DGS: para uma alimentação saudável em tempos de Covid-19 coma mais fruta e hortícolas

DGS: para uma alimentação saudável em tempos de Covid-19 coma mais fruta e hortícolas

A possibilidade de contágio por Covid-19 é alto e está a assustar os portugueses. Medo que aumenta com falsas informações a correr nas redes sociais. Uma delas refere que há perigo de transmissão de Covid-19 por ingestão de vegetais crus.

Segundo a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) não existe, até ao momento, evidência de qualquer tipo de contaminação através do consumo de alimentos cozinhados ou crus. De acordo com a EFSA “a experiência dos surtos anteriores com coronavírus, nomeadamente com o coronavírus SARS-CoV e com o coronavírus MERS-CoV, mostram que a sua transmissão não ocorreu através do consumo alimentar”.

O investigador no Instituto de Saúde Pública da Universidade de Porto, Duarte Torres, disse já ao jornal Público que, neste momento, “não há nada que indique que os alimentos possam ser uma via particular de transmissão deste novo coronavírus”.

E o Ministério da Agricultura, liderado por Maria do Céu Albuquerque, emitiu um comunicado em que alerta para a circulação de “mensagens falsas relacionadas, nomeadamente, com a segurança alimentar”.

“Neste contexto, referimos, como exemplo, a informação que circula sobre o risco de transmissão de Covid-19 por ingestão de vegetais crus. A este respeito, clarifica-se que a transmissão do novo Coronavírus ocorre por via respiratória e conjuntival, mediante contacto entre pessoas, não sendo possível a transmissão daquele agente por via alimentar. Este facto não dispensa que o consumidor mantenha as regras gerais de higiene na manipulação de géneros alimentícios”.

Orientações na área da alimentação

E hoje, 20 de Março, a Direcção-Geral da Saúde (DGS), através da equipa do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS) lançou um manual com orientações na área da alimentação que pode ser utilizado por profissionais de saúde e por toda a população.

Nesse manual, a DGS indica 6 passos para uma alimentação saudável em tempos de Covid-19 que o agriculturaemar.com aqui transcreve:

  • Coma mais fruta e hortícolas.
    Coma, pelo menos, sopa de hortícolas ao almoço e jantar e 3 peças de fruta. Dentro do grupo das frutas e hortícolas opte por aqueles com maior durabilidade e os produtos congelados também podem ser uma boa opção, uma vez que as suas propriedades nutricionais são mantidas.
  • Beba água ao longo do dia e sem açúcar.
    Manter um bom estado de hidratação é essencial, vá bebendo água ao longo do dia. Beba por dia 1,5 a 1,9L de água (8 copos de água).
  • Aproveite para recuperar a presença do feijão, do grão e das ervilhas à mesa. Em tempos de muitos enlatados em casa, pode ser uma oportunidade para voltar a valorizar as leguminosas, que são fontes de fibra e vários nutrientes importantes.
  • Mantenha a rotina das refeições diárias, evitando snacks com excesso de açúcar e sal ao longo do dia. Que este período em que está mais por casa, não seja um estímulo ao consumo de alimentos com elevada densidade energética e baixo valor nutricional. Para os snacks escolha opções mais saudáveis.
  • Aproveite esta oportunidade e cozinhe saudável com os seus filhos.
    Neste período por casa, há oportunidades que se criam. Use o seu tempo livre para ensinar os mais novos a cozinhar de forma saudável.
  • Faça uma alimentação completa, variada e equilibrada, seguindo os princípios da Roda dos Alimentos.
    Coma alimentos de grande grupo da roda e beba água diariamente. Coma em maior quantidade os grupos com maior dimensão e em menor quantidade os grupos mais pequenos. E vá variando diariamente e ao longo do dia, consumindo alimentos diferentes dentro de cada grupo da roda.

Pode consultar o manual completo aqui.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Carta aberta da agricultura familiar sobre a situação que vivemos no país com o surto de coronavírus e face à declaração do estado de emergência nacional
Próximo Adega de Monção antecipa pagamento de 3,4 milhões aos produtores

Artigos relacionados

Últimas

Fundos comunitários não justificam quebra histórica do investimento

O início de um quadro comunitário não é sinónimo de quebra de investimento. António Costa, no frente a frente com Rui Rio transmitido pela televisões, […]

Últimas

Setor Agrícola em debate durante a crise. JP Torres, Paulo Portas e Miguel Monjardino

A Agroglobal prossegue a ronda de conversas sobre os efeitos da crise no setor agrícola. Joaquim Pedro Torres entrevista dois especialistas em […]

Últimas

UE e Mercosul fecham compromisso político para assinar tratado de livre comércio

Os negociadores da União Europeia e do Mercosul alcançaram esta sexta-feira um compromisso político que permite fechar o processo de negociações que se arrastava há […]