Edição do genoma pode reduzir impacto da agricultura no ambiente – estudo

Edição do genoma pode reduzir impacto da agricultura no ambiente – estudo

O uso de novas tecnologias que permitem editar o genoma em plantas pode ajudar a reduzir o impacto da agricultura no ambiente e garantir a segurança alimentar, segundo um relatório do grupo europeu de ética em ciências.

“O Grupo Europeu de Ética em Ciências e Novas Tecnologias (EGE) acaba de divulgar um relatório sobre ‘Ética na Edição do Genoma’. Nele os cientistas afirmam que o uso das novas tecnologias que permitem editar o genoma em plantas pode ajudar a União Europeia a garantir a segurança alimentar, a reduzir o impacto da agricultura no ambiente e a cumprir a estratégia ‘Farm do Fork”, lê-se numa nota do Centro de Informação de Biotecnologia (CIB) enviada à Lusa.

No documento, os cientistas alertaram ainda para a necessidade de criar alternativas “viáveis e sustentáveis” para assegurar a segurança alimentar, o fornecimento de recursos renováveis e salvaguardar a biodiversidade.

Para o EGE, a União Europeia (UE) deve acelerar a utilização de edição de DNA no melhoramento de plantas, o que levará a uma “produção mais sustentável de alimentos”.

“A edição do DNA de plantas é um processo com resultados finais semelhantes aos obtidos pelos métodos tradicionais de melhoramento de plantas, muitos deles baseados na indução de mutações com o objetivo de induzir novas características. A grande diferença reside no tempo e na precisão que são necessários para melhorar ou introduzir características específicas nas plantas”, apontou o CIB.

Citado no mesmo documento, o presidente da direção do CIB, Jorge Canhoto, referiu que a edição do genoma deve “refletir as evidências científicas atuais, devendo a sua adoção ou não, para cada caso específico, corresponder a uma ponderada avaliação dos riscos e benefícios”.

Neste sentido, a avaliação das agências reguladoras deve centrar-se nas características da variedade em causa, nomeadamente, no que se refere à sua avaliação ambiental e em termos de saúde, apontou.

O relatório em causa reconhece também o esforço na redução da utilização de agroquímicos na agricultura, mas chama a atenção que esta deve ser acompanhada por alternativas para os agricultores “manterem ou mesmo aumentarem” os níveis de produção.

“Uma estratégia deste tipo só faz sentido se a redução de agroquímicos for acompanhada pela obtenção de plantas mais aptas para sobreviver em condições de stresse como aquelas que se esperam em extensas áreas do continente europeu devido às alterações climáticas”, vincou o presidente da direção da CIB.

O relatório “Ética na Edição do Genoma” integra um estudo que a Comissão Europeia está a realizar a pedido dos Estados-membros para aferir a segurança na utilização de novas tecnologias genómicas.

Comente este artigo
Anterior Perímetros de ordenamento agrário dos Açores vão definir vocação produtiva
Próximo Oferta de emprego - Enólogo - Mesão Frio

Artigos relacionados

Blogs

FPAS analisa estatísticas agrícolas 2020

O INE divulgou as Estatísticas Agrícolas 2020. Os resultados apuraram uma produção total de carne na ordem das 902 mil toneladas […]

Utilização sustentável

Bio fumigação – Cultura de Cobertura de Precisão – Cap. 1/2

A bio fumigação é uma técnica que visa reduzir os nematodes, evitando as feridas nas raízes do milho jovem e reduzir as infecções pelo fungo cephalosporium. […]

Sugeridas

FACECO2019: Ciclo de Palestras “Rentabilize a sua Floresta: mais gestão melhor produção” – 20 de julho – Odemira

Consulte o programa aqui.

20 de julho 2019 – Auditório FACECOCiclo de Palestras “Rentabilize a sua Floresta: mais gestão melhor produção”

11h00 – […]