Em 30 ou 40 anos, grandes áreas no Alentejo já não terão condições para fazer vinho

Em 30 ou 40 anos, grandes áreas no Alentejo já não terão condições para fazer vinho

[Fonte: Tribuna Alentejo] Jorge Böhm é alemão, nascido em 1938 em Neustadt an der Weinstrasse, a viver em Montemor-o-Novo desde 1976, onde produz vinho. Numa entrevista dada hoje ao DN Böhm explica que visitou Portugal pela primeira vez em 1961, depois de o veleiro em que seguia com amigos a caminho das Seicheles ter sido abalroado por um barco de pesca em Cascais. Nunca mais quis deixa o país.

Com várias gerações da família ligadas ao vinho, desde o tempo em que Napoleão foi imperador, Böhm começou a importar para a Alemanha depois comprou uma quinta em Montemor-o-Novo e começou um longo e difícil processo de seleção de castas. Hoje produz ali vinho mas dedica-se também à investigação.

Este ligado à certificação dos vinhos do alentejo e publicou vários livros. Para além disso trabalhou também com a Universidade de Évora para introgredir nas nossas castas genes de outra espécie que são resistentes ao míldio e oídio. Defende mais investigação e acredita que em poucas décadas a aplicação de fungicidas vá ser reduzida de tal forma pela União Europiea, que a viticultura tradicional vai deixar de funcionar.

Em 2017, fez um simpósio sobre vinha sustentável e tem defendido que com a mudança de clima “dentro de 30 ou 40 anos, grandes áreas hoje de viticultura no Alentejo já não terão condições para fazer vinho”.

Para o efeito defende que é importante começar a trabalhar em castas mais resistentes. “De manhã, quando saímos de casa, temos 14 graus – a temperatura ideal para o vinho. E com água e com rega talvez se consiga sobreviver. Mas, no interior, no Redondo, etc., vão ter grandes problemas”, declara convicto.

Imagem de capa de Reinaldo Rodrigues.

Comente este artigo
Anterior Hidro-Ibérica e Agromillora reforçam parceria
Próximo Corpo Nacional de Agentes Florestais constitui um corpo de trabalhadores, com formação para executar diversos trabalhos silvícolas

Artigos relacionados

Nacional

Soluções alternativas ainda vão conviver com motores tradicionais

[Fonte: Dinheiro Vivo – empresas]
A indústria automóvel entrou na autoestrada da eletrificação e elegeu um inimigo: o diesel. […]

Comunicados

Navigator atinge neutralidade carbónica em 2035 com investimento de 158 milhões

António Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas, saúda dedicação ao tema da emergência climática […]

Nacional

Empresa polaca procura fornecedores biológicos de tremoço, favas, ervilha, aveia e trigo

[Fonte: Agricultura e Mar]
Uma empresa polaca, especializada na produção e distribuição de grãos biológicos, está […]