Comissão Vitivinícola dos Açores passa a 'verificar' genuinidade dos vinhos não certificados

Comissão Vitivinícola dos Açores passa a 'verificar' genuinidade dos vinhos não certificados

A Comissão Vitivinícola Regional dos Açores (CVR) vai passar a emitir pareceres técnicos para o Governo sobre o controlo da genuinidade e qualidade dos vinhos não certificados produzidos e/ou engarrafados na região.

A direção regional do Desenvolvimento Rural e a CVR dos Açores assinaram um protocolo, a que a agência Lusa teve acesso, que visa “estabelecer mecanismos de cooperação entre estas duas entidades no sentido de assegurar que seja devidamente controlada a genuinidade e a qualidade dos vinhos não certificados e a defesa interna e externa dos mesmos”.

Cabe à CVR dos Açores controlar a produção, o comércio e de certificação de vinhos com a Denominação de Origem ou Indicação Geográfica no arquipélago.

A região possui 37 vinhos certificados, 14 produtores, três castas nobres e três regiões demarcadas: Biscoitos, na ilha Terceira, Graciosa e Pico.

O protocolo estabelece que a CVR Açores passa a emitir parecer técnico sobre a rotulagem dos vinhos e produtos vitivinícolas produzidos e/ou engarrafados nos Açores “previamente à sua aprovação e posterior utilização no mercado”.

Aquela entidade fica ainda dotada da capacidade de emitir parecer sobre a “verificação do cumprimento das condições necessárias para a utilização de quaisquer rótulos que contenham menções ou imagens alusivas” à região, bem como de verificar o “cumprimento dos requisitos necessários à classificação das parcelas de vinha propostas pelos viticultores como aptas à produção dos produtos vitivinícolas”.

O secretário regional da Agricultura e Florestas, na assinatura do protocolo, na quarta-feira, na ilha do Pico, referiu que “um dos objetivos centrais (do Governo Regional) será a salvaguarda da genuinidade e autenticidade dos vinhos dos Açores”.

Para João Ponte, citado pelo gabinete de imprensa do Governo Regional, o protocolo, assinado no Laboratório Regional de Enologia, constitui “mais um contributo do executivo com vista à defesa da autenticidade dos vinhos açorianos, através do reforço do controlo que será feito pela CVR Açores à rotulagem dos vinhos não certificados produzidos ou engarrafados na região”.

O governante reuniu, entretanto, com a direção da Cooperativa Vitivinícola do Pico, tendo referido que outros dos objetivos do executivo açoriano é “atrair para esta ilha mais investidores” para a transformação das uvas, dado o “enorme potencial que existe neste momento em termos de produção de vinho, que ultrapassará nos próximos anos a capacidade de transformação instalada”.

Desde 2014, já foram aprovados projetos no âmbito do Regime de Apoio à Reestruturação e Reconversão da Vinha (VITIS) no valor de 21 milhões de euros, que permitiram reconverter e preservar cerca de 800 hectares de vinha nos Açores, segundo o executivo açoriano.

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Apuesta por internacionalizar la propuesta de que la PAC no debe pagar los platos rotos del Brexit
Próximo “Alterações Climáticas e os Oceanos do Futuro”

Artigos relacionados

Nacional

Portugal Fresh organiza Missão Empresarial à Índia

Sendo considerado pela maioria dos empresários do setor Hortofruticola um mercado estratégico importante a Portugal Fresh organiza agora uma Missão Empresarial, […]

Internacional

España pedirá una ampliación del período de solicitud de las ayudas PAC


España tiene intención de pedir a la Comisión Europea una ampliación del plazo de solicitud de las ayudas directas de la PAC debido a la crisis del coronavirus, […]

Blogs

Vacina para o coronavírus (bovino!)

Esta foto é de uma vacina que usamos, sob orientação veterinária, para prevenir diarreias de vitelos provocadas por E.coli, rotavírus e coronavírus. […]