DGAV aumenta lista de fitofarmacêuticos autorizados para quem não tem cartão de aplicador

DGAV aumenta lista de fitofarmacêuticos autorizados para quem não tem cartão de aplicador

[Fonte: Vida Rural]

A Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) acaba de atualizar a lista de fitofarmacêuticos de uso não profissional que podem ser adquiridos pelos agricultores que não possuem cartão de aplicador.

A lista é da responsabilidade da Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos e da Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária e inclui os produtos que a 31 de dezembro de 2018 dispunham de uma autorização para a sua colocação no mercado, num total de 49 produtos fitofarmacêuticos com base em 24 substâncias ativas.

Estes produtos poderão ser manuseados e aplicados em ambiente doméstico de interior, em jardins e hortas familiares.

Consulte a lista completa aqui.

Comente este artigo

O artigo DGAV aumenta lista de fitofarmacêuticos autorizados para quem não tem cartão de aplicador foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior O percevejo asiático: saiba porque pode ameaçar as fruteiras
Próximo Continente prevê adquirir 10 000 toneladas de laranja do Algarve

Artigos relacionados

Nacional

Oferta de emprego – Engenheiro Agrónomo (M/F) – Odemira

A Maravilha Farms encontra-se a recrutar um (a) Engenheiro (a) Agrónomo (a).

Nacional

Câmara de Vouzela contrai empréstimo de 120 mil euros para acessos florestais

[Fonte: Gazeta Rural]

A Câmara de Vouzela aprovou o pedido de um empréstimo bancário de 120 mil euros para recuperar acessos florestais, apontando a ausência de apoios do Estado e da União Europeia para esse fim, anunciou hoje a autarquia. […]

Últimas

Vasco Cordeiro diz ser ”inevitável” entendimento entre parceiros do leite nos Açores

[Fonte: Açoriano Oriental]

O presidente do Governo dos Açores considerou, esta quarta-feira, “inevitável” que os parceiros da fileira do leite se entendam, sublinhando que, apesar de não poder intervir nos preços, não vai prescindir de avaliar os “efeitos do investimento público”. […]