Descoberto mecanismo através do qual plantas sentem o nível de zinco no organismo

Descoberto mecanismo através do qual plantas sentem o nível de zinco no organismo

Uma equipa internacional, na qual participaram investigadores do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO), descobriu o mecanismo através do qual as plantas “sentem” o nível de zinco no seu organismo e o adaptam à sua nutrição.

Em comunicado, aquele centro da Universidade do Porto adianta hoje que, “pela primeira vez”, foi revelado o sensor de micronutrientes em plantas, mais concretamente o sensor de zinco.

O zinco, micronutriente que todos os organismos necessitam, desde plantas a humanos, é essencial para o funcionamento de muitas proteínas.

“Perceber como as plantas regulam o teor de zinco nos tecidos, frutos e sementes, e como se adaptam a solos pobres em zinco, pode ajudar a selecionar culturas mais adaptadas a solos pobres e que providenciam alimento mais nutritivo”, esclarece o centro.

No decorrer do estudo, os investigadores desvendaram que o sensor de zinco funciona como “um interruptor”, uma vez que, em função do teor de zinco na célula, “liga ou desliga mecanismos que regulam a absorção de zinco do solo e o seu transporte nas células para que a planta evite deficiência ou excesso de zinco”.

Paralelamente, a equipa descobriu que este interruptor pode ser “ajustado” por forma a estar mais “ligado”, o que conduz a um fortalecimento do teor de zinco na planta e nas suas sementes sem que isso afete a sua saúde.

Segundo o CIBIO-InBIO, esta descoberta pode ajudar ao desenvolvimento de culturas mais adaptadas a solos deficientes em zinco e que deem sementes de bom valor nutritivo, tirando partido de variações naturais neste sensor.

“Uma alimentação deficiente em zinco afeta o crescimento saudável e o sistema imunitário e cognitivo em humanos. Sabe-se que a deficiência de zinco afeta uma parte significativa da população humana mundial, sobretudo em países em desenvolvimento e com alimentação fortemente baseada em culturas pobres em zinco, como o arroz”, acrescenta.

Neste momento, os investigadores estão a catalogar as variações no sensor de zinco presentes em espécies agrícolas como o arroz e o tomate, e a estudar o funcionamento dessas variantes.

A equipa internacional espera que o trabalho desenvolvido possa contribuir “para melhorar o valor nutritivo e a adaptação a solos pobres em zinco”.

“Este trabalho é um exemplo de como o conhecimento da biologia molecular de plantas pode ajudar a encontrar soluções para combater desafios atuais e futuros, como a produção de alimentos nutritivos e sustentáveis, e a agricultura em solos adversos ou empobrecidos”, refere o CIBIO-InBIO.

A investigação, publicada na revista Nature Plants, incluiu investigadores da Universidade de Wageningen (Países Baixos) e da Universidade de Copenhaga (Dinamarca).

Comente este artigo
Anterior Estudo | Transfeção viral em spray para culturas ajustáveis ​​às estações
Próximo O Brexit e o movimento de vegetais e produtos vegetais

Artigos relacionados

Cotações ES

La atonía se mantiene en el mercado de ovino


El mercado del ovino se equilibra como consecuencia de una corta oferta de animales en campo pero ante una demanda también escasa que deja sin cambios las cotizaciones, […]

Blogs

Estudo de cientistas do Técnico conclui que atual agricultura biológica não permitiria alimentar toda a humanidade em 2050

O estudo aponta que o caminho para a viabilidade da agricultura biológica passa pela inovação e não dispensa o recurso a animais. […]

Comunicados

Ações Sensibilização do Douro: Valorizar os produtos da região através da Agricultura Biológica

No âmbito da sua missão de promover a agricultura biológica em Portugal, a AGROBIO – Associação Portuguesa de Agricultura Biológica – pretende desenvolver […]