Clima económico recupera, mas confiança dos consumidores mantém queda

Clima económico recupera, mas confiança dos consumidores mantém queda

[Fonte: Jornal de Negócios]

Os empresários parecem estar ligeiramente mais otimistas no arranque deste ano, face aos meses anteriores, enquanto os consumidores continuam a intensificar o seu pessimismo em relação à economia portuguesa. É isso que sinalizam os indicadores de clima económico e da confiança dos consumidores até março, segundo os dados publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira, 28 de março.
O indicador de clima económica subiu pelo segundo mês consecutivo em março, atingindo os 2,3% (média móvel de três meses), o valor mais elevado desde novembro de 2018, o que sinaliza uma melhoria das perspetivas dos empresários. Este indicador sintético publicado pelo INE resulta das respostas qualitativas das empresas da indústria, serviços e construção.

Contudo, no que toca aos indicadores de confianças, os dados dão sinais contrários. No caso dos consumidores, a confiança piorou novamente e atingiu um mínimo de novembro de 2016. Segundo o INE, este comportamento “refletiu o contributo negativo do saldo das perspetivas relativas à evolução da situação económica do país, da situação financeira do agregado familiar e da realização de compras importantes”.

A confiança dos empresários também diminuiu seja na indústria, na contrução, no comércio ou nos serviços. Em termos gerais, esta degradação resulta do contributo negativo das perspetivas de produção, opiniões sobre a procura global e apreciações sobre a evolução dos stocks. No caso específico da construção a redução do indicador de confiança acontece depois de em fevereiro ter atingido um máximo de 17 anos.

Estes são sinais agridoces para a evolução da economia portuguesa no primeiro trimestre deste ano. Na semana passada, tanto o indicador de atividade económica de janeiro do INE como o indicador coincidente de atividade económica de fevereiro do Banco de Portugal sinalizaram uma melhoria do ritmo de crescimento de Portugal graças à aceleração do investimento. “Estes indicadores sugerem que o ritmo de crescimento económico se manterá em níveis significativos no primeiro trimestre de 2019”, concluíam os analistas do BPI na publicação “Pulso Económico”. 

Contudo, ainda é cedo para tirar conclusões dado que será em maio que o INE divulgará o PIB do arranque de 2019. E, para já, a envolvente externa, em particular da Zona Euro, a que Portugal está bastante exposto, não dá sinais de melhoria. Pelo contrário, os indicadores revelados até ao momento apontam todos para a continuação da travagem económica sentida no segundo semestre de 2018. 

Comente este artigo

O artigo Clima económico recupera, mas confiança dos consumidores mantém queda foi publicado originalmente em Jornal de Negócios.

Anterior Conferência e Fórum sobre Bio-Regiões
Próximo Festival “Sabores do Borrego” em Castro Verde

Artigos relacionados

Últimas

PSD troca PCP pelo PS no banco de terras sem dono conhecido

[Fonte: Público]

O PSD está disponível para viabilizar o regime simplificado de cadastro predial proposto pelo Governo, mais conhecido pelas terras sem dono, depois de ter negociado nos últimos dias com os socialistas, confirmou ao PÚBLICO o deputado social-democrata, António Costa e Silva. […]

Nacional

Agricultura reconhece boa aposta da marca Açores

[Fonte: Açoriano Oriental]

“Esta é uma feira muito importante para os Açores. É um evento que se dedica à promoção de produtos. É preciso aproveitar estes eventos e reconhecer o trabalho desenvolvido pela SDEA. Através dos contactos que se iniciam nesta feira existem fortes possibilidades de novos negócios. […]

Nacional

Os três pecados originais da Lactogal

A Lactogal é uma empresa de lacticínios que pertence a duas uniões de cooperativas e uma cooperativa. Herdou das suas 3 fundadoras e atuais acionistas a parte industrial e comercial, ficando as cooperativas com a recolha e apoio técnico à produção. […]