Centeno “obviamente” satisfeito por trabalhar com comissária Elisa Ferreira

Centeno “obviamente” satisfeito por trabalhar com comissária Elisa Ferreira

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, afirmou esta sexta-feira estar “obviamente” satisfeito por a comissária Elisa Ferreira ser responsável pela implementação do orçamento para a zona euro, o que significa que ambos trabalharão em conjunto “para concretizar um instrumento muito ambicioso”.

São boas notícias, obviamente, que a comissária Elisa Ferreira, quando for confirmada pelo Parlamento Europeu, possa ter essa pasta. Iremos com certeza trabalhar em conjunto para concretizar um instrumento muito ambicioso para a zona euro”, disse, à chegada à reunião informal de ministros das Finanças em Helsínquia.

O presidente do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro comentava o facto de a presidente eleita da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ter atribuído à comissária designada por Portugal a pasta da Coesão e Reformas, contando-se entre as suas missões a implementação do futuro instrumento orçamental para a competitividade e convergência na zona euro.

Além de Centeno, também o vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo euro, Valdis Dombrovskis, que integrará igualmente o futuro executivo comunitário, comentou à margem da reunião, estar “desejoso” de trabalhar com Elisa Ferreira, reconhecida em Bruxelas como “muito competente e trabalhadora”.

“Relativamente a Elisa Ferreira, antes de mais gostaria de a felicitar pela designação para comissária da Coesão e Reformas. Trabalhámos de perto com a Elisa Ferreira quando ela era coordenadora do S&D (Socialistas e Democratas) na comissão de economia (do Parlamento Europeu) e, mais tarde, também tivemos reuniões quando estava (como vice-governadora) no Banco de Portugal. Claro que a conhecemos como alguém com grandes conhecimentos, muito competente e muito trabalhadora”, apontou o comissário letão.

Entre as missões atribuídas por Von der Leyen a Elisa Ferreira enquanto comissária da Coesão e Reformas conta-se a implementação do futuro instrumento orçamental para a competitividade e convergência na zona euro, tendo Dombrovskis comentado a esse propósito que a comissária portuguesa irá certamente “trabalhar arduamente para que se concretize” enfim essa nova capacidade orçamental.

Na agenda da reunião desta sexta-feira do Eurogrupo, no formato ‘inclusivo’ (alargado aos Estados-membros que não fazem parte da zona euro), conta-se precisamente uma nova discussão sobre o instrumento orçamental, para ultimar aspetos ainda em aberto em torno da proposta a ser apresentada ao Conselho Europeu em outubro, mas Centeno observou que este é um trabalho que certamente prosseguirá, pelo que terá oportunidade de trabalhar no desenvolvimento dessa capacidade orçamental em conjunto com Elisa Ferreira, que deverá entrar em funções em 1 de novembro.

Devo dizer que, feliz ou infelizmente, os trabalhos não vão concluir-se em outubro por uma razão muito simples: este instrumento orçamental é uma peça importantíssima no novo quadro institucional na União Europeia e eu vejo-a como, do ponto de vista intertemporal, um dos aspetos mais relevantes que vamos ter que continuar a desenvolver no futuro para a zona euro, e espero que ele ganhe uma importância crescente no financiamento daquilo que são as prioridades da zona euro em termos orçamentais. Portanto é um trabalho que vai continuar”, disse.

Em 14 de junho passado, no Luxemburgo, os ministros das Finanças acordaram as principais linhas de um orçamento para a zona euro, deixando, contudo, em aberto questões fundamentais, tais como a sua dimensão e financiamento.

Uma semana mais tarde, numa cimeira do Euro em Bruxelas, os chefes de Estado e de Governo saudaram “os progressos alcançados no Eurogrupo sobre o reforço da União Económica e Monetária”, mas instaram os ministros das Finanças a concluir os trabalhos com alguma celeridade, de modo a ser possível ‘fechar’ um compromisso global este ano.

Especificamente sobre o instrumento orçamental, os líderes solicitaram ao Eurogrupo “que informe rapidamente sobre as soluções adequadas para o financiamento”, apontando que “estes elementos devem ser acordados como uma questão prioritária, de modo a que se possa definir a dimensão do instrumento orçamental no contexto do próximo quadro financeiro plurianual” (2021-2027).

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Viana do Castelo, Braga, Porto e Leiria sob aviso amarelo devido ao tempo quente
Próximo Cientistas sequenciam genoma do abacate para garantir melhorias na produção

Artigos relacionados

Últimas

AJAP apoia candidatura de Romeu Sequeira à nova Casa do Douro, pelo movimento “Causa do Douro”

A AJAP, enquanto organização nacional de agricultores, consolidada e com 37 anos de vida, sempre entendeu que a Região Demarcada do Douro […]

Projetos concluídos

Cereais – Lusarroz

Este projeto resultou na obtenção 2 variedades de arroz portuguesas com melhor adaptação às condições edafoclimáticas específicas de Portugal.

Sugeridas

Roseiras na Vinha

Nos últimos anos, vem sendo hábito plantar roseiras nos topos das linhas de Vinha, antigo costume “importado” de França. Estas roseiras serviam, […]