CNA: Atacar Seca já “rotineira” reclama medidas fora da “rotina”…

CNA: Atacar Seca já “rotineira” reclama medidas fora da “rotina”…

[Fonte: CNA – Confederação Nacional da Agricultura]

As condições climatéricas estão a impor a Seca como um contexto dramaticamente já “rotineiro” em que a Agricultura é muito afectada.

Este ano, caso não chova em Abril e Maio, vão ficar comprometidas as Sementeiras de Primavera e Verão e afectadas vão ficar as Culturas Permanentes em Pomares, Vinhas, mesmo Olivais. Entretanto, há regiões e algumas culturas, como o Arroz, em que já é alto o grau de carência hídrica e produtiva.

A Floresta, se sujeita a mais secura, ficará ainda mais propícia aos grandes e violentos Incêndios.

Ou seja, se entretanto não chover, a situação no Mundo Rural vai ficar ainda pior, tanto mais que as reservas de água, a começar pelas águas subterrâneas, ainda não recuperaram da Seca prolongada de 2017/18 e anos anteriores.

Medidas a tomar pelo Governo não devem apenas “repisar” nas respostas já  “rotineiras”.  Devem encarar a Seca no médio e longo prazos.

Tendo em conta as dificuldades acrescidas para os Agricultores que chegam com a Seca, em princípio é bem-vindo tudo o que vier para ajudar. Assim, e de entre outras, pois que o Ministério da Agricultura e o Governo encarem desde já:- a antecipação das Ajudas da PAC – as Linhas de Crédito Bonificado – o apoio directo à Alimentação Animal (comida e água) – o reembolso de parte do custo com a Electricidade “Verde”.

É preciso definir e aplicar Medidas (re)estruturantes e a médio e longo prazos.

Mas, tendo em conta que os períodos prolongados com falta de água da chuva vieram para ficar, é necessário que o(s) Governo(s) defina(m) e aplique(m) medidas de fundo, (re)estruturantes, preventivas, adaptadas a cada região, adaptadas aos modos de produção com especial cuidado pela Agricultura Familiar e pelas Produções Autóctones que são mais resistentes à falta de água.

— Com Apoios técnicos e financeiros, por Bacia Hidrográfica, em especial para o que estiver no domínio hídrico público, para intervenções em Albufeiras, Rios, Ribeiras, Linhas de Água.  Para a recuperação de Açudes, Paredões, Represas, Charcas.

— Com Apoios específicos e acessíveis para construção de (pequenas) Barragens e outros Reservatórios de Água.

– Para assumir institucionalmente que o Regadio Nacional vai para além do Alqueva e redefinir o “Plano Nacional de Regadios”, o que também implica prever dotações em Orçamento do Estado superiores às que vêm sendo consignadas e aplicadas.

– Para salvaguardar a gestão justa, com Espanha, das águas dos Rios internacionais.

– Para dar combate à erosão e à desflorestação de vastas Regiões.

– Para promover a Educação das Jovens Gerações e assegurar mais Informação aos Adultos tendo em vista a formação e a informação – criteriosas – sobre as Alterações Climáticas e os comportamentos mais adequados a adoptar desde já.

Produções (super)intensivas devem ser mais condicionadas.

Por norma, as produções (de plantas e animais) em modo de produção intensivo consomem mais água, de entre outros recursos naturais, e são mais poluentes, e seja a céu aberto, seja em ambientes construídos nas Explorações, como estufas, estábulos, pocilgas, aviários e outros.

E aqui reside um grande problema em consequência das más opções agrícolas :

– Essas Produções intensivas têm tido os maiores estímulos oficiais no quadro geral da PAC- Política Agrícola Comum, e das políticas mais da iniciativa dos sucessivos Governos que têm posto o ênfase na “competitividade” e na “vocação exportadora”.

– Agora, a pretexto das Alterações Climáticas, os mesmos e grandes privilegiados do sistema, vêm reclamar ainda mais ajudas públicas, desta vez, e alegadamente, para controlarem os gastos de água !   Ou seja, primeiro, são oficialmente beneficiados para gastarem muita água e, depois, para deixarem de gastar alguma dessa água…

Agricultura Familiar, Raças e Espécies Autóctones, devem ser mais protegidas e apoiadas.

A Agricultura Familiar, as Produções Autóctones e outras mais tradicionais, é sabido, fazem poupar Água e outros recursos naturais como os Solos.

A Floresta Multifuncional assenta em espécies mais adaptadas à falta de água e, por isso, muito menos exigentes do ponto de vista hídrico.

Assim, uma das primeiras condições para dar combate eficaz às ditas Alterações Climáticas, no âmbito agrícola e florestal, passa pela inversão de prioridades no quadro das políticas agrícolas e de mercados. Com a atribuição de mais e melhores apoios públicos para as Explorações Agrícolas Familiares. Com apoios especiais direccionados à produção e utilização de Sementes e Culturas autóctones e mais tradicionais.  Com mais e melhores apoios para a Floresta Multifuncional.

Com apoios preferenciais também para os Mercados Tradicionais e de Proximidade, para a pequena e média Agro-Indústria, para as organizações dos pequenos e médios Agricultores e Compartes dos Baldios.

Passa, ainda, pelo abandono da “alucinação política” – que pode enriquecer alguns mas que acaba por empobrecer o País – à volta da “competitividade” e da “vocação exportadora” da PAC e de outros acordos ditos “de Livre Comércio” !

A Reforma da PAC em curso deveria ser uma oportunidade para se alterar as tendências e dinâmicas dominantes que nos têm conduzido à preocupante situação que vivemos e que tanto nos ensombra o futuro !

Por tudo isto, a CNA vai continuar atenta e interventiva – Sempre com os Agricultores!

Coimbra, 22 de Março de 2019

A Direcção da CNA

Comente este artigo
Anterior Incêndios florestais: cientistas da FCTUC desenvolvem tecnologia para proteção de pessoas e bens
Próximo Núcleo Regional dos Açores celebra protocolo para criação de Centro Integrado de Ecoterapia

Artigos relacionados

Últimas

Agricultores de Pombal exigem apoios ao Governo para combater prejuízos de javalis

Os agricultores do concelho de Pombal, no distrito de Leiria, exigem ao Governo apoios especiais para fazer face aos prejuízos causados por javalis e outros animais selvagens, […]

Sugeridas

Quo vadis Agricultura? – Francisco Gomes da Silva

“Espartilhar” as competências tradicionais do Ministério da Agricultura entre pelo menos três ministérios é uma ideia estranha, tão estranha que só espero que possa ser genial. […]

Últimas

Atenção: Estamos em período crítico de incêndios. As queimadas estão proibidas

O período crítico de incêndios rurais decorre entre os dias 1 de Julho e 30 de Setembro e encontra-se definido no Artigo.º 2.º – A da Lei 762018, […]