Comité científico consultivo da Mercadona apresenta as prioridades na segurança alimentar

Comité científico consultivo da Mercadona apresenta as prioridades na segurança alimentar

O Comité Científico Consultivo da Mercadona existe há 16 anos para garantir a segurança alimentar nos produtos da empresa de supermercados

Seis investigadores de renome no campo da nutrição, biotecnologia, saúde de plantas e animais, microbiologia, toxicologia e cosméticos prestam consultoria externa, científica e independente

No âmbito do modelo de gestão que procura a qualidade total, a Mercadona quer avançar em áreas como redução de plásticos, gestão de resíduos ou produtos saudáveis. Os cosméticos têm também a máxima atenção.

Da vigilância dos produtos cosméticos à escolha de carnes, peixe, frutas e legumes, o Comité Científico Consultivo da Mercadona tem colaborado com todas as seções para garantir a segurança alimentar, a “regra de ouro” que é base na qualidade dos produtos da Mercadona. Composto por seis investigadores de renome no campo da nutrição, biotecnologia, saúde de plantas e animais, microbiologia, toxicologia e cosméticos, este Comité presta consultoria externa, científica e independente há 16 anos.

O Pronto a Comer, uma das mais recentes inovações que a empresa de supermercados trouxe para Portugal, é exemplo do processo onde estes investigadores têm um papel determinante. Num encontro com jornalistas em Madrid, o microbiólogo Andrés Otero explicou que em todos os processos da Mercadona é assegurada a “saúde microbiológica dos produtos”, o que no caso do Pronto a Comer significou a vigilância tanto de produtos como de processos: como se transportam os alimentos, que instalações os vão receber e cozinhar, que práticas devem seguir os trabalhadores na confeção dos produtos. Depois desta análise, foi desenhado um sistema para que cada etapa seja cumprida todos os dias e o modelo esteja preparado para resolver qualquer problema pontual.  O objetivo principal da Mercadona é antecipar problemas. A consultoria externa independente, científica, transparente e reconhecida a nível internacional fornece à empresa um suporte técnico inestimável para garantir a qualidade e a segurança alimentar dos seus produtos. Adicionalmente, o contacto com estes especialistas motiva as equipas a serem proativas nas mudanças e seguir em frente.

A fraude devido a misturas impróprias de componentes é outra das prioridades da investigação destes especialistas, que apostam na análise dos componentes e amostras de um produto de origem vegetal e animal.

O esforço da Mercadona na garantia da segurança alimentar tem crescido. Com a recente aposta em parceiros especialistas em produto, o leque de fornecedores a analisar aumentou consideravelmente. O foco está na rastreabilidade, ou seja, todo o processo desde a origem do produto até chegar à mesa dos Chefes.

Num contexto de consumidores cada vez mais exigentes e de novas tendências nutricionais, os investigadores debatem e orientam a Mercadona sobre temas como os superalimentos. Por outro lado, a segurança alimentar e a qualidade dos produtos também passam pela etiquetagem: o Comité Científico Consultivo tem colaborado com o Departamento de Prescrição da Mercadona para garantir que o Chefe acede a informação clara e visível. 

Na área de cosméticos, onde os especialistas incluem champôs e gel de banho, a toxicóloga María Pilar Vinardell destaca a aposta da Mercadona na formação dos colaboradores desta seção e “na redução de microplásticos e a eliminação de parabenos na formulação dos seus produtos de perfumaria”.

O Comité Científico Consultivo da Mercadona reúne de seis em seis meses, mantendo encontros frequentes com o departamento de Qualidade da empresa.

Andreu Palou, Andrés Otero, Luis Pla, María Pilar Vinardell, Juan José Badiola, Arturo Anadón y Daniel Ramón

Perfis dos investigadores

Luís Ignacio Plà Carceller (Valência) | Diretor do Departamento de Qualidade

Licenciado em Arquitetura Superior e Urbanismo pela Universidade Politécnica de Valência. Completou a sua formação com vários cursos adicionais em Gestão, Segurança Alimentar e Agroalimentação.

Desde 1999, é Diretor do Departamento de Qualidade, englobando as áreas de Segurança Alimentar e Qualidade de Qualidade de produto. Responsável pelas relações com as Autoridades de Saúde, membro do Comité de Segurança Alimentar da AECOC, do Comité de Segurança Alimentar de ASEDAS, do Comité de Direção da ENAC e Conselheiro na AINIA.

Dr. Juan José Badiola, Presidente, Patologia animal (Zaragoza)

Doutor em Veterinária pela Univeridade Complutense de Madrid, Professor Catedrático de Saúde Animal na Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Saragoça. Entre outras responsabilidades, foi Vice-Presidente do Conselho de Universidades (1996-2000), Membro do Comité Científico de Saúde Animal da Comissão Europeia (1998-2000), Presidente do Conselho Geral de Faculdades de Veterinária da Espanha (2001-2019), Vice-Presidente do Comité Científico da Agência Espanhola de Segurança Alimentar (2003-2010). Atualmente, Presidente da Agência Aragonesa de Segurança Alimentar, Presidente do Comitê Científico do Fórum Inter-Alimentar, Membro do Conselho de Estado, Diretor do Centro de Referência para Encefalopatias Espongiformes Transmissíveis e Doenças Emergentes.

Dr. Daniel Ramón Vidal, Área de Biotecnologia y Assessor Geral. (Valência)

Doutor em Biologia pela Universidade de Valência. Foi professor de pesquisa no CSIC, professor de tecnologia de alimentos na Universidade de Valência e diretor do Instituto de Agroquímica e Tecnologia de Alimentos. É o diretor científico e CEO da empresa de biotecnologia Biópolis. Os seus resultados tecnológicos são protegidos por patentes nacionais e internacionais. Publicou mais de cem artigos em revistas internacionais de prestígio. Obteve o Prémio da Sociedade Espanhola de Microbiologia, o Prémio de Trajetória Científica do Instituto Danone, o Prémio Europeu de Divulgação Científica, o Prémio Nacional de Pesquisa Juan de la Cierva, o Prémio Internacional de Hipócrates e a Medalha da Fundação García.

Dra. Maria Pilar Vinardell Martínez-Hidalgo, Toxicologia / Cosmética (Barcelona)

Doutora em Farmácia pela Universidade de Barcelona. Professora de Fisiologia na Faculdade de Farmácia e Ciências da Alimentação da Universidade de Barcelona. Atualmente, faz parte do Registo de Toxicologistas espanhóis e europeus (Toxicologista Registrada da Eurotox). Participa em órgãos / comités / grupos científicos. É membro do grupo de especialistas da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico em sensibilização dérmica. Ele era membro do Comité Científico de Segurança do Consumidor (SCCS) da Comissão Europeia. Em relação aos métodos alternativos à experimentação animal no ensino, é a representante em Espanha do EURCA (European Research Centre for Education).

Dr. Arturo Anadón Navarro, Toxicología / Agentes químicos (Madrid)

Doutor em Medicina Veterinária pela Universidade Complutense de Madrid e Diplomado pelo European College of Veterinary Pharmacology and Toxicology. Professor de Legislação em Toxicologia e Saúde da Universidade Complutense de Madrid. Especialista em Segurança Alimentar pela Organização Mundial da Saúde e pela Agência Europeia de Segurança Alimentar, Especialista da Agência Internacional de Energia Atómica, Académico de Número e Vice-Presidente da Royal Academy of Veterinary Sciences. Membro do comité conjunto de aditivos da FAO / OMS. Membro do comité espanhol de toxicologia.

Dr. Andrés Otero Carballeira, Microbiologia (León)

Doutor em Medicina Veterinária e professor do Departamento de Higiene e Tecnologia de Alimentos da Universidade de León, onde leciona Bromatologia e Microbiologia, Segurança Alimentar e Padronização. Investigador em Microbiologia Sanitária de Alimentos. Membro do Comité Científico da Agência Espanhola de Segurança e Nutrição Alimentar e de várias Associações Científicas Internacionais.

Dr. Andreu Francisco Javier Palou Oliver, Nutrição (Maiorca)

Doutor em Bioquímica e Professor de Bioquímica e Biologia Molecular na Universidade das Ilhas Baleares. Diretor do Laboratório de Biologia Molecular, Nutrição e Biotecnologia (LBNB) da UIB. Membro do Conselho de Administração da CIBEROBN (2010). Membro do comité científico / consultivo de instituições e empresas públicas e privadas, na área de alimentos, nacionais e internacionais. Vice-presidente do Painel Científico de Nutrição da EFSA (Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos) (2003-9) e do SCF da CE (precursor da EFSA (1997-2003). Foi o primeiro presidente do comité científico da AESAN.

Comente este artigo
Anterior Parlamento Europeu e países acordam Orçamento da UE para 2020 que dá prioridade ao clima
Próximo Tetra Pak torna-se pioneira na utilização de polímeros de origem vegetal certificados

Artigos relacionados

Últimas

Vespa das galhas. Primavera é ideal para largadas de parasitoides

[Fonte: Voz do Campo]

De acordo com a Circular n.º 3/2019 da Estação de Avisos de Entre Douro e Minho está […]

Últimas

​Incêndio na Grande Canária obriga à retirada de nove mil pessoas

[Fonte: Rádio Renascença]

O incêndio na ilha espanhola de Grande Canária já obrigou à retirada de nove mil pessoas e afetou mais de seis mil hectares, […]

Comunicados

UTPs Directive: EU institutions reached an agreement to protect actors of the food supply chain

[Fonte: Farm Europe]
Press release 
Brussels, December 19th
At the end of a sixth and final trilogue procedure, […]