Conhece o Plano de Acção para Controlo da Doença Hemorrágica Viral do Coelho-bravo?

O Plano de Acção para Controlo da Doença Hemorrágica Viral do Coelho-bravo foi elaborado na sequência do Despacho n.º 4757/2017, de 31 de Maio do ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, na altura Luís Capoulas Santos. Este tem como objectivo de inverter o processo de declínio das populações de coelho-bravo, repondo o equilíbrio ecológico, considerando a importância estratégica desta espécie nos ecossistemas mediterrânicos e no quadro cinegético nacional.

Este plano desenvolve-se em três eixos (programa de investigação, medidas de gestão e vigilância sanitária), com os objectivos particulares seguintes:

  • Conhecer, monitorizar e controlar a mortalidade associada à DHV;
  • Fomentar populações viáveis e auto-sustentáveis de coelho-bravo;
  • Contribuir para o incremento das populações de coelho-bravo através da realização de práticas de gestão adequadas e integradas;
  • Aumentar a consciência social sobre a importância das boas práticas de gestão.

Amostras para análises laboratoriais

Considerando que no âmbito deste plano é necessário dispor de um elevado número de amostras para análises laboratoriais, conta-se, por um lado, com o envolvimento das Organizações do Sector da Caça (OSC), dos caçadores e entidades gestoras das zonas de caça, e, por outro, com o ICNF — Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, no estabelecimento de uma rede de recolha de material biológico e envio para os laboratórios do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV).

Visando esclarecer o procedimento de recolha de cadáveres encontrados no campo (durante todo o ano) e a colheita de material biológico nas zonas de caça a amostrar, estão disponíveis:

Doença Hemorrágica Viral do Coelho-bravo

A Doença Hemorrágica Viral do Coelho-bravo (DHV) é uma doença de origem viral (RHDV), causada por um Lagovirus da família Caliciviridae, altamente contagiosa, normalmente de evolução aguda e de desfecho fatal, que afecta os coelhos domésticos e selvagens.

Segundo um folheto informativo do INIAV, a DHV aguda causa a morte súbita, normalmente acompanhada por sangramento nasal, enquanto a doença de evolução sub-aguda ou crónica se caracteriza por icterícia generalizada e descoloração das orelhas, conjuntiva e mucosas, perda de peso e letargia.

As lesões observadas incluem alterações do fígado e hemorragia generalizada, com presença de sangue na cavidade abdominal.

Nova variante

A nova variante do vírus (RHDV2) foi reportada em França em 2010 e em Portugal em 2012, estendendo-se a quase todo o território Português, causando elevada morbilidade e mortalidade.

O período de incubação pode variar de 1 a 5 dias, afectando animais de todas as faixas etárias.

Espécies susceptíveis

O RHDV2 infeta o coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus), doméstico e selvagem. Foi descrita a infecção de algumas espécies de lebres com RHDV2, nomeadamente a Lebre Europeia, a Lebre Italiana, a Lebre variável e a Lebre do Cabo. Existem, assim, evidências de que este vírus tem a capacidade de infectar novas espécies.

Resistência e disseminação do RHDV2

Acrescenta o folheto do INIAV que o vírus é muito resistente no meio ambiente, particularmente quando protegido por material orgânico. Sobrevive a temperaturas de 50ºC, durante 1 hora, e é estável a pH compreendido entre 4,5 (ácido) e 10 (alcalino). É inactivado com hidróxido de sódio (1% m/v) ou formalina (1-2% v/v).

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) recomenda a formalina (3%) para a desinfecção de peles e alerta para o facto de o vírus poder resistir na carne de coelho refrigerada ou congelada, pelo que o comércio de carne de coelho e seus derivados, constituem riscos de introdução da doença.

Nos cadáveres em decomposição no meio ambiente, o vírus resiste durante meses, constituindo fontes de infecção para animais saudáveis e promovendo a disseminação do vírus.

Os animais doentes e os que recuperam da infecção natural eliminam o vírus na maioria das secreções (urina, fezes e exsudados respiratórios).

Qualquer material inerte contaminado, como alimentos, camas e água, pode também ser fonte de infecção.

Transmissão do vírus

A transmissão do vírus a animais saudáveis pode ocorrer por contacto directo com animais infectados (por via oral, nasal ou conjuntival) ou por contacto com outras fontes de infecção acima descritas.

A transmissão mecânica por moscas e outros insectos, a acção de disseminação por predadores selvagens que podem excretar o vírus nas fezes após a ingestão de coelhos infectados, as actividades humanas que favorecem a contaminação ambiental e dispersão, associados à grande resistência deste vírus, dificultam o controlo desta infecção e explicam a elevada probabilidade de recorrência de surtos.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Anterior Os agricultores, esses jardineiros da paisagem - Manuel Pinheiro
Próximo Se acabaron los plazos y las multas por el mal uso al aplicar purines puede conllevar la retirada del Pago Único de la PAC

Artigos relacionados

Nacional

Alter do Chão promove cimeira internacional inédita sobre Economia do Cavalo

Facebook
Twitter
Google+
Pinterest
WhatsApp


Vai ter lugar na próxima  quarta-feira, 24 de Abril, a partir das 11h, no Castelo de Alter, […]

Últimas

PRECISAMENTE. TERRAPRO volta a organizar ciclo de eventos

A TERRAPRO está a organizar o ciclo de eventos PRECISAMENTE 2019, a decorrer nos dias 12 e 19 de setembro, no Porto Alto e em Beja, […]

Nacional

AlgaEnergy participa na 32.ª Agroexpo

De 29 de Janeiro a 1 de Fevereiro, a AlgaEnergy vai participar na XXXII edição da Agroexpo, […]