Carlos Moedas: Rombo do Brexit obriga a aumentar contribuições para o orçamento comunitário

Carlos Moedas: Rombo do Brexit obriga a aumentar contribuições para o orçamento comunitário

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, (à esq) e o comissário europeu Carlos Moedas (à dir) defendem a necessidade de aumentar as contribuições dos Estados membros para o Orçamento da União Europeia.Hugo Amaral/ECO

A saída do Reino Unido da União Europeia (UE) vai resultar num “buraco” de 12 mil milhões de euros no orçamento comunitário, avisou esta terça-feira o comissário europeu Carlos Moedas. O responsável disse estar a “lutar” para que haja “um maior esforço” por parte dos países do bloco.

Em sintonia com a posição defendida horas antes por António Costa, em Praga, no final do encontro dos “Amigos da Coesão”, Carlos Moedas defendeu assim um aumento das contribuições dos Estados membros para o orçamento comunitário para que não haja cortes em políticas como a Coesão ou agricultura.

Esse buraco tem de ser preenchido, não só com eficiências da Comissão Europeia, mas também tem de haver um maior esforço dos países. Temos de caminhar para uma Europa com um orçamento superior. Essa é a minha luta.

Carlos Moedas

Comissário europeu

“Quando um país como o Reino Unido sai, são menos 12 mil milhões de euros por ano. Retirar esse país faz um buraco no orçamento”, sublinhou Carlos Moedas no Web Summit. “Esse buraco tem de ser preenchido, não só com eficiências da Comissão Europeia, mas também tem de haver um maior esforço dos países. Temos de caminhar para uma Europa com um orçamento superior. Essa é a minha luta”, disse.

Na mesma conferência de imprensa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, disse que Portugal está disponível para aumentar as contribuições. “Portugal está disponível para aumentar o contributo para a União. Aquilo que vão ser as contribuições dos Estados-membros têm de aumentar”, reforçou o ministro.

Portugal está disponível para aumentar o contributo para a União. Aquilo que vão ser as contribuições dos Estados-membros têm de aumentar.

Pedro Siza Vieira

Ministro da Economia

Portugal defende uma contribuição de 1,16% do Rendimento Nacional Bruto por Estado membro, acima da proposta da Comissão (1% do RNB) e que resulta, para o país, num corte de 6% da Política de Coesão e de 15% do segundo pilar da Política Agrícola Comum (PAC), a do desenvolvimento rural. Mas, para o Parlamento Europeu, a contribuição dos Estados membros deveria ser de 1,3%. António costa sublinhou ainda a necessidade de se encontrar recursos próprios para o Orçamento comunitário — nomeadamente através da tributação dos gigantes tecnológicos — para não ser necessário aumentar a tributação dos Estados membros.

O artigo foi publicado originalmente em ECO.

Comente este artigo
Anterior João Ponte: Implementação da Estratégia Regional para o Desenvolvimento da Agricultura Biológica está em curso
Próximo Deliberação do Conselho Diretivo do ICNF relativa à colheita mecânica noturna de azeitonas nos olivais superintensivos

Artigos relacionados

Dossiers

Funções das florestas: da conservação à produção

Há muitos tipos de florestas, em Portugal e no mundo, que têm sido classificadas em função do valor que lhes é reconhecido e dos […]

Nacional

Taxa de nascimentos de linces no Vale do Guadiana é a mais alta da Pensínsula Ibérica

A taxa de nascimentos na população de linces ibéricos no Vale do Guadiana é a mais elevada da Península Ibérica, segundo os resultados dos censos 2019 divulgados hoje pelo Instituto da […]

Eventos

Webinar: “O reflexo da COVID-19 no sistema de defesa da floresta contra incêndios em 2020” – 12 de maio

Perceber quais os principais desafios suscitados pela pandemia COVID-19 e quais as estratégias definidas por cada um dos três pilares do Sistema […]