Elisa Ferreira preocupada com “posições rigidificadas” sobre orçamento da UE

Elisa Ferreira preocupada com “posições rigidificadas” sobre orçamento da UE

A comissária europeia Elisa Ferreira admitiu esta quarta-feira estar preocupada com “posições ‘rigidificadas’” de alguns Estados-membros nas negociações do orçamento plurianual da União Europeia (UE) para 2021-2027, marcadas por impasse, e alertou que “o tempo está a passar”.

“É um pouco preocupante ver posições ‘rigidificadas’, concentradas entre as contribuições de 1% ou de 1,07% para um orçamento comum que permite que haja um mercado interno, uma moeda única, etc., que, no fundo, beneficiam alguns desses países que depois são tão rígidos relativamente à sua contribuição”, declarou a comissária europeia da Coesão e Reformas, Elisa Ferreira.

Falando num encontro com jornalistas portugueses, em Bruxelas, a responsável disse ter visto “com bastante preocupação” o falhanço das negociações no Conselho Europeu extraordinário, realizado na semana passada na capital belga e consagrado ao orçamento plurianual da UE para 2021-2027.

“O tempo está a passar e era importante começarmos a assentar as bases para que a transição entre um quadro comunitário e o seguinte fosse a mais suave possível”, frisou Elisa Ferreira. A comissária europeia disse esperar que “as coisas se solucionem rapidamente porque, na situação atual, fica uma sensação de conflitualidade [entre os Estados-membros] que é muito artificial”.

“Esperemos que haja algum progresso rapidamente e que se passe desta fase, que é muito desagradável e que deforma a ideia da UE perante os cidadãos”, insistiu a detentora da pasta da Coesão e Reformas.

Na semana passada, os líderes da UE não chegaram a consenso relativamente à proposta apresentada pelo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que estabelecia um orçamento a longo prazo de 1,09 mil milhões de euros, equivalente a 1,074% do Rendimento Nacional Bruto (RNB) da UE já sem o Reino Unido, contribuição semelhante à apresentada em dezembro passado pela presidência finlandesa (1,07%), liminarmente rejeitada pelos países.

Também à semelhança da finlandesa, a proposta de Charles Michel continuava a contemplar cortes na Política de Coesão e na Política Agrícola Comum (PAC) face ao quadro atual.

A proposta original da Comissão, que já data do verão de 2018, contemplava um orçamento global para os próximos sete anos com contribuições correspondentes a 1,11% do RNB, enquanto o Parlamento Europeu, que se pronunciou contra a proposta de Charles Michel considerando-a insuficiente, defende contribuições de 1,3%.

De um lado está o grupo alargado de países “Amigos de uma Europa ambiciosa” (anteriormente chamados “Amigos da Coesão”), entre os quais Portugal, que se opõe firmemente a um orçamento que sacrifique políticas como Coesão e Agricultura. Aqui incluem-se também os que consideram o orçamento aquém das ambições que a UE deve assumir, como França.

Já do outro lado estão contribuintes líquidos, e designadamente, o ‘quarteto’ formado por Áustria, Dinamarca, Holanda e Suécia, que continua a achar que é destinado demasiado dinheiro à Coesão e Agricultura, defendendo antes um maior investimento no que apelidam de “políticas modernas”, mas sem nunca ultrapassar o teto global de 1% do RNB.

Depois do fracasso desta cimeira, o processo volta praticamente à ‘estaca zero’, devendo ser desenvolvidas ao novas rondas e consultas com vista a aproximar as partes, de modo a que seja possível o mais cedo possível um acordo sobre o orçamento da UE pós-2020, já que, na falta de um acordo, os novos fundos e respetiva programação já para 2021 ficam comprometidos.

Continue a ler este artigo no ECO.

Comente este artigo
Anterior Roseiras na Vinha
Próximo Governo Mais Próximo arranca em Bragança com regadio em destaque

Artigos relacionados

Eventos

13.ª Edição das Jornadas do Hospital Veterinário Muralha de Évora – 11 e 12 de março – Évora

Detentoras de uma identidade própria, que alia as componentes científica e comercial, as Jornadas do HVME são reconhecidas como um evento de referência no panorama ibérico […]

Últimas

Saída sem acordo seria “quase caótica”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu que a saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo seria “quase caótica” […]

Últimas

Covid-19: Moradores dizem que cerca sanitária em Odemira pode “disciplinar” alojamento

A cerca sanitária em duas freguesias de Odemira, devido à elevada incidência de casos de covid-19, sobretudo em trabalhadores agrícolas, justifica-se e pode ajudar a “disciplinar” […]