Concentração de Delegações de Agricultores e Dirigentes Agrícolas

Concentração de Delegações de Agricultores e Dirigentes Agrícolas

Lisboa – 8 de Novembro, 2018

Frente à Assembleia da República

(Ponto de Encontro no Largo do Príncipe Real, a seguir ao almoço)

A Agricultura Familiar, os camponeses de todo o mundo, acabam de conseguir um importante passo na luta pela aprovação da Declaração dos Direitos Camponeses e outras pessoas do Mundo Rural. A Comissão dos Direitos Humanos da ONU aprovou por larga maioria o texto a levar à Assembleia Geral da ONU.

Nesta votação também ficou clara a posição dos países da UE (particularmente os que agora têm assento nesta Comissão), que dizem que a PAC é a favor dos agricultores e dos consumidores europeus mas, depois, abstiveram-se ou votaram contra esta Declaração.

Em Portugal, a CNA, com a sua proposta de Estatuto da Agricultura Familiar Portuguesa, aprovada em 2014, deu corpo a esta iniciativa começada pela “Via Campesina Internacional” há 17 anos.

Portugal, enquanto foi membro da CDH da ONU, teve posição favorável à sua aprovação.

Agora é preciso que o Governo seja coerente e que dê passos concretos na implementação das medidas enunciadas no Decreto Lei que consagra o Estatuto da Agricultura Familiar e que os 9 ministérios envolvidos definam as respectivas medidas de valorização da Agricultura Familiar, já no Orçamento do Estado de 2019.

OE2019

É indispensável que também inclua as verbas necessárias ao desenvolvimento do sector agropecuário e florestal, nomeadamente:

  • Dotando o próprio MAFDR de meios humanos e técnicos para o apoio descentralizado aos agricultores;
  • Aumentar a comparticipação nacional do PDR2020 para 20% de modo a potenciar o desenvolvimento da Agricultura Familiar e da Soberania Alimentar;
  • Reforço dos programas públicos de sanidade animal e fitossanidade vegetal.

PAC pós 2020

Vai já longa a discussão sobre o que vai ser a PAC pós 2020. Para a CNA o rumo está traçado há muito, já quase conseguiram a liberalização total dos mercados. Sendo poucos os mecanismos de controlo que ainda restam. É este o caminho que tem sido ruinoso para a agricultura familiar e para o desenvolvimento do País que importa inverter. Para a CNA a PAC tem de apoiar os agricultores familiares, já que são estes que promovem o desenvolvimento rural, são estes que produzem alimentos seguros e de qualidade, são estes que preservam os recursos e a biodiversidade.

Nas questões orçamentais Portugal deve por um lado reclamar uma maior convergência entre os Estados ao nível do 1º Pilar e por outro reverter o corte proposto para a Comissão Europeia para o segundo pilar.

Para além das questões orçamentais, a CNA continua a considerar ser da máxima importância para o desenvolvimento da nossa agricultura e do País a criação ou retoma de mecanismos públicos de intervenção no mercado por parte dos Estados, nomeadamente o sistema de quotas leiteiras. O Governo deve assumir esta questão como prioritária.

Ao nível nacional o Governo deve desde já começar a preparar o futuro e, tal como na discussão a nível da UE, os apoios sejam efectivamente dirigidos, prioritariamente, a sistemas de produção tradicionais e à Agricultura Familiar.

Seguros Agrícolas

Num quadro de crescente e cada vez mais grave instabilidade climática, com situações descontroladas de pragas e doenças, a existência de um sistema de seguros é vital para a manutenção dos sector agro-pecuário e florestal.

O actual sistema comercial, caro e com coberturas desadequadas, com fraca adesão dos agricultores, não responde às necessidades do sector, exige uma profunda tipificação do quadro existente e a criação de um seguro público.

Floresta

Apesar do manancial de legislação existente e dos meios empregues no combate aos fogos, a situação é dramática e sem fim à vista, porque falta o essencial:

  • Preços justos à produção;
  • Realização do Cadastro Florestal;
  • Política de Ordenamento Florestal;
  • Fim à subordinação a interesses sectoriais;

Urge recuperar as áreas ardidas e efectivar os apoios ainda em falta aos lesados dos fogos de 2017 e proporcionar idênticas condições de acesso às vítimas dos fogos da Serra de Monchique.

A difícil situação motivada por uma política de mercados que apenas favorece a grande industria e a grande distribuição agro-alimentar, as gravosas condições climáticas que têm provocado avultados prejuízos e arruinando muitos agricultores, assim como as más perspectivas para sector Agro-Florestal e o Mundo Rural têm-se agravado sem que o Ministério da Agricultura e o Governo definam e apliquem as medidas que se exigem, muitas das quais a CNA e os Agricultores têm proposto e reclamado sem descanso.

Neste contexto, delegações de agricultores e dirigentes da CNA e das Associações Filiadas vão concentrar-se a 8 de Novembro próximo, frente à Assembleia da República, para propor e reclamar medidas, nomeadamente as que carecem ser alocadas no OE2019 e em especial naquilo que toca à Agricultura Familiar, pelo direito a produzir e viver do seu trabalho.

2 de Outubro de 2018

A Direcção da CNA

Comente este artigo
Anterior Seminário Bem-Estar Animal e Produção Pecuária - 22 de outubro - na CAP
Próximo ADPM e APROSERPA promovem sessões de apoio à internacionalização de PME’s

Artigos relacionados

Dossiers

Exportações agroalimentares pesam quase tanto quanto as do calçado e têxtil, diz António Costa

[Fonte: Açoriano Oriental]
O primeiro-ministro disse este domingo, em Dusseldorf, na Alemanha, que as exportações do setor agroalimentar, que estão atualmente em cerca de sete mil milhões de euros, representam quase o volume conjunto do setor do calçado e do têxtil. […]

Nacional

Greve dos motoristas de matérias perigosas: CAP quer que Governo assegure actividade agrícola

[Fonte: Agricultura e Mar]
A CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal apela ao Governo para que “actue de forma determinada” no que à greve dos motoristas de matérias perigosas diz respeito, por forma a “assegurar a normalidade operacional do sector agrícola”. […]

Sugeridas

Los precios de los alimentos, al nivel más alto de los últimos dos años

DATOS DE LA FAO

Los precios internacionales de los alimentos se situaron en enero pasado en su nivel más alto desde febrero de 2015, hace casi dos años. Sin embargo, los mercados globales están bien abastecidos.

EFEAGRO

El índice que mide la evolución de los precios de los alimentos alcanzó los 173,8 puntos. […]