Equidade na cadeia de abastecimento alimentar: Comissão propõe aumentar a transparência dos preços

Equidade na cadeia de abastecimento alimentar: Comissão propõe aumentar a transparência dos preços

[Fonte: Comissão Europeira]

Após a proibição das práticas comerciais desleais e o reforço da cooperação entre os produtores, a Comissão apresenta hoje o terceiro elemento para melhorar a equidade na cadeia de abastecimento alimentar, introduzindo uma maior transparência no modo de comunicação dos preços ao longo da cadeia.

A Comissão Europeia apresentou hoje uma proposta que disponibilizará informações cruciais sobre a forma como os preços são determinados à medida que os produtos agroalimentares transitam ao longo da cadeia de abastecimento alimentar.

As diferenças de preços de compra e venda podem proporcionar informações sobre os custos intermédios – como transportes, seguros, armazenagem, etc. – entre o vendedor e o comprador. Uma maior transparência permite apoiar melhores decisões empresariais e reforça a confiança numa relação justa entre as diversas fases da cadeia de abastecimento alimentar. O acesso a informações atempadas e facilmente acessíveis sobre a evolução do mercado é também fundamental para a concorrência eficaz nos mercados mundiais.

Phil Hogan, comissário do pelouro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, declarou: «O reforço da posição dos agricultores na cadeia de abastecimento alimentar tem sido uma prioridade para a Comissão. O reforço da transparência do mercado permitirá um acesso equitativo e uma maior clareza quanto à informação sobre os preços, tornando a cadeia alimentar mais justa e equilibrada. Estas novas regras complementarão a diretiva recentemente adotada que proíbe as práticas comerciais desleais em detrimento dos intervenientes mais fracos e mais pequenos da cadeia de abastecimento alimentar; a sua adoção reflete o apoio público considerável que existe em toda a UE para reforçar o papel do agricultor na cadeia de abastecimento alimentar

Embora exista uma grande quantidade de informações disponíveis sobre a evolução dos mercados agrícolas (preços, volumes de produção, existências, etc.), quase não existem informações sobre outros mercados essenciais da cadeia de abastecimento agroalimentar, nomeadamente entre agricultores e consumidores nos setores da transformação de alimentos e da venda a retalho. Esta assimetria de informação entre os agricultores e os outros intervenientes na cadeia de abastecimento alimentar coloca os agricultores em situação de grande desvantagem no mercado e perverte a confiança nas práticas comerciais leais. A escassez de informações sobre a evolução do mercado por parte das empresas de transformação e dos retalhistas foi denominada a «caixa negra» da cadeia de abastecimento agroalimentar; a proposta hoje apresentada permite suprir esse problema.

As medidas propostas abrangem os setores da carne, dos ovos, dos produtos lácteos, dos frutos e produtos hortícolas, das culturas arvenses, do açúcar e do azeite. Baseiam-se nos sistemas e procedimentos existentes de recolha de dados, utilizados pelos operadores e pelos Estados-Membros para comunicar informações de mercado à Comissão, cujo âmbito de aplicação é alargado. Cada Estado-Membro será responsável pela recolha dos dados relativos aos preços e ao mercado. A Comissão recomenda que os Estados-Membros escolham a abordagem mais eficaz em termos de custos e não visem as pequenas e médias empresas, a fim de reduzir os encargos administrativos. Os Estados-Membros comunicam os dados à Comissão, que, por sua vez, disponibiliza a monitorização no seu portal de dados agroalimentares e nos observatórios do mercado da União. É essencial que as informações fornecidas pelos Estados-Membros sejam exatas e atempadas.

De acordo com os procedimentos da Comissão para legislar melhor, a proposta é publicada para um período de consulta pública de quatro semanas. Em seguida, será adotada pela Comissão e deverá entrar em vigor seis meses após a adoção.

Contexto

A Comissão trabalha, desde o início do seu mandato, para que a cadeia de abastecimento alimentar seja mais justa e equilibrada.

Em 2016, foi criado o Grupo de Missão para os Mercados Agrícolas (GMMA) com o objetivo de avaliar o papel dos agricultores numa cadeia de abastecimento alimentar de âmbito mais vasto, bem como de formular recomendações para reforçar e melhorar a atividade.

Com base nestas recomendações, a Comissão lançou, em 2017, uma primeira avaliação de impacto­ e uma consulta pública sobre a melhoria da cadeia de abastecimento alimentar, que abrangeram três elementos: práticas comerciais desleais, cooperação entre produtores e transparência do mercado.

Uma sondagem à escala da UE, publicada em fevereiro de 2018, revelou que a grande maioria dos inquiridos (88%) considera importante reforçar o papel dos agricultores na cadeia de abastecimento alimentar. Confirmando esta tendência, 96% dos inquiridos à consulta pública de 2017 sobre a modernização da PAC concordaram que melhorar a posição dos agricultores na cadeia de valor deveria ser um objetivo da política agrícola comum da UE.

A Comissão apresentou no ano passado a sua proposta de proibição das práticas comerciais desleais na cadeia de abastecimento alimentar, que foi votada pelos colegisladores em abril de 2019. Estas novas regras garantirão a proteção da totalidade dos agricultores europeus, bem como dos pequenos e médios fornecedores, contra as práticas comerciais desleais na cadeia de abastecimento alimentar.

Mais informações

Proposta para uma maior transparência do mercado na cadeia de abastecimento alimentar da UE

Comissão congratula-se com o apoio do Parlamento à proibição das práticas comerciais desleais

Comente este artigo

O artigo Equidade na cadeia de abastecimento alimentar: Comissão propõe aumentar a transparência dos preços foi publicado originalmente em Comissão Europeira.

Anterior Portugal está “a viver de água que não tem”
Próximo ICNF passa a ser presidido por Nuno Banza

Artigos relacionados

Comunicados

2ª Edição cropUP: programa de apoio a empreendedores/startups no sector agrícola, alimentar e florestal.

Estás pronto para cropUP?
O cropUP é um programa único onde empreendedores e startups que desenvolvem produtos e serviços inovadores para o sector agrícola, alimentar ou florestal têm a oportunidade de impulsionar os seus negócios.
Através deste programa os empreendedores/startups têm acesso exclusivo à I&D e à Indústria do sector agrícola, […]

Comunicados

Cientistas alertam para falta de regulamentação na utilização de abelhões polinizadores nas estufas

Lisboa, 20 de novembro 2018
Um novo estudo científico recomenda aos agricultores em Portugal um maior cuidado na eliminação das caixas de colmeias comerciais utilizadas para polinização em estufas agrícolas. Esta recomendação surge após terem sido detetados na natureza abelhões que escaparam de colmeias comerciais – correspondentes a uma subespécie exótica em Portugal – e híbridos resultantes do cruzamento com a subespécie nativa do nosso país, […]

Nacional

BPI apoia exploração agrícola do Grupo Casa de Mateus

[Fonte: Revista Frutas Legumes e Flores]

O BPI está a apoiar o projecto de expansão e modernização da exploração agrícola do Grupo Casa de Mateus. Nos últimos 15 anos o grupo tem investido em tecnologia e apostado na expansão das suas propriedades, […]