Empresa quer produzir cannabis medicinal no concelho de Santarém

Empresa quer produzir cannabis medicinal no concelho de Santarém

[Fonte: Rede Regional] A Câmara Municipal de Santarém aprovou esta segunda-feira, 4 de novembro, por unanimidade, a concessão de um atestado de inexistência de restrições ao cultivo da planta da canábis, em Cabeça Gorda, na União de Freguesias de Tremês e Azoia de Cima.

O documento, solicitado pela empresa Sinnabis – Plantas Orgânicas Lda, com sede na Zona Industrial de Santarém, é o ponto de partida de um projeto que prevê o cultivo orgânico de cannabis medicinal (nas variedades indica, sativa e ruderalis), através da extração dos princípios ativos úteis para a indústria farmacêutica: THC, CBD e Terpenos.

Segundo o processo levado à reunião do executivo municipal, o projeto prevê um desenvolvimento durante cinco anos, numa área de cerca de 3.7 hectares, até atingir a sua atividade plena.

Segundo os promotores, a cannabis medicinal produzida “visa servir os mercados farmacêuticos português, suíço, canadiano, outros mercados legalizados, bem como quaisquer entidades autorizadas a tratar a cannabis medicinal e os seus princípios ativos, de acordo com a Convenção de Genebra”.

Durante o primeiro ano e após a primeira colheita está prevista iniciar a instalação no local de estufas, que servirá nos anos seguintes para a criação própria das plantas a cultivar.

No final do quinto ano, a empresa prevê produzir 24 mil plantas, criando 30 postos de trabalho para operários sazonais, 5 a tempo inteiro e 8 a tempo parcial.

Após o ano 5 com uma produção estável e contínua, prevê-se o início da atividade industrial a definir detalhadamente em novo projeto de ampliação.

A título meramente indicativo, os promotores afirmam que o futuro projeto prevê a instalação de maquinaria para a extração do princípio ativo através do método do CO2 e produção própria de produto (solução oleosa para o mercado farmacêutico) em GMP. Nessa fase serão criados mais 3 postos de trabalho diretos.

O atestado hoje aprovado pela Câmara de Santarém é o ponto de partida do processo de autorização da plantação, que terá agora de obter todos os licenciamentos previstos pela lei.

Comente este artigo
Anterior O ambiente e a “venda de licença” - Henrique Pereira dos Santos
Próximo Colóquio nacional do leite: alimentação, bem-estar animal, ambiente e comunicação - 29 de novembro - Esposende

Artigos relacionados

Últimas

Relatório da ONU revela consequências dramáticas do aquecimento global

O documento, cuja versão preliminar foi hoje divulgada pela agência France Presse, vai ser apresentado em 25 de setembro no Mónaco e alerta especialmente para alterações nos oceanos e na alimentação. […]

Últimas

Fogo em Sobral do Campo reativou, 243 operacionais e nove meios aéreos mobilizados

O incêndio que deflagrou na quarta-feira à tarde perto de Sobral do Campo, concelho de Castelo Branco, reativou esta quinta-feira às 15h31 e está […]

Nacional

WOMB – Cross-Created Ventures

O WOMB não é apenas mais um programa de aceleração ou incubação. É um programa onde a sua equipa vai desafiar o DNA da sua ideia com a perspetiva e visão de outros sectores. […]