Coligação ambientalista apresenta queixa em Bruxelas contra o Governo português por “falhar” proteção de aves

As seis maiores organizações não-governamentais de ambiente em Portugal, juntas na Coligação C6, enviaram esta semana à Comissão Europeia uma queixa formal contra o Governo português. No documento, tornado público esta quarta-feira, os ambientalistas responsabilizam os ministros do Ambiente, Matos Fernandes, e da Agricultura, Capoulas Santos, “por não cumprirem a legislação europeia em pelo menos 14 Zonas de Proteção Especial para as Aves (ZPE) no Alentejo, permitindo a degradação do habitat agrícola da Rede Natura 2000 e colocando em risco espécies ameaçadas”.

Em causa está o crescimento exponencial de áreas de olival intensivo e super-intensivo, de regadio e de estufas em áreas protegidas — designadamente na ZPE de Torre da Bolsa, na ZPE de Campo Maior ou na ZPE da Costa Sudoeste — que têm contribuído para o declínio acentuado de espécies classificadas como prioritárias a nível europeu. Entre estas encontram-se o sisão (cuja população caiu 50% em 10 anos), o francelho ou a abetarda, todas alvo de projetos de conservação financiados por fundos europeus.

Segundo a coligação C6, o Governo não só “não promoveu a correta gestão e conservação das espécies e habitats (para as quais dispunha de financiamento Europeu)”, como, ao invés, acabou por “implementar medidas com fundos europeus que foram prejudicar as espécies e habitats”. Os ambientalistas dizem que o Ministério da Agricultura “investiu apenas 20,8 milhões” do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR2020) em medidas agroambientais específicas para a manutenção dos mosaicos de sequeiro e pastagens, o que “corresponde a 10% das necessidades”. E que, paradoxalmente, “dedicou 368 milhões de euros a novas barragens, regadios e drenagens”, a que juntou mais 280 milhões de euros para 51 mil hectares novos de regadio, em 2019, “sem qualquer Avaliação Ambiental Estratégica”. Já o Ministério do Ambiente é acusado de “fazer vista grossa” à intensificação do uso agrícola dentro e fora das ZPE e de ter elaborado planos de gestão ineficazes para estas ZPE.

“Foram as decisões e omissões dos Ministérios do Ambiente e da Agricultura que deixaram os agricultores da Rede Natura 2000 sem apoios para fazerem uma gestão adequada e sustentável do habitat agrícola, e os empurraram para opções ilegais de intensificação da exploração e alteração drástica da paisagem”, aponta Domingos Leitão. Para o diretor da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e porta-voz da C6, “a única solução, agora, é suspender todos os novos regadios no Alentejo e repor a situação inicial nas ZPE afetadas”.

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior Ambientalistas pedem suspensão de novos regadios no Alentejo para proteger aves
Próximo Brexit. Bruxelas propõe usar fundos para desastres naturais em caso de saída sem acordo

Artigos relacionados

Últimas

Webinar: Ser empreendedor em meio rural – 2 de junho

A TAGUS – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior encontra-se a organizar o webinar “Ser empreendedor em meio rural”, que se realizará no dia 2 de junho de […]

Últimas

Crédito Agrícola disponibiliza nova linha de crédito a agricultores

O Crédito Agrícola vai disponibilizar brevemente a Linha Agronegócios FEI a empresários do sector agrícola, nomeadamente os empresários jovens […]

Últimas

Governo abre mercado da Colômbia para laranjas e prunóideas nacionais

O Governo abriu um novo mercado para os fruticultores nacionais, para o qual podem ser canalizadas as produções de laranjas, […]