Com estes eco-cidadãos Guimarães já atingiu mais do que o título de Capital Verde Europeia

Com estes eco-cidadãos Guimarães já atingiu mais do que o título de Capital Verde Europeia

Ao fim da tarde desta quarta-feira, 18 de abril, no Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor, dezenas de pessoas reuniram-se para uma Conferência Informal sob o mote “Guimarães 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. O evento teve como orador principal o Professor Mohan Munasinghe, Presidente do Comité Externo de Aconselhamento da candidatura a Capital Verde Europeia 2020, e contou com a presença do Presidente da Câmara de Guimarães, Domingos Bragança, e do Reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro.

A conferência iniciou-se com um conjunto de reflexões e desejos em torno do futuro de Guimarães enquanto concelho ambiental, económico e socialmente sustentável. De entre os treze participantes convidados, destacou-se o contributo de quatro jovens estudantes –  Inês Sampaio, Francisco Nunes, Sofia Antunes e José Pedro – por serem o futuro de Guimarães e pela forma como deixaram clara a sua forte consciência no domínio ecológico, deixando sugestões e augurando grandes realizações na caminhada rumo à sustentabilidade.

Mohan Munasinghe abriu a sua comunicação dizendo que “com estes eco-cidadãos, Guimarães já atingiu mais do que o título de Capital Verde Europeia”, dando relevo à qualidade das intervenções dos treze vimaranenses convidados para fazerem uso da palavra. O renomado especialista na área do crescimento sustentável, que presidiu o Comité Externo de Aconselhamento, explicou qual a chave do sucesso para que o mundo se torne um mundo mais sustentável ao nível dos recursos naturais e, simultaneamente, cresça do ponto de vista económico. Munasinghe insistiu numa ideia que tem vindo a ser disseminada junto da comunidade vimaranense: a de que a “subida da montanha” se faz através dos pequenos passos de cada um de nós, até que se alcance o seu topo. Para o Professor Munasinghe, o desenvolvimento sustentável opera em 3 eixos nucleares que são o Ambiente, a Economia e o Social. Ainda segundo Munasinghe, o motor desta mudança deverá residir não nos líderes mundiais de topo, mas nos líderes de médio plano, como são os presidentes de câmara e dirigentes das instituições da sociedade civil, pois são eles que desencadeiam os movimentos locais que concorrem para o global.

No final da preleção de Mohan Munasinghe, interveio Rui Vieira de Castro, Reitor da Universidade do Minho, que começou por dizer que a ideia de um título como a Capital Verde Europeia é potencialmente poderosa, mas pode ser também potencialmente perigosa. Poderosa porque imprime mudanças no comportamento político que conduz a práticas que caminham no sentido de um mundo mais sustentável. Perigosa porque pode ser entendida apenas na perspetiva da obtenção de um novo galardão ou marca. A esse propósito, Rui Vieira de Castro criticou as manchetes que alguma comunicação social propalou, como “Guimarães fora da corrida”. “O que se está a fazer em Guimarães está claramente além desta perspetiva redutora. Guimarães construiu um desafio, traduzido num programa e em materializações”, fez questão de sublinhar. Rui Vieira de Castro terminou a sua intervenção dirigindo-se a Domingos Bragança, Presidente da Câmara: “Guimarães pode contar com a Universidade, pois este caminho e o conhecimento em torno dele é de grande relevância para nós”.

A encerrar a sessão, Domingos Bragança cumprimentou todos os presentes e agradeceu todo o trabalho realizado até à data, insistindo que “tão ou mais importante que o título de Capital Verde Europeia é o caminho. Um caminho não só de inteligência, mas de emoção e afetos”. O Presidente da Câmara recuperou uma ideia forte da apresentação de Mohan Munasinghe, reforçando a importância do empenho de todos os Vimaranenses na mudança que se pretende operar, afirmando que “é preciso que a sociedade vimaranense compreenda que a mudança acontece do local para o global”. Esta noção de comprometimento ficou reforçada quando Domingos Bragança referiu: “a equipa para mim é a equipa de todos os Vimaranenses”. Uma das dimensões à qual o Presidente da Câmara tem vindo a dar importância, a dimensão do conhecimento, foi novamente levantada. “Dar valor ao conhecimento, mas numa perspetiva de partilha, para que todos se imbuam do espírito da eco-cidadania”. A dimensão do conhecimento reafirma a importância da envolvência da Universidade e dos Centros de Investigação em todo o processo de mudança, mas não apenas: “também as escolas, nos seus diferentes ciclos de ensino, e os meios informais de aprendizagem”. Domingos Bragança concluiu a sua intervenção dizendo que “o caminho é uma viagem, longa, sempre com novos desafios e dificuldades que temos de resolver. Por ser um caminho difícil, é motivador. Quero que esta forte consciência ecológica dos Vimaranenses se espalhe por toda a Humanidade, para bem do nosso planeta e do nosso futuro. Se em 2013 a ideia partiu de mim e da minha equipa, hoje ela é de todos nós. E o caminho vai continuar”.
Comente este artigo
Anterior Open Day: Dia Mundial da Propriedade Intelectual - 26 de abril 2018 – Loures
Próximo CAP Agroglobal 2018

Artigos relacionados

Notícias mercados

Short-term outlook: Good production prospects for many agricultural sectors, overall sector should benefit from reopening of foodservice

Many uncertainties remain around the scale of the impact of the coronavirus crisis and the economic recovery. Nonetheless the food […]

Dossiers

2BForest coordena um projeto de apoio a ações de recuperação de áreas de ardidas – Monchique

A 2BForest coordena um projeto de apoio a ações de recuperação de áreas de ardidas através de plantação e gestão de áreas florestais, com espécies […]

Comunicados

AgriEmpreende organiza ciclo de workshops para capacitação de empreendedores

Segunda edição vai ter lugar no Centro de Empresas Inovadoras em Castelo Branco
Vai ter lugar entre os dias 29 de novembro e 20 de dezembro o segundo ciclo de workshops do AgriEmpreende, […]