Cortiça lidera produção silvícola nacional em 2018 – INE

Cortiça lidera produção silvícola nacional em 2018 – INE

 

A cortiça foi em 2018 o produto mais relevante (38,2%) da produção silvícola nacional, posição que tinha perdido a partir de 2004, para a madeira para triturar, revelam, estatística do Instituto Nacional de Estatística (INE), hoje divulgadas.

O INE, na publicação disponível na sua página de internet, salienta as alterações que a estrutura da produção silvícola nacional tem registado ao longo dos últimos anos, uma vez que a madeira para triturar chegou a representar 42,5% da produção no período 2010-2014.

As estatísticas revelam que o Valor Acrescentado Bruto (VAB) da silvicultura diminuiu 2,1% em volume e aumentou 5,3% em valor em 2018, quando se registou um aumento do consumo intermédio (CI), em volume e valor (10,1% e 15,7%, respetivamente).

O INE diz que nesse ano observou um aumento nominal da produção da silvicultura (8,3%), para o qual contribuíram, sobretudo, a cortiça (+25,1%) e os serviços silvícolas (+21,7%), que mais do que compensaram o decréscimo de 3,1% da produção de madeira, após a elevada oferta verificada no ano anterior, na sequência dos grandes incêndios florestais (de junho e outubro de 2017).

“O acentuado aumento do CI foi determinado fundamentalmente pela componente relativa a serviços silvícolas (nomeadamente operações de limpeza e desbaste de floresta, recolha de sobrantes e construção de caminhos corta-fogos)”, explica o INE.

A produção de cortiça tem registado aumentos nominais sucessivos desde 2013, e em 2018 registou um aumento de 25,1% face ao ano anterior, para o que contribuiu um aumento de 6% do volume e de 18% do preço.

Segundo o INE, o preço tem apresentado uma tendência crescente desde 2013, relacionada com a comercialização de cortiça de qualidade superior necessária ao fabrico de rolhas adequadas à conservação do vinho de qualidade, quer para o mercado nacional, quer para exportação.

Em termos de balança comercial, o saldo de produtos à base de cortiça é positivo e 2018 registou o valor mais elevado, estando incluídos nestes produtos rolhas, materiais para construção civil, decoração ou isolamento.

O rendimento empresarial líquido1 (REL) da silvicultura e exploração florestal aumentou 6% em 2018, situação que não se verificava desde 2015, para o qual contribuiu principalmente a variação nominal positiva do VAB da silvicultura e exploração florestal (mais 5,3%).

VP // VC

Continue a ler este artigo na Visão.

Comente este artigo
Anterior Concurso Nacional de Azeites de Portugal (CNAP) 2020
Próximo Aveleiras em sebe nos campos da Agroglobal 2021

Artigos relacionados

Últimas

MechSmart Forages promove Dia de Campo

O projeto MechSmart Forages, que venceu o prémio ‘I&D que marca’ no âmbito dos Prémios Vida Rural 2019, organiza nos dias 14 e 15 de maio um seminário e um dia de campo, […]

Últimas

Startups: A nova fonte de inovação para o sector agrícola – Cristina Mota Capitão

O sector agrícola enfrenta diversos desafios que têm implicações à escala global, como sejam a escassez de água e outros recursos, […]

Nacional

Portugal integra parceria para a Inovação e Investigação no Mediterrâneo

A Comissão Europeia apresentou esta semana uma proposta para a criação de uma parceria para a Investigação e Inovação na região do Mediterrâneo – a iniciativa PRIMA. […]