Comissão dos Vinhos Verdes preocupada com proibição de venda de bebidas alcoólicas

Comissão dos Vinhos Verdes preocupada com proibição de venda de bebidas alcoólicas

O presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV) mostrou-se hoje preocupado com a proibição de venda de bebidas alcoólicas depois das 20:00, defendendo que o vinho faz parte “da dieta normal” das famílias portuguesas.

“Preocupa-nos a proibição da venda de bebidas alcoólicas depois das 20:00. Percebemos o contexto da covid-19, mas é importante perceber que o vinho faz parte de Portugal, daquilo que é a dieta normal das famílias”, salientou.

Em declarações aos jornalistas, à margem da cerimónia de celebração do 112.º aniversário da demarcação da região dos vinhos verdes, no Porto, o presidente da CVRVV, Manuel Pinheiro, afirmou ainda esperar, “logo que a covid-19 abrande, que seja possível regressar ao mercado aberto”.

Apesar de a covid-19 não ter tido efeito nos trabalhos agrícolas, que “continuam normalmente”, Manuel Pinheiro lembrou que a pandemia teve “um efeito enorme nos canais importantes para o vinho”, nomeadamente na restauração, hotelaria e turismo.

“A restauração e a hotelaria são canais para o vinho e importantes canais, e aí reduziu-se a venda de vinhos, em particular a venda de vinhos de maior valor e maior qualidade. Isso afetou-nos imenso, portanto, naturalmente que agora não queremos que volte a haver um novo confinamento. Apelamos para que haja um comportamento responsável para que a economia possa recuperar”, referiu.

Em declarações à Lusa, o secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, que também esteve presente na cerimónia, lembrou que, apesar da covid-19, os números dos consumos de vinho em Portugal durante os meses de confinamento “foram bons”, e disse esperar que “paulatinamente” pudessem voltar a contribuir para o aumento das vendas do setor.

As novas medidas da situação de contingência em Portugal, decretam a proibição a partir das 20:00 da venda de bebidas alcoólicas em estabelecimentos de comércio a retalho, incluindo supermercados e hipermercados.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 946.727 mortos e mais de 30,2 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.888 pessoas dos 66.396 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Comente este artigo
Anterior Projetos que alargam competências da Proteção Civil no resgate animal baixam à comissão
Próximo Live-stream: 30 anos CEACV - Agricultores: guardiões do ambiente

Artigos relacionados

Últimas

Montalegre apoia comercialização da batata de semente do concelho

A Câmara Municipal de Montalegre, presidida por Orlando Alves, está a apoiar a comercialização da batata de semente do concelho. Ainda este mês, […]

Últimas

Entrevista sobre agricultura ecológica e industria de fertilizantes

[Fonte: AEFA]
Santiago Sáez Cara es el responsable del departamento técnico-desarrollo de la firma Plymag, S.L. y Ana Feliu Sendra lo es de la coordinación del departamento de marketing y desarrollo. […]

Sugeridas

O Clima em 2100.

Há uma questão central para a agricultura e para alimentação: como será o clima no futuro?
Pedro Matos Soares, Doutorado em Física das Nuvens e investigador do Instituto D. […]