Continente investe em trigo do Alentejo para fabrico de pão

Continente investe em trigo do Alentejo para fabrico de pão

Há milhares de anos que o pão faz parte do regime alimentar das diversas civilizações que foram percorrendo a História da Humanidade. Feito inicialmente de uma forma simples e primitiva, foi ganhando requinte na sua confeção e, atualmente, é possível encontrar inúmeras variedades deste alimento, feitas com os mais diversos ingredientes, que se ajustam aos mais distintos paladares.

O setor dos cereais é de vital importância para Portugal e, por isso, o Continente tem investido na aquisição de cereais do Alentejo para produção de pão nas suas lojas.

O Continente apoia a produção nacional de trigo do Alentejo

Confecionado, atualmente, com os mais diversos ingredientes que dão origem a muitas e deliciosas variedades, o pão agrada a miúdos e graúdos e é um alimento prático para consumir a qualquer altura do dia.

O Continente continua a apostar na produção nacional e, por isso, adquiriu mais de 4 mil toneladas de cereais do Alentejo para o ano de 2020, entre trigo e triticale, para produção de pão nas lojas Continente de todo o país. Este fornecimento corresponde a 80% do total dos cereais comercializados com a marca “Cereais do Alentejo”.

A qualidade do trigo do Alentejo no produto final

Da parceria entre o Continente e a ANPOC – Associação Nacional dos Produtores de Oleaginosas e Cereais resulta também o melhoramento das variedades de trigo, que permitem obter um pão de elevado valor proteico, indispensável a uma alimentação saudável e equilibrada.

A investigação e a inovação, a cargo dos investigadores do Campus Experimental de Elvas do INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária tem sido um outro pilar importante nesta parceria que reúne o conhecimento, a produção e a distribuição.

Este é um projeto que investe na diferenciação dos produtos nacionais, na valorização da qualidade e na promoção dos sistemas agrícolas mediterrânicos que são o caminho que maior garantia nos dá para enfrentarmos os desafios que Portugal tem pela frente. Desta forma, o Continente visa promover a sustentabilidade do setor e o desenvolvimento dos meios rurais, enquanto leva aos consumidores o que de melhor Portugal tem.

As variedades de pão com cereais do Alentejo

Existem inúmeras variedades de pão que se ajustam a diversos paladares e preferências. Os cereais do Alentejo remetem para o tradicional pão alentejano, mas nas lojas Continente são vários os pães confecionados com estes cereais.

O trigo do Alentejo integra inúmeras variedades de pão, desde os mais tradicionais, como as broas de milho e centeio, a regueifa, o pão rústico, o pão da aldeia e o pão d’avó, até pães com carnes, como a bola de carne, o pão com chouriço, o folar de carnes, e a broa de enchidos. Também os pães de cereais, de beterraba, de alfarroba e com menos adição de sal são confecionados com os cereais do Alentejo.

Se o pão faz parte do seu dia-a-dia, privilegie opções com cereais do Alentejo e ajude os produtores de cereais portugueses. O Continente tem como prioridade apoiar a produção nacional, por isso, partilhe este artigo com os seus amigos e familiares para que juntos possamos fazer o melhor por Portugal.

O artigo foi publicado originalmente em Magazine.Continente.

Comente este artigo
Anterior Una corta oferta provoca subidas en porcino de capa blanca
Próximo Castelo Branco: Olivicultores iniciam processo de certificação da Azeitona Galega da Beira Baixa

Artigos relacionados

Comunicados

Pedidos de Qualificação em Portugal vs Bruxelas

Pedidos de Qualificação em Portugal
Ao contrário de muitos países da Europa, Ásia, África e América, onde a Propriedade Intelectual é vista como uma ferramenta indispensável para o desenvolvimento rural, […]

Últimas

A vespa-asiática em Portugal: cronologia de uma invasão

Para comemorar o Dia Mundial da Abelha a 20 de maio, o Centre for Ecology, Evolution and Environmental Changes – ce3c e SPEN – Sociedade […]

Últimas

Terras ao abandono vão pagar IMI mais alto

Os proprietários de terras que as deixarem ao abandono vão passar a pagar mais Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), avança o Correio da Manhã […]