Digital AgriFood Summit Portugal – 20 a 23 de janeiro

Digital AgriFood Summit Portugal – 20 a 23 de janeiro

Setor agroalimentar português vai organizar a primeira feira 100% digital para promover exportações nacionais

Num contexto altamente adverso, o evento virtual – de 20 a 23 de janeiro de 2021 – vai servir de ponto de encontro entre empresas nacionais e clientes internacionais dos vários continentes, com aposta forte em países com potencial como China, Japão ou Estados Unidos. Objetivo é manter a rota de crescimento das exportações e criar oportunidades de negócio

Numa altura em que o impacto da pandemia de Covid-19 abala todos os mercados e setores, sem exceção, e restringe a mobilidade e a capacidade de participação em feiras internacionais, o consórcio Portuguese Agrofood Cluster (no qual participam a PortugalFoods, o Inovcluster, o Agrocluster e a Portugal Fresh) decidiu avançar para a organização da 1ª edição do Digital AgriFood Summit Portugal. Este evento, que decorrerá entre os dias 20 e 23 de janeiro de 2021, numa plataforma online especializada em eventos virtuais, pretende assumir-se como uma “montra” da excelência e qualidade da oferta agroalimentar nacional.

O certame 100% digital irá contar com uma centena de expositores, de diversas fileiras do agroalimentar ‘made in Portugal’, e receber compradores dos vários continentes, servindo de ponto de encontro entre procura e oferta, potenciando negócios de uma forma inovadora e integrada e contribuindo para o aumento das exportações agroalimentares.

Com o apoio da Secretaria de Estado da Internacionalização e do Ministério da Agricultura, da AICEP e da FIPA – Federação das Indústrias Portuguesas Agroalimentares, a 1ª edição do Digital Agrifood Summit Portugal conta com uma campanha de comunicação e marketing internacional, com o forte envolvimento das Embaixadas Portuguesas e da Rede Externa da AICEP. O evento conta ainda com o empenhado incentivo do Secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, e da Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes.

O Digital AgriFood Summit Portugal pretende chegar aos compradores internacionais (retalhistas, grossistas, canal HoReCa, importadores e distribuidores) provenientes de mercados considerados maduros e/ou prioritários dos diversos continentes – incluindo China, Índia, Japão, Estados Unidos, Canadá, Brasil, Chile, México, Colômbia, Angola e região do Magrebe, assim como Reino Unido, Suécia, Finlândia, Noruega ou Dinamarca.

A par dos encontros que ocorrem durante a feira, será desenvolvido um trabalho de angariação de reuniões extra com compradores internacionais. As empresas expositoras poderão receber os profissionais de Food & Beverage nos seus stands e, através de uma plataforma interativa digital, apresentar os seus produtos através de diversos recursos audiovisuais. Este certame contará ainda com workshops sobre temáticas de internacionalização e inovação.

Num contexto em que o setor agroalimentar nacional demonstra grande resiliência perante as dificuldades impostas pela pandemia de Covid-19 – sendo o único setor da economia portuguesa que, no contexto das exportações de bens, regista um crescimento homólogo nos três primeiros trimestres deste ano –, a realização deste evento virtual vem sublinhar a capacidade de mobilização dos empresários nacionais e a forte vocação e capacidade exportadora das empresas do setor agroalimentar português.

Amândio Santos, Presidente da PortugalFoods e responsável pelo consórcio Portuguese Agrofood Cluster, sublinha:  “Face aos desafios impostos pela pandemia, o setor agroalimentar necessita, mais do que nunca, de se mobilizar para enfrentar de uma forma concertada e profissional, tempos incertos e mercados difíceis, como já nos habituou nos processos de promoção e internacionalização.” Temos sabido corresponder à qualidade que esperam de nós, como notam os dados mais recentes sobre as exportações de bens nacionais. Mas a manutenção desse bom desempenho e o futuro do setor depende das ações que conseguirmos levar a cabo agora, numa fase de grandes constrangimentos. Este evento virtual é uma forma de o setor agroalimentar mostrar, mais uma vez, a sua excelência e a sua capacidade de inovação. Além de se assumir como uma plataforma de negócio e um ponto de partilha de experiências e conhecimento, não temos dúvidas que o Digital Agrifood Summit Portugal criará novas oportunidades para as empresas, aproveitando as facilidades e vantagens que as novas tecnologias colocam ao seu dispor.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros, através do Secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, considera também este evento virtual prioritário para a promoção do setor: “Sabemos que uma das principais limitações que a pandemia nos impôs está relacionada com a circulação de pessoas, que por sua vez veio condicionar significativamente a capacidade de promoção dos nossos produtos. Com uma história de sucesso neste âmbito, o setor não se resignou e decidiu apostar numa forma inovadora e diferenciadora, com a criação da primeira edição do Digital Agrifood Summit Portugal. É uma iniciativa que se destaca pela digitalização e pela cooperação entre parceiros, dois fatores fundamentais para transformarmos esta crise numa grande oportunidade.”

Por seu turno, a Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, considera da maior relevância a iniciativa “perante os constrangimentos que esta pandemia coloca, e que limitam as ações de promoção de cariz presencial, o setor agroalimentar assume a sua capacidade de reinvenção conseguindo criar um formato de promoção dos produtos nacionais inteiramente adaptado ao momento excecional em que vivemos, constituindo esta iniciativa uma excelente oportunidade para afirmar a qualidade da produção nacional e impulsioná-la nos mercados externos, em consonância com a estratégia de internacionalização do Ministério da Agricultura”.

→ Inscrição ←

→ Programa ←

Para se inscreverem neste evento, as empresas interessadas deverão pedir mais informações para o email: [email protected]

Comente este artigo
Anterior Conferência APEZ: Carne Maturada - 20 de janeiro
Próximo Empresa da Estónia pagou madeira do Pinhal de Leiria mas não a levou

Artigos relacionados

Últimas

Portugal com 7.ª superfície de pomares da UE em 2017 e 3.ª de pereiras

Portugal tinha, em 2017, a sétima maior superfície de pomares da União Europeia (UE), com mais de 38 mil hectares, a terceira maior de pereiras e a quarta de árvores de citrinos, […]

Últimas

Combate à praga Psila Africana dos Citrinos

Trioza erytreae, ou Psila Africana dos Citrinos, é considerado um organismo de quarentena na União Europeia […]

Nacional

Reforma da PAC: desafios novos – Álvaro Amaro

A PAC tem que ser a Política da solidariedade entre o campo e a cidade. Portugal não pode desperdiçar a oportunidade da próxima década. […]