Empresas Familiares apelam ao bom senso. “Temos de agir sobre o nosso consumo de carbono e deixar as vacas em paz”

Empresas Familiares apelam ao bom senso. “Temos de agir sobre o nosso consumo de carbono e deixar as vacas em paz”

[Fonte: Expresso] No entender da AEF, “é injusto responsabilizar as vacas e penalizar os seus produtores, na medida em que as vacas produzem metano há milhões de anos”

A Associação das Empresas Familiares (AEF) apelou esta sexta-feira ao “bom senso”, em resposta à suspensão do consumo de carne de vaca na Universidade de Coimbra e da “substituição de carne por peixe nas refeições do Governo”.

“Temos assistido recentemente a iniciativas com um fim louvável mas de uma eficácia duvidosa”, referiu, em comunicado, o presidente daquela associação, Peter Villax. “Já que as vacas não passaram a produzir mais metano, mas o homem, esse sim, passou a produzir muito mais CO2, temos é de agir sobre o nosso consumo de carbono e deixar as vacas em paz”, acrescentou.

No entender da AEF, “é injusto responsabilizar as vacas e penalizar os seus produtores, na medida em que as vacas produzem metano há milhões de anos”, enquanto o aquecimento global começou com a “utilização em larga escala dos combustíveis baseados sobre o carbono, a partir da Revolução Industrial”.

SOLUÇÕES “AMIGAS DA ECONOMIA”

A AEF promoveu uma reunião de emergência em Évora com associados produtores de carne alentejana, de onde saiu um conjunto de medidas que consideram mais vantajosas para o meio ambiente, tais como “promover o debate esclarecido e equilibrado sobre a proteção do ambiente e a redução dos gases com efeito de estufa” e “encontrar soluções de redução de gases com impacto nas alterações climáticas que sejam amigas da economia”.

O reitor da Universidade de Coimbra (UC) anunciou na terça-feira que vai eliminar o consumo de carne de vaca nas cantinas universitárias a partir de janeiro de 2020, por razões ambientais.

Segundo o reitor da universidade, Amílcar Falcão, a eliminação do consumo de carne nas cantinas universitárias a partir de janeiro de 2020 será o primeiro passo para, até 2030, tornar a UC “a primeira universidade portuguesa neutra em carbono”. Por ano, cerca de 20 toneladas de carne de vaca são consumidas nas 14 cantinas universitárias da UC.

Questionado, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não se pronunciou diretamente sobre este tema, mas afirmou que, apesar de comer cada vez menos, tenciona continuar a consumir carne, “nomeadamente carne de vaca”.

Comente este artigo
Anterior Qual o futuro dos contabilistas na era digital? “O tractor não acabou com a profissão de agricultor”
Próximo Modernização nos amendoais promove aumento do rendimento unitário

Artigos relacionados

Dossiers

El precio del conejo se huende alcanzando mínimos


La caída de la demanda de la carne de conejo provoca un importante descenso de sus precios, ya que algunas lonjas como Bellpuig, […]

Nacional

Alqueva: o valor da água na produção agrícola, como deve ser poupada e perspectivas futuras

(Artigo publicado na edição de Abril por J. Paulo de Melo e Abreu, ISA & LEAF, Universidade de Lisboa)
O consumo anual de água per capita em Portugal é dos mais elevados da UE e a produtividade económica da água é baixa (EEA, […]

Nacional

Lisboa mais verde até 2021 com aposta na água reciclada e em mais árvores

O programa da iniciativa Lisboa Capital Verde Europeia 2020 foi apresentado esta sexta-feira, no Lisbon Secret Spot, com o vereador do Ambiente, […]