CRISPR | Tecnologia usada no melhoramento da cevada para cerveja

CRISPR | Tecnologia usada no melhoramento da cevada para cerveja

Utilizando o CRISPR-Cas9, investigadores do James Hutton Institute, na Escócia, encontraram uma maneira de influenciar os níveis de beta-glucano em grãos de cevada.

Em colaboração com a Universidade de Dundee, na Escócia, os investigadores do James Hutton Institute, também escocês, utilizaram a ferramenta de edição de genomas CRISPR para gerar mutações em membros da superfamília de genes responsáveis ​​pela expressão de enzimas como as “glucano-sintase”.

Este trabalho permitiu aos cientistas compreender melhor os genes da cevada e entender a razão pela qual a diversidade natural da composição das paredes celulares entre as espécies tem impacto nas aplicações industriais e na nutrição humana.

O beta-glucano (ou β-Glucano) é um polissacarídeo não celulósico encontrado em cereais de grãos pequenos. Em comparação com outros cereais, como o trigo e o arroz, a cevada (Hordeum vulgare L.) tem um teor mais alto de β-glucano. Mas por ter um impacto direto na viscosidade do mosto – que, se for muito alto causa problemas de filtração durante a infusão ou formação de espumas indesejáveis ​​no produto final – as indústrias cervejeiras e as destilarias procuram cevada com baixo teor de β-glucano. Por outro lado, sabe-se também que o β-glucano tem um efeito benéfico na saúde humana. Como não é digerido no intestino delgado de humanos, atua como uma fibra alimentar fermentável e reduz o risco de doenças relacionadas com a dieta, por exemplo doenças cardiovasculares, diabetes tipo II e cancro colorretal.

Com este trabalho, os cientistas esperam contribuir para aumentar o conhecimento sobre o potencial da mutagénese dirigida e de outras ferramentas de edição de genomas.

Sendo a cevada uma das culturas mais valiosas do Reino Unido, esta descoberta terá impacto económico significativo. Esta é a primeira vez que se utiliza o CRISPR-Cas9 em culturas de cevada na Escócia.

Artigo integral disponível em The Plant Journal.

O artigo foi publicado originalmente em CiB - Centro de Informação de Biotecnologia.

Comente este artigo
Anterior Primeira colheita de canábis para fins medicinais em Aljustrel “rende” 3.000 quilos
Próximo DGPC propõe despachos de inventariação para preservar património arqueológico

Artigos relacionados

Notícias gastronomia

Como nos alimentaremos em 2050 – António Lopes Dias

A dicotomia forçada entre a chamada agricultura “biológica” e “convencional” levam o consumidor a acreditar que existe uma agricultura boa e uma menos boa, […]

Últimas

Webinar: A PAC e o Pacto Ecológico – 2 de março

O Pacto Ecológico Europeu propõe uma série de acções que visam combater as alterações climáticas e a degradação ambiental. As medidas destinam-se a todos os sectores […]

Nacional

20.ª Visita Vitivinícola da Associação Portuguesa de Horticultura – 25 a 27 de outubro – Alentejo

A 20.ª Visita Vitivinícola da Associação Portuguesa de Horticultura (APH) realiza-se nos próximos dias 25, 26 e 27 de Outubro de 2019. […]