Covid-19: Horticultores da Póvoa de Varzim com perdas de milhões pedem atenção do Governo

Covid-19: Horticultores da Póvoa de Varzim com perdas de milhões pedem atenção do Governo

Os horticultores da Póvoa de Varzim registaram perdas superiores a 30 milhões de euros na faturação de 2020 e pedem agora ao Governo que enquadre o setor no lote dos apoios no âmbito da pandemia de covid-19.

Segundo a Horpozim, associação empresarial hortícola sedeada neste concelho do distrito do Porto, mas que também abrange agricultores de Vila do Conde e Esposende, as perdas médias na faturação das explorações rondam os 40%, deixando várias empresas “em risco de sustentabilidade”.

“Uma perda de 40% na faturação significa estarmos no limiar de perder ou ganhar dinheiro com a atividade. Há muitas explorações em grandes dificuldades para manter a sua capacidade de continuar a produzir”, explicou Manuel Silva, presidente da Horpozim, à agência Lusa.

O também empresário deu o exemplo da sua própria exploração, que em janeiro deste ano registou uma quebra de 54% na faturação, em comparação com o mesmo período de 2020.

“Dou emprego a 14 pessoas, e para poder pagar os salários referentes a janeiro tive de fazer um grande esforço. Não sei se no final deste mês vou ter dinheiro para pagar os encargos”, disse Manuel Silva.

O presidente da Horpozim lembra que grande parte dos produtos hortícolas consumidos na região Norte, como alfaces, tomates, cenouras ou cebolas, saem das explorações do concelho, mas com as contingências da pandemia de covid-19 a procura “caiu abruptamente”.

“Estamos a falar de produtos perecíveis e muitos deles sazonais e que exigem uma colheita imediata. Com o fecho das cantinas escolares, restaurantes, hotéis, centros comerciais e muitos mercados e feiras, não conseguimos escoar a produção, nem sequer para exportação”, referiu o dirigente.

Manuel Silva referiu que muitas das explorações da região são “minifúndios de caráter familiar”, que não se enquadram nos moldes das linhas de apoio lançadas pelo governo para a economia, mas que representam “a sobrevivência de muitas famílias”.

“Não queremos um tratamento diferenciado, mas sim que nos deem a possibilidade de nos candidatarmos. Os programas de apoio tinham de ser mais abrangentes para enquadrar o CAE da nossa atividade de produção agrícola”, alertou Manuel Silva.

O responsável da associação diz que muitos produtores “estão descapitalizados e sem capacidade de investimento”, falando “em preocupação e desmotivação” para continuarem numa atividade “essencial para o país”.

“É um problema empresarial, mas que pode em muito breve passar a problema social”, concluiu Manuel Silva.

A Horpozim tem atualmente 800 associados, mas são mais de 2.000 as empresas que têm atividade direta e indiretamente ligada à horticultura no concelho da Póvoa de Varzim, representando mais de 10 mil pessoas.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.430.693 mortos no mundo, resultantes de mais de 109,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 15.754 pessoas dos 792.829 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comente este artigo
Anterior Gestão ativa favorece floresta mais segura
Próximo Equipa da Universidade de Coimbra integra grupo europeu para estudar os fatores de stress em abelhas melíferas

Artigos relacionados

Últimas

Furacão “Lorenzo” provocou prejuízos de 330 milhões de euros

“No total, o furacão ‘Lorenzo’ provocou um prejuízo cujo valor se aproxima dos 330 milhões de euros em várias ilhas dos Açores, […]

Sugeridas

Olival moderno contribui para a estabilidade do emprego no Alentejo e no País

O setor do olival moderno no Alentejo não recorreu, até ao momento, à dispensa de trabalhadores ou ao sistema de layoff criado pelo Governo para […]

Últimas

“É agora mais difícil aos produtores entrarem numa OP”

José Oliveira, CACIAL
A CACIAL perdeu a condição de Organização de Produtores que sustentou durante muitos anos. O Facto ficou a dever-se ao aumento do seu volume de negócio de 2017 para 2018, […]