximo Como nos alimentaremos em 2050 - António Lopes Dias

Artigos relacionados

Últimas

Brexit: Ministério da Agricultura francês esclarece controlos sanitários de mercadorias importadas do Reino Unido

[Fonte: Agricultura e Mar]
O Ministério da Agricultura de França elaborou um documento informativo sobre controlos sanitários e fitossanitários de mercadorias importadas do Reino Unido e que entram no território da UE pelas fronteiras francesas. […]

Últimas

Gin do Ribatejo destila prata e bronze para Portugal na prestigiada “International Wine & Spirit Competition”

 
Gotik, o primeiro gin ribatejano, conquistou para Portugal a medalha de prata, na categoria de London Dry 40%, […]

Dossiers

España fue el tercer perceptor de fondos europeos en 2018, segundo en el caso del gasto agrario

[Fonte: Agropopular – UE]
España recuperó posiciones el año pasado entre los principales perceptores de fondos europeos. […]