Comissário europeu assume que UE falhou na ajuda ao combate aos incêndios em Portugal

Comissário europeu assume que UE falhou na ajuda ao combate aos incêndios em Portugal

O comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Chrystos Stylianides, pediu desculpa aos portugueses pelo falhanço da ajuda europeia no combate aos incêndios de 2017.

Durante os incêndios de 2017, Portugal pediu ajuda europeia, mas o primeiro avião só chegou 4 dias depois. Dois anos depois dos trágicos incêndios, nos quais morreram mais de 100 pessoas, está por fim operacional o novo sistema de ajuda do Mecanismo Europeu de Portecção Civil, o RescEU. Os meios aéreos estão a ser apresentados esta semana em Madrid.

O comissário cipriota confessou, num encontro informal com os jornalistas, que o facto de não ter conseguido dar uma resposta a Portugal no combate aos incêndios de 2017 foi a situação mais dolorosa da sua vida.

No âmbito do RescEU, será criada uma nova reserva de capacidades a nível europeu, incluindo aviões de combate florestal, bombas de água especiais, centros de busca e salvamento urbanos e hospitais de campanha e equipas médicas de emergência.

Johannes Luchner, diretor da agência europeia de Proteção Civil e de Operações de Ajuda Humanitária (ECHO), admitiu que não espera que, nesta fase, Portugal contribua para a missão, que conta já com 13 meios aéreos: sete aviões e seis helicópteros da Croacia, Fraça, Espanha, Italia e Suécia.

“Na atual situação não há qualquer expectativa que Portugal ponha dois [helicópteros] Kamov no sistema e ceda dois terços da sua frota. O que Portugal ou outro qualquer país membro esteja disposto a contribuir, é inteiramente com o estado-membro”, clarifica Johannes Luchner.

De acordo com o diretor da ECHO, a “principal preocupação não é a resposta”, mas sim a prevenção. “É saber o tipo de madeira que temos em Portugal. É o cadastro da floresta. É se as pessoas tomam conta destas florestas”.

“Economicamente, a prevenção é a melhor coisa que se pode fazer”. Johannes Luchner exploca que se houver um investimento de um euro em prevenção, poupam-se entre três e onze euros em combate, dependendo do desastre natural.

Até agora, estavam a ser gastos 136 milhões de euros dos contribuintes europeus neste sistema. O orçamento que a Comissão propôs até 2027 é de 1.4 mil milhões de euros, cerca de 200 milhões por ano.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Bluegrowth lança negócio de dessalinização e purificação de água para agricultura
Próximo Projecto Alchemy quer transformar “lixo” da indústria em produtos

Artigos relacionados

Eventos

Apoio à internacionalização. Nersant apresenta Ribatejo Business Intelligence – 10 de fevereiro – Santarém

​A Nersant – Associação Empresarial da Região de Santarém realiza, no próximo dia 10 de Fevereiro, na Startup Santarém, uma sessão de apresentação do projecto Ribatejo Business Intelligence, […]

Últimas

A ideia era um projeto de vida para a reforma. O resultado foi um vinho premiado nos melhores concursos internacionais

Do vinho da Madeira, o relato mais comum é que regou a independência dos Estados Unidos, o que já não seria coisa pouca. […]

Sugeridas

Agromais faz 30 anos

Um exemplo na organização da produção agrícola nacional
No âmbito das comemorações dos 30 anos da AGROMAIS, teremos a oportunidade de juntar muitas das personalidades e parceiros que marcaram o crescimento da nossa organização ao longos destas três décadas. […]