Crescimento espontâneo pode constituir nova oportunidade para as florestas europeias

Crescimento espontâneo pode constituir nova oportunidade para as florestas europeias

Um artigo científico publicado na People and Nature levanta a possibilidade de o crescimento florestal espontâneo resultante do abandono das paisagens rurais contribuir para “restaurar o funcionamento dos ecossistemas” e “alcançar objectivos de política ambiental”. Em simultâneo, alerta para os perigos que o crescimento descontrolado pode representar.

Após décadas de registos negativos no que concerne à ocupação das áreas florestais, uma nova esperança parece surgir para o continente europeu – especialmente nos países do Sul. De acordo com um estudo científico conduzido por investigadores do Museu Nacional de Ciências Naturais de Madrid, do Instituto Europeu de Florestas e da Universidade de Bordéus (entre outras entidades), publicado na revista People and Nature, o crescimento espontâneo da floresta poderá constituir uma nova oportunidade “economicamente rentável para restaurar o funcionamento dos ecossistemas, aumentar as contribuições” destes territórios “para as pessoas” e “alcançar objectivos de política ambiental”. Fenómenos demográficos recentes, como o “abandono generalizado das paisagens rurais e a migração para centros urbanos”, serviram de premissa para a investigação, já que, na visão dos autores, estes contribuíram para a retoma da vegetação florestal nas terras agrícolas.

Para os investigadores, a dinâmica de crescimento espontâneo implica dois processos: a expansão florestal – o aumento da superfície de novas florestas em antigas áreas agrícolas – e a densificação florestal após a fixação inicial da floresta. Como tal, foram seleccionados quatro agrupamentos do Sudoeste Europeu (dois em zonas rurais e dois um zonas periurbanas), compostos por 65 parcelas de estudo e 2837 árvores, os quais reflectem “diferentes contextos socioeconómicos, requisitos ambientais e adaptações”. Um dos critérios que vigorou na selecção dos povoamentos foi, para além de um crescimento florestal espontâneo, a predominância da espécie arbórea que é a árvore nativa mais abundante na paisagem circundante.

No primeiro grupo, as paisagens utilizadas localizam-se no Parque Nacional do Alto Tejo (com o zimbro como espécie maioritária), mais precisamente no município extremenho de Guadalajara, e numa zona montanhosa dos pré-Pirenéus catalães (onde predomina a faia). Os dois territórios espanhóis registaram “um êxodo populacional maciço desde os anos 50 e actualmente são escassamente povoados, economicamente marginais e com poucas perspectivas de desenvolvimento socioeconómico”.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Fileira do Queijo com DOP da Região Centro é das mais afetadas com a Pandemia
Próximo Bolsa do Porco - Semana 48/2020

Artigos relacionados

Notícias PAC pós 2020

Gusta la música pero falla la letra: El sector aplaude el acuerdo de la PAC pero no está conforme con decisiones como los ecoesquemas

El acuerdo alcanzado por los países de la UE para la nueva PAC llega con luces y somnbras. Para el sector español, les gusta la música pero no la letra de este acuerdo de la PAC. Es decir, aplauden […]

Notícias florestas

Fundo Florestal Permanente garante primeiros apoios às Áreas Integradas de Gestão da Paisagem

O Programa de Recuperação e Resiliência, que vai canalizar 665 milhões de euros para as florestas, irá financiar a constituição e gestão das Áreas Integradas de Gestão da Paisagem. Enquanto não chegam verbas de Bruxelas, é o Fundo […]

Últimas

PSD/Açores quer ouvir Governo Regional na Comissão de Economia sobre a fileira do leite

O PSD/Açores requereu a audição do secretário regional da Agricultura na Comissão de Economia do parlamento regional sobre a reestruturação do setor leiteiro e rendimento dos produtores, […]