Comunicação e Pessoas – Teresa Dias

Comunicação e Pessoas – Teresa Dias

Tradicionalmente o sector agrícola sempre comunicou pouco e, no que se refere ao consumidor final ainda menos; porém, nos últimos anos, temos vindo assistir a um maior investimento nesta área.

Todavia, as organizações investem cada vez mais na comunicação externa por ser mais visível e por trazer maiores benefícios ao negócio.

Mas será que alocar todo o investimento em comunicação externa é a estratégia mais correta? A resposta é simples: não! A comunicação interna (no seio da organização) é determinante para criarmos uma cultura organizacional forte.

Em primeiro lugar, há que ter sempre em mente que os colaboradores de cada empresa são os principais embaixadores da marca/organização.

Nos dias de hoje, a comunicação interna assume um papel estratégico para a organização e deve ser assumido diretamente pela gestão de topo. A estratégia de comunicação interna de qualquer empresa/organização deve assentar sempre nos seguintes pilares: 1) Partilha de informação, 2) Transparência da mensagem e 3) Envolvimento das pessoas.

Nesse trabalho, o principal objetivo é criar uma cultura de proximidade com as pessoas, contribuindo para fortalecer o espírito de união e de pertença; só assim conseguiremos ter colaboradores motivados, comprometidos, envolvidos e alinhados com os objetivos da empresa/organização.

Na passagem da mensagem, para além dos meios digitais e mobile, deve privilegiar-se o contacto direto com as pessoas. Apesar de muitos mecanismos e canais de comunicação, é a palavra dos líderes e gestores que tem mais peso. É um trabalho no dia-a-dia que conduz a que as equipas trabalhem juntas com um mesmo propósito.

“Passar só a informação” já não chega. A comunicação tem de ser bilateral. É essencial fomentar o diálogo e incentivar os colaboradores a expressarem-se sem receios e, posteriormente, incorporar as sugestões/ideias na melhoria dos processos. A envolvência das pessoas nas diversas áreas de atividade das empresas é quase sempre fundamental para o futuro dos negócios, até porque um dos ativos mais importantes das organizações são os seus colaboradores.

Na AGROMAIS/AGROTEJO temos procurado dinamizar diversas ações que contribuem para a melhoria da comunicação interna. Alguns exemplos:

  • Team building solidário” numa ação reflorestação de áreas devastadas pelos fogos do último Verão, envolvendo os técnicos e os diretores das organizações
  • Envolvimento de todos os colaboradores no projeto “Restolho”, para que todos se envolvam em tarefas de apoio à receção de voluntários, de acompanhamento das colheitas e de organização das entregas aos bancos alimentares
  • Almoço de Natal, em que quase tudo é feito pelos colaboradores, desde a decoração, à animação, organização e preparação da comida
  • Reunião anual com todos os colaboradores para partilhar os resultados e perspetivar os desafios para o ano seguinte.

São exemplos de ações que envolvem e que permitem criar envolvimento e que permitem criar um ambiente mais próximo e descontraído entre todos. Com isto temos conseguido melhorar o ambiente organizacional e a motivação da equipa. Somos hoje mais unidos e mais cúmplices.

Ao longo deste artigo foram repetidas muitas vezes palavras como pessoas e comunicação porque de facto, elas estão ligadas. Para uma boa gestão de pessoas é necessário saber comunicar e esta soft skill é essencial para sermos bons líderes. Cada vez mais vemos que as empresas mais atrativas são aquelas cujo ambiente organizacional é melhor e, dessa forma, conseguem atrair, e reter, mais talento.

Estou certa que ainda temos um longo caminho pela frente e que muitas organizações ainda não valorizam esta área, mas com resiliência ficará evidente o valor criado para as organizações e para o seu negócio.

Uma equipa informada é uma equipa motivada e mais produtiva!

 

Teresa Dias

Departamento de Comunicação da Agromais C.R.L

 

Comente este artigo
Anterior Congresso +AGRO, dias 3 e 4 de outubro
Próximo China anuncia novas tarifas para carne e fruta dos EUA

Artigos relacionados

Opinião

pAc, o “A” é de Agrícola! – Afonso Bulhão Martins e António Quadros e Costa

A Política Agrícola Comum (PAC) foi criada em 1962. Desde aí, esta política sofreu revisões e adaptações mas os seus objectivos nucleares têm-se mantido. Sucintamente, a PAC pretende:

Assegurar uma produção agro-alimentar em quantidade suficiente e de elevada segurança;
Proporcionar preços razoáveis ao consumidor;
Promover a vitalidade das zonas rurais, […]

Opinião

Patentes de Plantas – Luís Caixinhas

INTRODUÇÃO
Apesar de não ser possível patentear em Portugal uma túlipa ou quaisquer outras espécies de planta já existentes na natureza, de acordo com Instituto Nacional da Propriedade Nacional (INPI) e conforme expressamente estabelecido no Código da Propriedade Industrial (CPI), no seu art.º 52.º (“Limitações quanto ao objecto (…) b) Os materiais ou as substâncias já existentes na natureza e as matérias nucleares (…) ” […]

Opinião

A Tecnologia ao serviço da Agricultura – André Rodrigues

Muito se tem ouvido falar em agricultura de precisão, novas técnicas de produção, eficiência dos recursos agrícolas, nomeadamente o uso eficiente da água. Mas será que todos os produtores têm ou podem ter acesso a estas técnicas?
É um facto que cada vez mais nos tempos que correm, […]