Crédito Agrícola com resultado positivo de 64,2 milhões de euros em junho de 2018

Crédito Agrícola com resultado positivo de 64,2 milhões de euros em junho de 2018

Resultados não auditados de Junho de 2018

Lisboa, 28 de Agosto de 2018

PRINCIPAIS DESTAQUES

  • No primeiro semestre de 2018, o Grupo Crédito Agrícola apresentou um resultado líquido consolidado de 64,2 milhões de euros, para o qual o negócio bancário contribuiu com 58,4 milhões de euros (+34% face ao período homólogo).
  • Em 30 de Junho de 2018, a carteira de crédito (bruto) a clientes do Grupo Crédito Agrícola ascendeu a 9,6 mil milhões de euros, uma variação positiva de 6,3% nos últimos 12 meses que contrasta com a variação homóloga negativa de 1,3% registada pelo conjunto das instituições financeiras em Portugal com referência a Mai.2018. A evolução positiva nas variáveis-chave de actividade bancária esteve associada a uma dinâmica muito positiva do Crédito Agrícola em todas as áreas de negócio.
  • Com referência a 30 de Junho de 2018 e de acordo com as regras CRD IV/CRR phased-in a que se encontra sujeito, o Grupo Crédito Agrícola apresenta um confortável nível de solvabilidade consubstanciado pelo rácio common equity tier 1 (CET1) de 13,9%, valor francamente superior aos níveis mínimos recomendados.

DESEMPENHO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA NO 1º SEMESTRE DE 2018

  • No primeiro semestre de 2018, o Grupo Crédito Agrícola apresentou um resultado líquido consolidado de 64,2 milhões de euros para o qual o negócio bancário contribuiu com 58,4 milhões de euros (+34% face ao período homólogo).
  • Em 30 de Junho de 2018, a carteira de crédito (bruto) a clientes do Grupo Crédito Agrícola ascendeu a 9,6 mil milhões de euros, uma variação positiva de 6,3% nos últimos 12 meses que contrasta com a variação homóloga negativa de 1,3% registada pelo conjunto das instituições financeiras em Portugal para o mesmo período. Este facto terá contribuído para o reforço de quota de mercado do Grupo Crédito Agrícola num movimento que se verifica nos últimos 6 anos consecutivos.
  • Em Junho de 2018, os recursos de clientes sob a forma de depósitos bancários totalizaram 13,0 mil milhões de euros, evidenciando um crescimento, em termos homólogos, de 9,4% correspondente a 1.118 milhões de euros. Este aumento de recursos contribuiu para a redução do rácio de transformação que, no final do período, ascendia a 68,5%, ainda assim significativamente abaixo do limiar máximo de transformação recomendado (120%).
  • A evolução positiva nas variáveis-chave de actividade bancária esteve associada a uma dinâmica muito positiva do Crédito Agrícola em todas as áreas de negócio.
  • Em termos de qualidade da carteira de crédito do Grupo Crédito Agrícola, o rácio de crédito vencido há mais de 90 dias em Junho de 2018 situou-se nos 5,1%, valor que compara com os 5,4% registados no final de 2017.
  • O Grupo tem vindo a dar continuidade a uma gestão sã e prudente, reflectida em imparidades de crédito acumuladas a Junho de 2018 de 654 milhões de euros, valor que confere um folgado nível de cobertura do crédito vencido de 130,9%.
  • Em termos de composição do produto bancário, a margem financeira aumentou 4,3 milhões de euros em termos homólogos (+2,5%), fruto do crescimento da carteira de crédito e do ajustamento na remuneração dos depósitos de clientes. Complementarmente, as comissões líquidas e a margem técnica do negócio segurador registaram variações homólogas de +5,2 milhões de euros (+11,4%) e de +16,7 milhões de euros (+259%), respectivamente.
  • A rentabilidade alcançada pelo Grupo Crédito Agrícola a Junho de 2018 (8,8% de ROE) espelha os resultados positivos conseguidos nas diferentes componentes do Grupo (Caixas Agrícolas, Caixa Central, companhias de seguros vida e não vida e gestão de activos e fundos de investimento), sendo de assinalar os contributos positivos de 4,1 milhões de euros da CA Vida, de 2,6 milhões de euros da CA Seguros e de 0,1 milhões de euros da CA Gest.
  • Nos primeiros 6 meses de 2018, os resultados registados nos veículos de desinvestimento imobiliário (nomeadamente via desvalorização de unidades de participação) penalizaram os resultados consolidados em 8,3 milhões de euros.
  • Com referência a 30 de Junho de 2018 e de acordo com as regras CRD IV/CRR phased-in a que se encontra sujeito, o Grupo Crédito Agrícola apresenta um confortável nível de solvabilidade consubstanciado pelo rácio common equity tier 1 (CET1) de 13,9%, valor bem acima dos níveis mínimos recomendados.

OUTROS ASPECTOS RELEVANTES DA ACTIVIDADE

  • O Crédito Agrícola, único banco a operar em Portugal filiado no sector bancário cooperativo europeu (que integra alguns dos maiores bancos mundiais), é um Grupo de referência no sistema bancário português[1], com capitais exclusivamente nacionais, do qual fazem parte um conjunto de empresas financeiras, entre as quais as seguradoras CA Vida e CA Seguros, e que apresenta uma oferta universal de produtos e serviços financeiros e de protecção.
  • O Grupo CA, através da implementação de uma estratégia coordenada entre os 80 bancos regionais que o compõem, prossegue empenhado em dinamizar a economia das cidades e vilas e em contribuir para a coesão social e territorial de Portugal.
  • Fruto da sua missão de desenvolvimento regional e da sua vocação de banco de proximidade, o Grupo CA apresenta a segunda maior rede bancária em Portugal com 659 agências (Jun.2018) tendo, em termos líquidos, reduzido apenas 11 agências nos últimos 12 meses.

[1] A revista britânica The Banker / Financial Times no estudo “Top 1000 World Banks 2018”, com referência aos dados de 2017, classificou o Crédito Agrícola como o 3º banco mais sólido e o 2º banco mais rentável entre os 9 maiores bancos a operar em Portugal.

PRINCIPAIS INDICADORES CONSOLIDADOS DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA

Comente este artigo
Anterior Revista AGROTEJO – S. Martinho/2018
Próximo Incêndios no Algarve - CONFAGRI monta estrutura de apoio aos agricultores atingidos

Artigos relacionados

Últimas

Medronho: uma cultura com grande potencial

[Fonte: Vida Rural] Depois de séculos de quase abandono, o medronheiro (Arbutus unedo L.) é agora o foco de uma ‘frente unida’, […]

Comunicados

The new organic Regulation

The Commission welcomes the Council’s endorsement of the co-legislators’ agreement on the new rules on organic production and looks forward to the final steps leading to the adoption of the new Regulation. […]

Sugeridas

Glyphosate : une nouvelle autorisation fait déjà réagir

Selon les eurodéputés socialistes français Eric Andrieu et belge Marc Tarabella, la Commission européenne s’apprêterait à proposer au mois de juin un renouvellement d’autorisation du principe actif controversé du Roundup. […]