Centromarca defende que nova Diretiva Europeia deve abranger todos os operadores da cadeia de abastecimento

Centromarca defende que nova Diretiva Europeia deve abranger todos os operadores da cadeia de abastecimento

A Centromarca e a sua congénere European Brands Association (AIM) solicitaram à Comissão Europeia a adoção de uma abordagem de ‘equidade para todos’ ao longo da cadeia de abastecimento e defenderam a sua integração na proposta legislativa em matéria de Práticas Comerciais Desleais que foi apresentada em Bruxelas no dia 12 de abril.

Com esta posição, a Centromarca e a AIM procuram assegurar que há um ambiente mais justo para todos os atores decisivos no fornecimento de produtos diversificados e inovadores aos consumidores.

"O âmbito da legislação não deve ser diferenciado em função da dimensão dos operadores, de modo a ter um efeito real e a ter capacidade para fortalecer a competitividade de toda a cadeia de fornecimento”, defende Nuno Fernandes Thomaz, Presidente da Centromarca. E acrescenta: “As Práticas Comerciais Desleais (PCD) são também, em muitas circunstâncias, impostas aos grandes operadores, tal como o são a operadores de menor dimensão"

.

A Centromarca reconhece que as PCD variam de mercado para mercado, e que incluir uma relação exaustiva de todas será um desafio, mas apela à Comissão Europeia que inclua o princípio da negociação leal que define estas práticas.

O objetivo é que a proposta legislativa, na sua versão final, estabeleça que as empresas devem ser proibidas de impor aos seus parceiros comerciais, ou tentar obter deles, quaisquer termos e condições que sejam ilegítimos, injustificados ou desproporcionados.

A Centromarca não tem dúvidas em reafirmar que as práticas comerciais desleais criam ineficiências ao longo da cadeia de abastecimento, o que tem consequências negativas para a competitividade e, portanto, um efeito dominó negativo em toda a cadeia, do agricultor ao consumidor. Mas acredita, também, que todos os operadores têm uma responsabilidade partilhada no desenvolvimento de uma cadeia de abastecimento sustentável, forte e eficiente.

Num quadro de diálogo e negociação no plano da União Europeia, a Centromarca recorda que nenhuma das legislações nacionais nesta matéria (incluindo a portuguesa) estabelece distinções de aplicação em função da dimensão dos operadores penalizados e informa que fez chegar a mensagem ao Governo, visando sensibilizar o Executivo para que defenda essa mesma posição junto dos parceiros europeus.

"Consideramos que só desta forma é possível garantir uma cadeia de abastecimento mais forte e sustentável"

,

conclui Nuno Fernandes Thomaz.

Comente este artigo
Anterior CNA - A Luta camponesa no brasil- 16 de Abril 2018 - Coimbra
Próximo Wisecrop - Startup Portuguesa vai realizar campanha de crowdfunding

Artigos relacionados

Notícias Inovação

Catálogo Nacional de Variedades de Espécies Agrícolas e Hortícolas (CNV)

A DGAV procede à divulgação do Catálogo Nacional de Variedades de Espécies Agrícolas e Hortícolas (CNV), edição de 2019. […]

Comunicados

Soja de Portugal participa na feira de emprego FINDE.U

O grupo SOJA DE PORTUGAL, organização de referência no setor da Indústria Agroalimentar, está a recrutar na feira internacional de emprego da Universidade do Porto: FINDE.U organizada pelas Universidades do Porto, Vigo, Católica Portuguesa (Porto) e UTAD, no Centro de Congressos da Exponor, em Matosinhos. 
O grupo, […]

Sugeridas

Políticos que criticam execução do PT 2020 “não conseguiram realizar pagamentos às empresas”, diz Nelson de Souza

[Fonte: ECO]
O ministro do Planeamento reiterou esta sexta-feira que Portugal está no “pelotão da frente” na execução do programa PT 2020 e vincou que os políticos que criticam estes dados não conseguiram, no início do programa, efetuar pagamentos às empresas. […]