CDS-PP recomenda ao Governo a criação de um Fundo de Emergência Ambiental para as alterações climáticas

CDS-PP recomenda ao Governo a criação de um Fundo de Emergência Ambiental para as alterações climáticas

[Fonte: CDS]

Através de um Projeto de Resolução, o CDS-PP recomenda ao Governo a criação de um Fundo de Emergência Ambiental, com a dotação de 30M€, que vise dar resposta a situações de emergência relacionadas, nomeadamente, com o abastecimento de água às populações, atividades económicas e a garantia da utilização máxima dos fundos comunitários disponíveis para o efeito, e quer que este fundo seja financiado através do Fundo Ambiental.

As alterações climáticas são hoje uma realidade com que todos nos confrontamos e a maior ameaça ambiental do século XXI, com consequências profundas e transversais em várias áreas da sociedade: económica, social e ambiental.

No futuro, os seus impactos serão cada vez mais frequentes e intensos, sendo que fenómenos climáticos extremos acarretam vários perigos, como inundações, tempestades e secas.

Portugal, pela sua característica mediterrânica e de acordo com vários especialistas, é o país da União Europeia com maior risco de desertificação, fruto de secas mais frequentes e prolongadas, sendo os territórios do interior do país particularmente sensíveis a estes fenómenos.

Recentemente, o país foi fustigado com um conjunto de diversos fenómenos extremos, como secas (que em 2017 proporcionaram a ocorrência de grandes incêndios), a tempestade Leslie e quedas de granizo que têm acarretado enormes prejuízos para as populações e a economia.

Segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente, que contabilizou para cada país os prejuízos resultantes de fenómenos meteorológicos extremos, como cheias, tempestades e incêndios de grandes dimensões, os custos das alterações climáticas em Portugal, entre 1980 e 2013, ascendem a 6.800M€ sendo que, destes, apenas 300M€ estavam cobertos por seguros.

Este enorme prejuízo representa um custo de 665 euros per capita e de 73,5M€ por quilómetro quadrado, o equivalente a 0,14% do Produto Interno Bruto nacional.

Para fazer face a estes fenómenos, as respostas do Governo não têm sido suficientes, pelo que a existência de um Fundo de Emergência, facilmente mobilizável em situações de catástrofe natural, será de enorme pertinência.

O CDS-PP considera que o Fundo Ambiental seria o instrumento mais adequado para assegurar este fundo de emergência.

CDS quer saber porque é que a Campanha Nacional de Combate à Vespa Velutina é financiada através do Fundo Florestal Permanente

CDS quer conhecer distribuição territorial da população de javalis e pede valorização da carne de javali e seguros para agricultores lesados

Comente este artigo
Anterior Nuno Melo diz que opositor do PS “foi o rosto do desperdício” de fundos comunitários
Próximo Oferta de emprego - Responsável de qualidade - Ferreira do Alentejo

Artigos relacionados

Comunicados

AEA promoveu workshop “Segurança Alimentar – Rotulagem” Sessão de Esclarecimento – ASAE

Decorreu ontem, dia 6 de julho, pelas 15h00, em Amarante, mais uma sessão de trabalho, destinada a criar mais dinâmica no sector agroalimentar da região, […]

Nacional

A FENAREG e o novo preço da água para Alqueva

Foi divulgada pelo Senhor Ministro da Agricultura a redução dos preços da água de Alqueva, decisão política que resulta do esforço conjunto com os Ministérios das Finanças e do Ambiente. […]

Dossiers

Comissão de Agricultura e Mar visita Smart Farm

[Fonte: ANIPLA] Uma comitiva de nove deputados membros da Comissão de Agricultura e Mar (CAM), encabeçada pelo seu Presidente, […]