Concurso para projeto da Barragem do Pisão “lançado até ao final deste mês”

Concurso para projeto da Barragem do Pisão “lançado até ao final deste mês”

O Concurso para projetos de barragem do Pisão, no Alto Alentejo, deverá ser lançado ainda durante o mês de janeiro, é a convicção do deputado por Portalegre eleito pelo PS, Luís Testa.

O concurso público vai abranger os projetos de engenharia do paredão principal e de um outro que ficará a jusante para efetuar a bombagem para a albufeira, além do estudo de impacte ambiental, segundo Luís Testa.

Depois de prometida e projetada por quatro vezes ao longo de quarenta anos, a Barragem do Pisão será realidade em 2027 e após um investimento estimado de 168 milhões de euros.

O despacho conjunto publicado em Diário da República, identifica a barragem do Pisão como financeiramente viável, com uma Taxa Interna de Rentabilidade (TIR) de 4,9% de 20 anos de operação, um Valor Atualizado Líquido (VAL) para uma taxa de atualização de 4% de 14,7 milhões de euros e um tempo de amortização do investimento para uma taxa de atualização de 4% de 22 anos”

Segundo o governo a construção da Barragem do Pisão trará retorno não só ao nível agrícola e de consumo, mas sobretudo através da produção elétrica, prevendo que, num prazo de 8 anos, a barragem já possa estar a encher.

O próprio Ministro do Ambiente considera que a zona é muito sensível do ponto de vista ambiental e que há ainda muito trabalho a desenvolver neste campo, além dos trabalhos prévios de realojamento das populações que ficarão afetadas pela albufeira.

Aos trabalhos de construção da barragem – orçados em cerca 168 milhões de euros, um valor ainda com necessidade de financiamento – acrescem um outro investimento de cerca de 50 milhões de euros para desenvolver o regadio numa área de 10 a 12 mil hectares, de acordo com o ex-ministro da Agricultura, Capoulas Santos.

Quando terminada e cheia, a Barragem do Pisão, terá um espelho de água de sete quilómetros quadros formado por 114 milhões de metros cúbicos; terá ainda a capacidade de produzir energia suficiente para abastecer 75% da população do distrito de Portalegre e abastecer, anualmente, cerca de 3,3 milhões de metros cúbicos, estando, como já referido, projetada uma área de rega de 12 mil hectares para a agricultura com 67 mil metros cúbicos de água anuais.

A energia elétrica produzida através da central solar fotovoltaica a instalar numa área de 2km2 produzirá 275 GWh/ano e que deverão promover uma receita de 25,2 milhões de euros anuais.

A estes proveitos, juntar-se-ão os conseguidos através do aproveitamento turístico.

O artigo foi publicado originalmente em Tribuna Alentejo .

Comente este artigo
Anterior Mais cinco empresas nacionais passam a exportar Carne de Suíno para a China
Próximo Amorim aposta na sustentabilidade e inovação e lança “bases para mais 150 anos”

Artigos relacionados

Nacional

Água consumida no combate aos incêndios não será cobrada pelos municípios


Os municípios de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera decidiram não cobrar aos seus munícipes a água da rede pública utilizada no combate ao fogo que atingiu aqueles concelhos no dia 17 de junho.“Vamos fazer uma média dos consumos dos primeiros cinco meses do ano e o valor que estiver a mais no mês de junho será […]

Últimas

OCDE publica documento sobre Inovação, produtividade e sustentabilidade no setor alimentar e na agricultura

[Fonte: Rede Rural Nacional] A OCDE publicou um documento sobre a inovação, produtividades e sustentabilidade no setor alimentar e na agricultura.  […]

Nacional

Opinião: PDM e segurança

 

Rui Curado da Silva

 
O PDM também serve para preparar o território para as potenciais catástrofes naturais: cheias, […]