Empresários do Algarve unidos na defesa do abacate

Empresários do Algarve unidos na defesa do abacate

Promotores de uma carta aberta rejeitam que o fruto seja uma cultura intensiva, mas querem apurar a verdade sobre a planta

A União Empresarial do Algarve, AlgFuturo, publicou uma “carta aberta em defesa da honra e bom nome do Algarve e seus agricultores”, dirigida “aos responsáveis oficiais regionais e nacionais e outros detratores das culturas de regadio no Algarve, em particular a do abacate, que falsamente afirmam ser de caráter intensivo”.

Os subscritores, que incluem a Frusoal e a Madre Fruta, além de “membros das 29 associações aderentes e a título individual”, criticam “entidades oficiais regionais e nacionais” que “apontam ao abacate malefícios que não tem e escondem as suas muitas virtudes”.

Por esse motivo, a AlgFuturo assume o compromisso de “apurar e divulgar toda a verdade sobre o abacate/abacateiro”.

A associação considera “de extrema importância e gravidade” a “conduta dos detratores”, sem especificar, por terem “afrontado princípios essenciais da Carta da União Europeia, como são a parceria, participação e cooperação”, e não terem ouvido “as associações nem os agricultores”.

Salvaguardam que “na região há associações plurissetoriais e setoriais como a Frusoal e a Madrefruta (Organizações de Produtores, além de outras), com elevada capacidade e vontade de cooperar”.

Lembram que a AlgFuturo até recebeu um “louvor” do presidente da República e “duas distinções de parabéns pelo trabalho desenvolvido em prol do Algarve”, nomeadamente pela elaboração do Plano Económico para a região, acrescentam.

Em defesa da sua posição, detalham aspetos relacionados com os usos da água no Algarve, salientando que, “por um lado, as perdas do que escorre da serra e barrocal para o mar estimam-se em mais 1000 milhões de m3/ano, que soma às perdas nas degradadas canalizações municipais da ordem dos 15 m m3. Acrescem os gastos dos milhares de piscinas particulares, espaços verdes municipais, poupanças no consumo urbano, poupanças nos espaços verdes públicos, etc.”.

Concluem que, “o somatório aponta para um valor suficiente de água para regar cerca de 2000 ha de abacateiros”.

“A nossa posição é que se façam com rigor os levantamentos e depois se tomem globalmente medidas, sem estabelecer períodos de 90 ou 180 dias proibindo plantações novas, o que é mortal para a confiança dos investidores nacionais e estrangeiros”, sublinham.

Continue a ler este artigo no Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior Angola reforça distribuição de insumos agrícolas para mitigar efeitos de seca no sul
Próximo Serpa: “Investigação para o Desenvolvimento e Inovação no Setor dos Lacticínios” será tema de webinar - 27 de fevereiro

Artigos relacionados

Últimas

Serpa está a criar a “Bio-Região da Margem Esquerda do Guadiana”

[Fonte: Voz da Planicie] Foi apresentado, e analisado, ontem, em Serpa, numa sessão de trabalho que decorreu na Câmara Municipal, […]

Dossiers

2BForest na FACECO – 21 Julho – S. Teotónio, Odemira

A 2BForest é uma empresa que aposta no apoio e promoção do Setor Florestal Nacional.
Venha participar na Campanha “Por uma Gestão Ativa da Floresta”! […]

Blogs

The European Recovery Plan: How it should be designed to better support

The European Commission has presented an ambitious European Recovery Plan and a new Multi-Annual Financial Framework for the 2021-27 period. […]