Em busca do incendiário perdido

Em busca do incendiário perdido

Cá estamos nós outra vez: o fogo, o fumo, as lágrimas, os reacendimentos, os intermináveis directos televisivos, os jornalistas caça-chamas, os populares queixosos, os bombeiros esgotados, as conferências de imprensa da Protecção Civil – em resumo, o nosso triste ritual dos Verões quentes e ventosos. E o ritual não termina aqui. Logo de seguida, dos estúdios de televisão aos melhores cafés, inicia-se a caça ao culpado, que tanto pode ser o incendiário psicótico que devia estar preso, como “os interesses”, em geral da indústria da celulose, que desejam pegar fogo ao país para comprar madeira mais barata e plantar mais eucaliptos.

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Comente este artigo
Anterior Viseu. Fogos de Penalva e Penedono continuam ativos, mas sem casas em perigo
Próximo O que não arder agora arde mais tarde

Artigos relacionados

Últimas

El sector debate sobre el coronavirus: La COVID-19 ha demostrado el por qué se creó la PAC

Un congreso telemático en el que varios representantes del sector agroalimentario han analizado cómo afectará esta crisis sanitaria al sectro agrario y ganadero ha dejado claro no solo los problemas que se van a enfrentar, […]

Dossiers

El aumento de la demanda empuja al alza los precios del pollo


Continúa la animación en la demanda en pollo, en un mercado con un óptimo flujo de entradas y salidas, […]

Eventos

Webinar “Uso do fogo para renovação de pastagens: mecanismos de apoio aos pastores da Cantabria e da Galiza” – 6 de julho

A AGIF – Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais, juntamente com o Ministério da Transição Ecológica e Desafio Demográfico (ex: Ministério […]