Câmara de Fornos de Algodres paga seis euros por cada ovino da raça Serra da Estrela

Câmara de Fornos de Algodres paga seis euros por cada ovino da raça Serra da Estrela

[Fonte: Observador]

A Câmara Municipal de Fornos de Algodres decidiu atribuir um incentivo financeiro de seis euros por cada ovino da raça Serra da Estrela, com o objetivo de rejuvenescer o setor e de incentivar as raças autóctones.

O apoio, que consta de um regulamento municipal que já foi aprovado pela autarquia, também abrange os produtores de caprinos e de bovinos do concelho.

“É um apoio que visa premiar e preservar a prática agrícola no concelho, nomeadamente a produção de gado. Nós sentimos essa necessidade, porque nos apercebemos que cada vez mais vão envelhecendo os produtores de gado e, portanto, é importante conseguirmos rejuvenescer o setor”, disse à agência Lusa Alexandre Lote, vice-presidente do município de Fornos de Algodres, no distrito da Guarda.

Segundo o responsável, a medida é também justificada por a autarquia sentir que “alguns jovens agricultores estavam a apostar em raças que não as autóctones” e por a ovelha Serra da Estrela estar “a ficar um bocadinho para trás em detrimento de outras raças que têm outra rentabilidade”.

“Então, conciliando estes dois fatores, considerámos que era o momento certo para apresentarmos este regulamento que tem como objetivo premiar com seis euros por cabeça de gado todas as ovelhas da raça Serra da Estrela, 2,5 euros as restantes raças e 120 euros para os bovinos”, disse.

Alexandre Lote aponta que no regulamento há “uma diferenciação clara da ovelha Serra da Estrela”, como forma de a autarquia preservar “também aquele que é um produto icónico da região, que é o queijo Serra da Estrela”.

O autarca disse à Lusa que os produtores do concelho receberam a medida de forma “extraordinária”.

A Câmara Municipal de Fornos de Algodres tem também a funcionar um Gabinete de Apoio ao Ovinicultor que auxilia os produtores nos licenciamentos, nos projetos e na obtenção de apoios.

O gabinete “tem um foco muito grande na certificação dos produtores do queijo da Serra da Estrela” e a autarquia suporta o processo na totalidade.

O concelho possui 14 queijarias licenciadas e dois produtores de queijo Serra da Estrela com DOP – Denominação de Origem Protegida (certificado), pretendendo aumentar o número de produtores com queijo certificado.

Segundo Alexandre Lote, o município de Fornos de Algodres tenciona lançar em breve uma plataforma ‘online’ de venda de produtos locais, incluindo o queijo Serra da Estrela certificado.

Com o surgimento da plataforma, o responsável vaticina que aumentará o interesse dos produtores pela produção de queijo DOP.

A produção de queijo Serra da Estrela é “a principal atividade do setor primário” do concelho de Fornos de Algodres, onde existem mais de 3.500 ovinos.

“O setor do queijo é o setor que mais marca e mais identifica o concelho de Fornos de Algodres. É importante que não só a comunidade local tenha essa perceção, mas também todos os agentes que olham para o concelho de Fornos de Algodres”, concluiu.

O município de Fornos de Algodres integra a Região Demarcada de Produção de Queijo Serra da Estrela, que engloba áreas de 18 concelhos da Bacia Hidrográfica do Alto Mondego.

Comente este artigo

O artigo Câmara de Fornos de Algodres paga seis euros por cada ovino da raça Serra da Estrela foi publicado originalmente em Observador

Anterior Los corderos no remontan y se mantienen por debajo del año anterior
Próximo Nuno Melo: “Nenhum voto no CDS validará um Governo de Costa”

Artigos relacionados

Sugeridas

Commission aims to push CAP monies into a ‘genuine safety net for farmers’

[Fonte: Agriland]
The European Commission will explore the possibility of pushing Common Agricultural Policy (CAP) monies into a genuine safety net for farmers.
Details of the Commission’s plans for the future of CAP where highlighted in a recent report – ‘Improving market outcomes – Enhancing the position of farmers in the food chain’. […]

Últimas

Ferramentas e metodologias de gestão de projetos no setor agrícola

O presente questionário é realizado no âmbito de uma dissertação do Mestrado em Gestão de Projetos do ISEG – Lisbon School of Economics & Management da Universidade de Lisboa, e tem como objetivo traçar o perfil de utilização e sucesso de metodologias e ferramentas de implementação de projetos no setor agrícola. […]

Últimas

Sem glúten, sem lactose e biológicos. Especialistas alertam para riscos destes alimentos

[Fonte: Rádio Renascença]

A moda dos alimentos sem glúten e sem lactose fez disparar o seu consumo nos últimos anos, mas há nutricionistas que dizem que este tipo de alimentos só deve ser retirado da alimentação quando existe uma razão clínica para o fazer. […]