CAP Defende um Novo Modelo de Contrato Social Para os Produtores Florestais

CAP Defende um Novo Modelo de Contrato Social Para os Produtores Florestais

[Fonte: CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal]

Conferências “Gestão Florestal, Território e Riscos Naturais”

Lisboa, 28 de fevereiro de 2019: A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) realizou ontem, em Lisboa, no auditório da Ordem dos Engenheiros, a primeira sessão do ciclo de conferências “Gestão Florestal, Território e Riscos Naturais”, com o intuito de promover uma melhor compreensão de como o fenómeno dos incêndios rurais tem evoluído nas últimas décadas e acerca do contexto em que a silvicultura se desenvolve no nosso território.

A sessão contou com a participação de Marc Castellnou, Ricardo Trigo, Paulo Fernandes e Luís Braga da Cruz como oradores, e foram abordadas questões como a mudança do clima e a recorrência de eventos meteorológicos extremos, a relação da composição específica da floresta com os incêndios, assim como as alterações do uso do território rural, da sua população e das condições sociais e económicas em que a gestão da floresta ocorre.

As intervenções permitem aos responsáveis da CAP concluir que o fenómeno e a escala que os incêndios florestais assumem em Portugal não resultam de circunstâncias específicas da silvicultura praticada, sendo consequência de fenómenos como alterações climáticas e alteração do padrão de utilização do território comuns a outras regiões, e que limitam a capacidade de atuação dos produtores florestais.

Para a CAP é necessário um novo modelo de contrato social para os produtores florestais, uma vez que as exigências e condições propostas pela sociedade aos produtores florestais apenas poderão ser aceites e cumpridas se forem exequíveis e tecnicamente corretas.

De acordo com a Confederação, as medidas propostas deverão sempre assentar no melhor conhecimento técnico e científico existente e ser compatíveis com os modelos de silvicultura a que se destinam. Para a CAP, a prescrição de medidas formuladas por leigos, desprovidas de conhecimento e fundamentação técnica, não só descredibilizam os poderes públicos como podem acarretar maior desorganização de uma silvicultura já fortemente comprometida.

Por outro lado, para os responsáveis da Confederação, de nada adianta a formulação de atuações que sejam de aplicação virtualmente impossível, pela condição dos seus destinatários, os produtores florestais, do território ou da economia local.

→Consulte aqui a informação geral das Conferências “Gestão Florestal, Território e Riscos Naturais” ←

CAP: Conferência: “Oportunidades para os jovens agricultores em Portugal” – 1 de março – Torres Vedras

CAP: Seminário “A Agricultura Portuguesa e a Neutralidade Carbónica” – 14 março – Lisboa

Comente este artigo
Anterior COMAGRi no debe defender intereses del 2% en actual PAC
Próximo Gazeta Rural – N.º 334 – 28 de Fevereiro de 2019

Artigos relacionados

Notícias Fitofarmacêuticos

Avisos Agrícolas: 05 (2019) Vinha – Douro

O Serviço de Avisos Agrícolas é um serviço nacional do Ministério da Agricultura e do Mar (MAM) que tem por finalidade emitir avisos agrícolas. […]

Sugeridas

Farm Europe welcomes the decision of Comagri Members to take sufficient time to improve the CAP reform proposals

[Fonte: Farm Europe]
Yesterday, the MEPs in charge of the CAP reform within the AGRI committee of the European Parliament decided that the debate on the reform of the CAP will not go beyond Comagri’s position during the current legislature.
Farm Europe fully understand this decision considering the challenges raised by the Commission’s proposals, […]

Comunicados

Novo relatório de monitorização da seca – 28 fevereiro 2019

[Fonte: GPP]
Foi disponibilizado o último relatório de Monitorização Agrometereológica e Hidrológica referente ao ano hidrológico 2018/2019.

Comente este artigo
#wpdevar_comment_5 span,#wpdevar_comment_5 iframe{width:100% !important;}O artigo Novo relatório de monitorização da seca – 28 fevereiro 2019 foi publicado originalmente em GPP. […]