Conservante natural sem toxicidade para vinhos vence distinção Born from Knowledge

Conservante natural sem toxicidade para vinhos vence distinção Born from Knowledge

O ChestWine, desenvolvido por uma equipa de investigadores do Instituto Politécnico de Bragança, é o vencedor da distinção Born from Knowledge (BfK), atribuída pela Agência Nacional de Inovação (ANI), no âmbito do Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola (PEICA). O projeto, que acumulou o BfK com o PEICA na categoria “Produção, Transformação e Comercialização”, utiliza a flor de castanheiro como conservante natural isento de toxicidade para o vinho, criando uma alternativa aos sulfitos adicionados e proporcionando ao consumidor um vinho biodinâmico, diferenciado, seguro e portador de propriedades bioativas. A ANI considerou o ChestWine como o melhor candidato de base científica e tecnológica a concurso, que lhe valeu o troféu “Árvore do Conhecimento” e um prémio monetário de 5 mil euros.

A potencialidade económica deste projeto é grande num país em que o setor vitivinícola é de grande importância tanto pelo valor económico que gera como pela população que ocupa e pelo papel que desempenha quer a nível social como de conservação do meio ambiental. De acordo com o Instituto do Vinho e da Vinha, em 2018/19, foram produzidos cerca de 6,1 milhões de hectolitros de vinho. No primeiro semestre deste ano, Portugal exportou aproximadamente 1,4 milhões de hectolitros, o correspondente a 369 milhões de euros.

A distinção BfK será entregue hoje à tarde, na cerimónia da 6ª edição do PEICA, no âmbito do encontro “Centros de Competência e a Inovação na Agricultura”, que se realiza no Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa. O PEICA é organizado pelo Crédito Agrícola e pela INOVISA, em articulação com a Rede Rural Nacional. Este é o sexto ano consecutivo que o Crédito Agrícola apoia os empreendedores e os seus projetos inovadores, numa iniciativa que pretende contribuir para a modernização, a competitividade e o crescimento do sector agrícola em Portugal. Aos vencedores são atribuídos prémios no valor de 25 mil euros (cinco mil cada).

“O setor agroalimentar é, atualmente, um dos mais inovadores no país. As alterações climáticas e a necessidade de criar valor em torno da marca Portugal, como certificadora de produtos de grande qualidade, representam novos desafios para o setor, que tem procurado na inovação tecnológica as respostas de que precisa. O ChestWine reúne todos os critérios de um vencedor BfK: originalidade, resposta a uma necessidade da sociedade e inovação de base científica e tecnológica”, adianta António Bob Santos, administrador da Agência Nacional de Inovação.

Refira-se que o Born from Knowledge é promovido no âmbito do SIAC – Iniciativa de Transferência de Conhecimento, cofinanciada pelo COMPETE 2020, através do Portugal 2020 e do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Comente este artigo
Anterior Boletim meteorológico para a agricultura - setembro 2019
Próximo Água. Bacias do Ave e do Mondego são as que têm mais água

Artigos relacionados

Últimas

Projeto de crowdfunding quer promover agricultura biológica

Carrefour e Danone são apenas algumas das empresas do setor agroalimentar que já se juntaram ao projeto MiiMOSA Transition, […]

Últimas

Pedrógão Grande: Despovoamento e desemprego continuam por resolver na região

[Fonte: O Jornal Económico]

O despovoamento e a falta de investimentos que promovam o emprego destacam-se entre os problemas por resolver em Pedrógão Grande e concelhos vizinhos, […]

Nacional

Água. Bacias do Ave e do Mondego são as que têm mais água

Em novembro, havia dez bacias com valores acima dos 80% do volume total. Todas nas regiões Centro/Norte.

No final de novembro, […]