Brexit. Bruxelas propõe usar fundos para desastres naturais em caso de saída sem acordo

Brexit. Bruxelas propõe usar fundos para desastres naturais em caso de saída sem acordo

A Comissão Europeia fez esta quarta-feira um “último apelo” aos cidadãos e empresas da UE para se prepararem para a saída do Reino Unido sem acordo a 31 de outubro, propondo usar, nessa situação, fundos destinados a desastres naturais.

Naquela que é a sexta comunicação do executivo comunitário sobre o processo, a Comissão Europeia reitera “o seu apelo a todas as partes interessadas na UE27 para que se preparem para um cenário de saída sem acordo”.

“Atendendo à incerteza persistente no Reino Unido quanto à ratificação do Acordo de Saída – acordado com o Governo britânico em novembro de 2018 – e à situação política geral no país, continua a ser possível um cenário de saída sem acordo em 1 de novembro de 2019, embora tal não seja desejável”, acrescenta a instituição.

Assim, para fazer face a um cenário de ‘no deal’, “a Comissão propõe que o Fundo de Solidariedade da UE e o Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização” – criados, respetivamente, para apoiar situações como inundações ou de trabalhadores que perderam o emprego por mudanças no comércio mundial – “estejam disponíveis para apoiar as empresas, os trabalhadores e os Estados-membros mais afetados por um cenário de saída sem acordo”, explica o executivo comunitário.

A instituição ressalva, porém, que a proposta ainda terá de ser aprovada pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho.

Como podem funcionar estas ajudas?

Numa comunicação anterior sobre o ‘Brexit’, Bruxelas já tinha manifestado a intenção de disponibilizar assistência técnica e financeira aos mais afetados por um cenário de saída sem acordo.

Desta vez, propõe alocar ao processo o Fundo de Solidariedade da UE – criado na sequência das cheias da Europa central no verão de 2002 e entretanto acionado por 80 vezes, em situações de inundações, incêndios florestais, sismos, tempestades e seca, com um montante superior a 5.000 milhões de euros – para dessa forma “cobrir, sob certas condições, os pesados encargos financeiros que um cenário de saída sem acordo pode impor aos Estados-membros”.

Bruxelas sugere também recorrer ao Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização, que “está disponível para apoiar, sob certas condições, os trabalhadores por conta de outrem e os trabalhadores independentes que sejam despedidos em resultado de um cenário de saída sem acordo”.

Entre as ajudas agora previstas, o executivo comunitário precisa que, no setor da agricultura, “será disponibilizado o conjunto dos instrumentos existentes de apoio ao mercado e de ajuda financeira direta aos agricultores para minimizar os efeitos mais gravosos nos mercados agroalimentares”.

Já para “ajudar as empresas que realizam operações comerciais com o Reino Unido a fazerem os preparativos finais”, a Comissão Europeia publica uma “lista de controlo pormenorizada” visando evitar perturbações nas relações comerciais.

O cenário de um ‘Brexit’ desordenado foi o tema central na reunião de ‘rentrée’ do colégio da Comissão Europeia, que decorreu esta quarta-feira, em Bruxelas, com o executivo comunitário a adotar uma sexta comunicação sobre medidas de contingência para essa eventualidade.

Nessa comunicação, o executivo comunitário propõe ainda, “introduzir ajustamentos técnicos específicos”, nomeadamente na área dos transportes e das pescas.

Bruxelas salienta ainda, no documento, “que cabe a todas as partes interessadas prepararem-se para todos os cenários”.

No caso da República Irlanda, a Comissão Europeia reitera que continua “a colaborar” com Dublin para “proteger a integridade do mercado interno e, ao mesmo tempo, evitar uma fronteira física, a fim de identificar tanto medidas de contingência para as consequências imediatas de uma saída sem acordo, como uma solução mais estável para o período subsequente”.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Coligação ambientalista apresenta queixa em Bruxelas contra o Governo português por “falhar” proteção de aves
Próximo Incêndios: Helicóptero acidentado “já foi substituído por outro”

Artigos relacionados

Nacional

Verba garantida para nova barragem em Viseu

Cinco concelhos da região assinaram um protocolo para a criação de uma empresa que permita a construção.
O ministro do Ambiente, […]

Dossiers

US intelligence report predicts greater global role for biotechnology

Biotechnology could potentially account for about 20 percent of the global economy by 2040, with agricultural and manufacturing uses the main drivers and health care applications expanding. […]

Dossiers

Europa planea facilitar la edición genética de cultivos tras la sentencia que los equiparó con los transgénicos

[Fonte: eldiario.es] La Comisión Europea planea crear una legislación específica para facilitar la producción de cultivos editados genéticamente tras la sentencia del Tribunal Europeo de Justicia que obligó en julio de 2018 a aplicarles la misma normativa y restricciones que a los transgénicos. […]