DS Smith lança relatório sobre tendências do packaging

DS Smith lança relatório sobre tendências do packaging

A DS Smith disponibilizou recentemente o seu “Relatório sobre tendências do packaging: 2020 e anos seguintes”, centrado em quatro tendências. Segundo a empresa do sector da embalagem, o documento proporciona «uma visão daquilo que os consumidores realmente querem e de que forma o packaging pode ajudar as empresas a satisfazê-lo», mas também teve em conta «as especificidades das cadeias de abastecimento e de que forma a optimização das embalagens pode ajudar a criar sinergias entre empresas e a reduzir o espaço necessário para armazenamento».

Uma das quatro tendências referidas, designada “Instantaneamente instagramável”, é referente à «sensação causada nos compradores quando eles recebem as suas encomendas efectuadas on-line» e à necessidade de as marcas se destacarem e proporcionarem «uma experiência única e personalizável». Neste âmbito, a «experiência positiva» consegue-se em várias vertentes: «oferecendo uma protecção perfeita do produto», facilitando a sua entrega («por exemplo, através da adaptação do tamanho da embalagem para caber numa caixa de correio») ou «através de interacções originais com aplicações de realidade aumentada ou códigos QR que remetem para páginas personalizadas».

“Oportunidades abertas” é outra tendência, relativa ao «armazenamento de stock nas lojas, em paralelo com os requisitos especiais do e-commerce, que levaram a um aumento da competitividade e dos custos». Neste âmbito, a DS Smith afirma que «optimiza a utilização de materiais e as dimensões das embalagens através da análise das cadeias de fornecimento, o que resulta numa optimização dos armazéns e veículos de transporte e, consequentemente, numa redução significativa dos custos», sendo que «estas acções promovem sinergias entre empresas e o alcançar de metas de sustentabilidade que, de outra forma, seriam mais difíceis de alcançar sozinhas».

Uma terceira tendência consiste no “Consumo consciente”, com foco nos princípios de «reduzir, reutilizar e reciclar», resultante da «ascensão do consumidor eco consciente». Nesta vertente, a empresa diz que «cria soluções de embalagem inovadoras, que reduzem a quantidade de material de embalagem para o mínimo necessário e são 100% recicláveis».

O estudo realizado pela DS Smith aponta uma quarta tendência, a do “Governo verde”, porque «a pressão regulatória está a aumentar e a desencadear mudanças nos materiais, levando as empresas a optarem por soluções de embalagem totalmente recicláveis». Pode consultar este relatório aqui.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores.

Anterior Borrego: uma carne versátil o ano inteiro
Próximo BEI financia investimentos de 463 mil milhões na UE. Portugal é um dos beneficiários

Artigos relacionados

Últimas

Jerónimo desafia Estado a seguir exemplo de baldios da Lousã na gestão florestal


DR

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, enalteceu hoje a gestão dos Baldios de Vilarinho, no concelho da Lousã, […]

Eventos

Jornadas técnicas da Cultura da Amendoeira – 13 de novembro – Beja

Sendo a amêndoa, atualmente, uma das culturas com mais êxito em Portugal e em Espanha […]

Últimas

João Ferreira insiste: “Não vimos o governo a assumir que não vai aceitar corte nos fundos europeus”

Já esta semana, em Faro, João Ferreira tinha desafiado o governo a vetar um eventual cortes dos fundos comunitários para Portugal. […]