Corte para Portugal na Política de Coesão chega aos 1,6 mil milhões em 2021-2027

Corte para Portugal na Política de Coesão chega aos 1,6 mil milhões em 2021-2027

Portugal vai receber menos 1,6 mil milhões de euros de fundos da Política de Coesão no período 2021-2027, face ao atual e a preços de 2018, segundo um relatório publicado esta quinta-feira pelo Tribunal de Contas Europeu (TCE).

Num relatório de exame rápido, Portugal tem um rendimento nacional bruto inferior a 82% da média da União Europeia (UE) – a par de outros 11 Estados-membros, grupo que viu o coeficiente aplicável ser reduzido dos atuais 3,15% para 2,8%, o que implica um corte de cerca de 7% nos fundos da Política de Coesão no próximo quadro financeiro plurianual (QFP).

Dos 27 Estados-membros (o Reino Unido já não é considerado), sete veem subir as dotações face ao QFP vigente, outros seis mantêm o mesmo nível e os restantes sofrerão cortes orçamentais.

No total, a dotação para Portugal no próximo orçamento plurianual é de 23,8 mil milhões de euros, sendo a maior fatia (11,5 mil ME) proveniente do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), que visa reforçar a coesão económica e social na UE.

No Fundo Social Europeu Mais (FSE+) está prevista uma verba de 7,57 mil milhões de euros, que se destinam a criar oportunidades de formação e emprego e melhorar a situação das pessoas em risco de pobreza.

O Fundo de Coesão prevê, para Portugal, uma dotação de 4,4 mil milhões, destinada a reduzir as disparidades económicas e sociais através do financiamento de investimentos nos Estados-membros em que o rendimento nacional bruto ‘per capita’ é inferior a 90% da média da UE.

A Comissão Europeia propôs que, no próximo período de programação de 2021-2027, a UE dedicasse 373 mil milhões de euros à Política de Coesão, concebida para reduzir a distância entre regiões ricas e pobres na UE. O financiamento desta política é canalizado através de três fundos: FEDER, com um total de 216 mil milhões de euros, o FSE+ (100 mil ME) e o Fundo de Coesão (46,6 mil ME).

O TCE esclarece que os exames rápidos de casos não recorrem a novos trabalhos de auditoria nem formulam novas constatações e recomendações de auditoria, limitando-se a apresentar factos sobre temas específicos.

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Auchan lança em Portugal serviço de vegetais «km zero»
Próximo Bio-Região de Idanha vai mostrar estratégia pioneira na Feira AGRO

Artigos relacionados

Eventos

Estacaria em Castanheiros – 2 de dezembro – Marvão

O 1° Dia Aberto de Estacaria, organizado pela Plantalegre – Castanheiros Híbridos, vai realizar-se no dia 2 de dezembro de 2019 pelas 09:00h na Vila de Marvão. […]

Últimas

FAO estima que 17 milhões precisem de ajuda alimentar de emergência na África Ocidental

“Desde abril, mais de 11 milhões de pessoas precisam de ajuda alimentar na África Ocidental, principalmente devido a conflitos, mas o seu número poderá […]

Nacional

Governo prepara medidas para minimizar impacto da pandemia no sistema de combate a incêndios

A Secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, afirmou que estão a ser desenvolvidos todos os esforços para minimizar o impacto […]