Depressão Elsa: Prejuízos no concelho de Abrantes ultrapassam um milhão de euros

Depressão Elsa: Prejuízos no concelho de Abrantes ultrapassam um milhão de euros

Os prejuízos causados pelo mau tempo (depressão meteorológica Elsa), no concelho de Abrantes, na semana de 16 a 20 de Dezembro, estimam-se em um milhão e cem mil euros, anunciou hoje, 7 de Janeiro, o presidente da Câmara durante a reunião quinzenal do Executivo.

Os estragos fizeram-se sentir com maior intensidade nas freguesias de Aldeia do Mato e Souto, Rio de Moinhos, Martinchel, Abrantes e Alferrarede

Manuel Jorge Valamatos adiantou que o resultado do primeiro levantamento realizado pelas equipas técnicas da Câmara foi remetido à Comunidade Inter-municipal do Médio Tejo (CIMT), entidade que está a elencar os prejuízos junto de cada um dos 13 municípios que a integram para que, na base da concertação também com a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), a região esteja posicionada para eventual enquadramento de medidas de apoio do Governo central que possam surgir para minorar os prejuízos causados.

Levantamento dos prejuízos

O presidente da autarquia esclareceu que o levantamento em causa reporta-se a danos estruturais em infraestruturas. A estimativa não inclui, entre outras, situações de derrocadas, danos em passeios – situações que os serviços municipais estão a repor por administração directa – ou problemas nas condutas de abastecimento de água que, sendo situações urgentes, os Serviços Municipalizados procederam ao restabelecimento dos mesmos, pelo que o apuramento dos prejuízos poderá ultrapassar a verba indicada.

Os estragos fizeram-se sentir com maior intensidade nas freguesias de Aldeia do Mato e Souto, Rio de Moinhos, Martinchel, Abrantes e Alferrarede (Abrançalha e Sentieiras). Transbordo do leito de ribeiras provocando destruição de margens, valetas, arruamentos e condutas de água e danificação de muros de suporte; destruição de pontões e passagens hidráulicas; destruição de parte do talude em aterro, transbordo do leito da linha de água, com inundação do parque de merendas da praia fluvial de Aldeia do Mato, são alguns dos estragos identificados como sendo de maior gravidade.

Manuel Jorge Valamatos disse esperar que o Governo central disponibilize apoios específicos para estes prejuízos em infraestruturas por se tratarem de “valores muito elevados que é um valor incomportável para as Câmaras”.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior 2020 é o ano internacional da sanidade florestal
Próximo O que pensam os agricultores da reforma da PAC?

Artigos relacionados

Últimas

Estudo: O Papel da Inteligência Artificial no Pacto Ecológico Europeu

O Departamento Temático das Políticas Económicas e Científicas e da Qualidade de Vida, do Parlamento Europeu, publicou o Estudo “The Role of AI in the European Green Deal” (O Papel da Inteligência Artificial no Pacto Ecológico Europeu), […]

Dossiers

Oferta de emprego – Engenheiro Agrónomo – Salvaterra-de-Magos

A NativaLand, empresa de referência na exportação da planta de batata doce, procura um Engº Agrónomo para reforçar a sua equipa técnica. […]

Últimas

Agricultores manifestam-se em Lisboa contra a política de preços baixos à produção

Os agricultores de todo o país vão manifestar-se no dia 14 de junho, em Lisboa, contra a política de preços baixos à produção, disse à Lusa um dirigente da Confederação Nacional […]