Comissário europeu assume que UE falhou na ajuda ao combate aos incêndios em Portugal

Comissário europeu assume que UE falhou na ajuda ao combate aos incêndios em Portugal

O comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Chrystos Stylianides, pediu desculpa aos portugueses pelo falhanço da ajuda europeia no combate aos incêndios de 2017.

Durante os incêndios de 2017, Portugal pediu ajuda europeia, mas o primeiro avião só chegou 4 dias depois. Dois anos depois dos trágicos incêndios, nos quais morreram mais de 100 pessoas, está por fim operacional o novo sistema de ajuda do Mecanismo Europeu de Portecção Civil, o RescEU. Os meios aéreos estão a ser apresentados esta semana em Madrid.

O comissário cipriota confessou, num encontro informal com os jornalistas, que o facto de não ter conseguido dar uma resposta a Portugal no combate aos incêndios de 2017 foi a situação mais dolorosa da sua vida.

No âmbito do RescEU, será criada uma nova reserva de capacidades a nível europeu, incluindo aviões de combate florestal, bombas de água especiais, centros de busca e salvamento urbanos e hospitais de campanha e equipas médicas de emergência.

Johannes Luchner, diretor da agência europeia de Proteção Civil e de Operações de Ajuda Humanitária (ECHO), admitiu que não espera que, nesta fase, Portugal contribua para a missão, que conta já com 13 meios aéreos: sete aviões e seis helicópteros da Croacia, Fraça, Espanha, Italia e Suécia.

“Na atual situação não há qualquer expectativa que Portugal ponha dois [helicópteros] Kamov no sistema e ceda dois terços da sua frota. O que Portugal ou outro qualquer país membro esteja disposto a contribuir, é inteiramente com o estado-membro”, clarifica Johannes Luchner.

De acordo com o diretor da ECHO, a “principal preocupação não é a resposta”, mas sim a prevenção. “É saber o tipo de madeira que temos em Portugal. É o cadastro da floresta. É se as pessoas tomam conta destas florestas”.

“Economicamente, a prevenção é a melhor coisa que se pode fazer”. Johannes Luchner exploca que se houver um investimento de um euro em prevenção, poupam-se entre três e onze euros em combate, dependendo do desastre natural.

Até agora, estavam a ser gastos 136 milhões de euros dos contribuintes europeus neste sistema. O orçamento que a Comissão propôs até 2027 é de 1.4 mil milhões de euros, cerca de 200 milhões por ano.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Bluegrowth lança negócio de dessalinização e purificação de água para agricultura
Próximo Projecto Alchemy quer transformar “lixo” da indústria em produtos

Artigos relacionados

Internacional

GMO corn that tolerates temperature drops could help farmers protect crop yields

Around the world, each person eats an average of 70 pounds of the grain each year, with even more grown for animal feed and biofuel. And as the […]

Nacional

PT2020 com 20 mil milhões de euros aprovados até abril

O ministro do Planeamento, Nelson de Souza, anunciou no Parlamento que o programa Portugal 2020 conta com 20 mil milhões de euros de apoio aprovados até […]

Nacional

OysterWorld: produção de ostras em prol do impacto ambiental

A produção sustentável de ostras tem um impacto positivo devido ao seu caráter purificador da água e captador de carbono da atmosfera. […]