Cinco meios aéreos e 530 operacionais no combate ao fogo em Tomar

Cinco meios aéreos e 530 operacionais no combate ao fogo em Tomar

O incêndio que deflagrou no sábado em Tomar, Santarém, já 90% dominado, é combatido por cinco meios aéreos, apoiados por 530 operacionais e 156 meios terrestres, incluindo quatro máquinas de rasto enviadas pelas Forças Armadas.

De acordo com a página da Autoridade Nacional de Protecção Civil pelas 08:50 este era o conjunto de meios afectos ao combate ao fogo que começou cerca das 16:00 de sábado em Tomar, no distrito de Santarém, entrando nos concelhos de Abrantes e Constância depois de passar o rio Zêzere, junto à barragem de Castelo de Bode.

O operacional de serviço do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, Luís Casimiro, disse à Lusa que a situação deste incêndio se mantém em 90% em fase de resolução, havendo ainda “alguns pontos quentes a precisar de acompanhamento”.

Os 10% de área que ainda não está controlada localiza-se nas margens do rio Zêzere, adiantou.

O Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) adiantou numa nota publicada na sua página oficial que foram enviados meios para apoiar a Protecção Civil no combate ao incêndio.

“Na sequência do incêndio que lavra com intensidade em Tomar, as Forças Armadas empenharam quatro máquinas de rasto, três do Exército e uma da Força Aérea, para apoiarem na abertura de caminhos que facilitem o acesso dos operacionais que combatem o fogo. Este apoio surge no seguimento de um pedido da Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil e irá centrar-se na localidade de Tomar. Com uma tripulação de cinco militares em cada máquina, vão ser empenhados ao todo 20 militares (15 do Exército e cinco da Força Aérea)”, refere o EMGFA.

No sábado, as chamas provocaram queimaduras num bombeiro, considerado ferido ligeiro, que foi assistido no Hospital de Abrantes.

Segundo a Protecção Civil, ao final da tarde de sábado, cerca das 17:40, um dos aviões que participava no combate ao fogo teve que amarar na barragem de Castelo de Bode, após abortar a descolagem na sequência de uma operação de “scooping” (recolha de água).

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Comente este artigo
Anterior Este saleiro calcula em segundos sal aconselhado por OMS
Próximo Técnicos da Direção Regional de Agricultura visitam zonas afetadas pelas intempéries

Artigos relacionados

Notícias apoios

CAP preocupada com “baixíssima” execução do PDR 2020

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) mostrou-se hoje preocupado com “a baixíssima” taxa de execução do […]

Comunicados

O Agroportal conta com a UPL como anunciante e uma nova página dossiers na área das biossuloções

A entrada da UPL confirma a presença do setor dos fitofarmacêuticos e das biossoluções, trazendo ao Agroportal uma visão e sensibilidade mais a […]

Nacional

Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da FCTUC recebe viatura da REN

A REN – Redes Energéticas Nacionais doou uma viatura ao Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais (CEIF), do Departamento de Engenharia […]