Especialista em incêndios diz que “infelizmente continua a faltar trabalho de preparação da floresta”

Especialista em incêndios diz que “infelizmente continua a faltar trabalho de preparação da floresta”

[Fonte: Vida Rural]

Domingos Xavier Viegas, especialista em incêndios e investigador do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra, afirmou este domingo que Portugal aprendeu a lição sobre os incêndios nos últimos dois anos, mas “infelizmente continua a faltar” um trabalho de preparação da floresta para ajudar os bombeiros a antecipar o fogo.

Citado pela Rádio Renascença, o especialista diz que “infelizmente continua a faltar aquele trabalho de estrutura de preparação da nossa floresta para estas realidades de criação de mais faixas de gestão de combustíveis. Mais redução de combustíveis em zonas críticas que permita aos bombeiros, em grandes incêndios como estes, terem zonas de defesa para poderem estrategicamente antecipar e pensar: ‘nós temos hipóteses de travar o fogo aqui’”.

O investigador diz ainda que hoje os portugueses estão mais sensibilizados para o problema dos incêndios e que os meios de combate estão melhor preparados, contudo, refere que “não quer isto dizer que esteja tudo feito, nomeadamente quanto à população e à sua sensibilização. Há muita coisa que tem de ser feita, como a melhoria da sua prevenção e segurança”.

Este sábado, por volta das 15H00, começou um incêndio em Vila de Rei que mais tarde se estendeu a Mação. O fogo permanece ativo e até este domingo à noite estava a ser combatido por cerca de 855 operacionais.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), neste momento existem cerca de 40 concelhos em risco máximo de incêndio, nomeadamente Vila de Rei e Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, e Mação e Sardoal, em Santarém.

Comente este artigo

O artigo Especialista em incêndios diz que “infelizmente continua a faltar trabalho de preparação da floresta” foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior Porque é que Portugal continua a arder assim? 7 respostas de especialistas
Próximo Em Resende os produtores de gado recebem incentivos à produção

Artigos relacionados

Últimas

Divulgação de Vídeos sobre alfarrobeira, o medronheiro e a figueira-da-índia

As culturas escolhidas para os videos foram as diversas plantas aromáticas e medicinais (PAM), a alfarrobeira, o medronheiro e a figueira-da-índia

Últimas

​Governo reforça meios aéreos para época de combate aos incêndios

[Fonte: Rádio Renascença]

O secretário de Estado da Proteção Civil anunciou a contratação de mais cinco meios aéreos para o dispositivo de combate a incêndios florestais.
Na Renascença, José Artur Neves revelou que no total estarão disponíveis “61 meios aéreos, incluindo o meio aéreo da Região Autónoma da Madeira”. […]

Últimas

Alho – Cânfora dos pobres – Bruno Estêvão

As origens do alho remontam a cerca de 6.000 anos. Há imprecisão e controvérsia na definição da sua origem, que pode ter sido a Europa mediterrânea ou o continente asiático. A maioria dos estudos indica a Ásia como local de origem do alho. Julga-se que tenha surgido no deserto da Sibéria, […]