Conclusões – 9º Colóquio Nacional do Milho 2018

Conclusões – 9º Colóquio Nacional do Milho 2018

O 9º Colóquio Nacional do Milho, organizado pela ANPROMIS – Associação Nacional dos Produtores de Milho e Sorgo, a 7 e 8 de Fevereiro, na Póvoa do Varzim, sentou à mesma mesa todos os intervenientes da cadeia de valor – agricultores, indústria, grande distribuição e Governo – para um debate sobre o futuro dos cereais e do leite em Portugal, num evento que reuniu cerca de 450 participantes de todo o país.

De entre os vários temas abordados, destacam-se os seguintes pontos:

1. Os inúmeros aproveitamentos que são dados ao milho, tenha ele como destino a produção de grão ou a silagem, fazem com que esta cultura seja única.
2. Os produtores nacionais de milho grão vivem um dos seus momentos mais difíceis, motivado pela acentuada e continua quebra da cotação deste produto no mercado mundial, de há quatro anos a esta parte.
3. O nosso país possui um grau auto-aprovisionamento de cereais que se encontra entre os mais baixos da União Europeia, apenas ultrapassado por países como Chipre, Malta e a Holanda, o que coloca em causa a nossa soberania alimentar.
4. O milho produzido em Portugal é, reconhecidamente, de muito boa qualidade pelo que urge valorizá-lo junto da indústria nacional.
5. A recente criação, por parte do Governo, do Grupo de Trabalho que vai definir a Estratégia Nacional para a Promoção da Produção de Cereais, constitui para nós produtores de milho grão um sinal de alento que revela a atenção dedicada a esta importante fileira.
6. O sector leiteiro nacional vive uma profunda crise económica pelo que urge aproximar a produção, a indústria e a grande distribuição de modo a valorizar a produção nacional.
7. O organismo interprofissional que existe ao nível do sector leiteiro nacional tem de ser revitalizado em prol da competitividade desta importante fileira.
8. A agricultura de precisão e o investimento em novas tecnologias, constitui uma aposta fundamental à competitividade tanto dos produtores de milho grão, como de milho silagem.
9. A seca extremamente severa que assola o nosso país, sobretudo no Centro e Sul, representa para os produtores nacionais um motivo de enorme preocupação, pois coloca em causa a sobrevivência de um elevado número de explorações agrícolas e agro-pecuárias.
10. A Anpromis, enquanto representante da agricultura de regadio, solicita desde já ao Ministério da Agricultura que defenda de forma decidida o investimento em novas infra-estruturas de retenção de água nas principais regiões agrícolas do país.
11.Numa altura em que a falta de água se agrava a cada dia que passa, importa o Ministério da Agricultura assegurar desde já as condições para o recebimento das Medidas Agro-Ambientais aos agricultores que por motivos da seca, não consigam instalar as suas culturas.
12.O milho, como nenhuma outra cultura em Portugal, mobiliza pessoas e dinamiza iniciativas como foi bem notório durante este colóquio que teve lugar na Póvoa de Varzim.

Comente este artigo
Anterior Hortas da Quinta do Chinco representam novo paradigma social em Castelo Branco
Próximo COOPALIMA organiza VIII Concurso Regional da Raça Frísia do Alto Minho - 17 de Fevereiro 2018 - Ponte de Lima

Artigos relacionados

Notícias mercados

Saldo do comércio externo agroalimentar sobe 4,7% no 1.º trimestre na UE

O saldo do comércio agroalimentar da União Europeia (UE) cresceu 4,7% no primeiro trimestre do ano, para 78,6 mil milhões de euros, face ao período […]

Últimas

Agricultores preocupados com falta de água e seca extrema em Trás-os-Montes – Vídeo

[Fonte: Porto canal]
Os agricultores da região de Trás-os-Montes estão preocupados com a falta de água. Há quatro meses que não chove e muitos terrenos estão completamente secos. […]

Nacional

Cabo Verde pode ser exemplo para países com escassez de água na agricultura

Mais de duas centenas de especialistas em gestão de águas agrícolas estiveram recentemente reunidos em Cabo Verde no âmbito do ‘1º […]