Covid-19: Marcelo visitou produção de tomate para mostrar “país que está a produzir”

Covid-19: Marcelo visitou produção de tomate para mostrar “país que está a produzir”

O Presidente da República visitou hoje uma produção de tomate na Lezíria Grande de Vila Franca de Xira para mostrar o “país que está a produzir” e dar “uma palavra de ânimo” aos trabalhadores agrícolas.

 

“A razão por que eu estou aqui hoje é para dizer ao país inteiro que está a conter-se para vencer o vírus que ao mesmo tempo há uma parte do país que está a produzir. E aqui está a produzir alimentos que são fundamentais para o resto do país continuar a viver”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado esteve acompanhado pelo proprietário da Herdade do Caldas, João Geada, e também pelo presidente e pelo secretário-geral da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), respetivamente, Eduardo de Oliveira e Sousa e Luís Mira, que lhe explicaram que ali trabalham atualmente cerca de 20 pessoas, metade das quais sozinhas em tratores, às quais é medida a febre duas vezes por dia, nesta altura de pandemia da covid-19.

Durante a visita, o Presidente da República ouviu preocupações sobre a dificuldade em escoar produtos agrícolas neste período em que há fronteiras, mercados e estabelecimentos de comércio fechados e deixou depois um alerta sobre isso.

“A produção de leite, a produção de queijo, a produção de frutos vermelhos, a produção de flores, não imaginam os produtos que nós exportávamos ou consumíamos cá dentro e, de repente, com a paragem das economias, há uma sobreprodução”, referiu, considerando que “é preciso que a Europa ajude, é preciso que Portugal ajude”.

Durante esta visita, o Presidente da República foi ver a produção de tomate e, à distância de segurança, acedeu a um pedido de uma trabalhadora agrícola que lhe pediu “uma fotografia para mostrar à filha”.

Entretanto, começou a chover e o Presidente da República e restante comitiva recolheram-se num pavilhão agrícola, onde Marcelo Rebelo de Sousa falou aos jornalistas.

O chefe de Estado quis mostrar que o setor agrícola não está parado, assinalando a sua importância para a alimentação dos portugueses e para as exportações e dar “uma palavra de ânimo” aos trabalhadores do setor.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 59 mil.

Em Portugal, registaram-se 266 mortes e 10.524 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior COVID-19: Medidas para promover e agilizar os canais de comercialização de produtos alimentares locais
Próximo Pandemia ameaça precisão de previsões meteorológicas

Artigos relacionados

Dossiers

Contratos de muito curta duração chegam a todos os sectores

[Fonte: Público] O PS e o PSD uniram-se e com a ajuda do CDS aprovaram a medida. Propostas do PS para suavizar a proposta do Governo foram chumbadas. […]

Sugeridas

GNR apreende 2,7 toneladas de pinhas em Gouveia. Período de apanha só arranca a 1 de Dezembro

O Comando Territorial da Guarda, da GNR — Guarda Nacional Republicana, através do Núcleo de Protecção Ambiental de Gouveia, dia 20 de Novembro, […]

Últimas

Novas medidas da CE – Ministra da Agricultura: “não responde em pleno a alguns dos setores que registam mais dificuldades”

Em resposta à declaração conjunta dos Ministros da Agricultura dos 27 Estados-Membros da União Europeia, sublinhando a urgência de […]