Em busca do incendiário perdido

Em busca do incendiário perdido

Cá estamos nós outra vez: o fogo, o fumo, as lágrimas, os reacendimentos, os intermináveis directos televisivos, os jornalistas caça-chamas, os populares queixosos, os bombeiros esgotados, as conferências de imprensa da Protecção Civil – em resumo, o nosso triste ritual dos Verões quentes e ventosos. E o ritual não termina aqui. Logo de seguida, dos estúdios de televisão aos melhores cafés, inicia-se a caça ao culpado, que tanto pode ser o incendiário psicótico que devia estar preso, como “os interesses”, em geral da indústria da celulose, que desejam pegar fogo ao país para comprar madeira mais barata e plantar mais eucaliptos.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Viseu. Fogos de Penalva e Penedono continuam ativos, mas sem casas em perigo
Próximo O que não arder agora arde mais tarde

Artigos relacionados

Nacional

Relatório da ONU revela consequências dramáticas do aquecimento global

O documento, cuja versão preliminar foi hoje divulgada pela agência France Presse, vai ser apresentado em 25 de setembro no Mónaco e alerta especialmente para alterações nos oceanos e na alimentação. […]

Ofertas

Oferta de emprego – Engenheiro Agrónomo (M/F) – Vila Nova de Milfontes

Empresa de produção de plantas ornamentais (“suculentas”) na zona de Vila Nova de Milfontes admite Agrónomo para entrada imediata.

Últimas

UTAD estuda novas tecnologias para travar a vespa velutina

A crescente proliferação de ninhos de vespas velutinas em Portugal está a preocupar seriamente a comunidade científica, que procura, por todos os meios, […]